Login| Sign Up| Help| Contact|

Patent Searching and Data


Title:
ASSEMBLY AND PROCESS FOR ORGANISING STACKS OF CORK STOPPERS AND MACHINE COMPRISING SAID ASSEMBLY
Document Type and Number:
WIPO Patent Application WO/2016/195521
Kind Code:
A1
Abstract:
The present invention relates to an assembly (1) for organising stacks of cork stoppers and a process for organising stacks of cork stoppers carried out by said assembly (1). The invention further relates to a machine comprising said assembly (1) for organising stacks of cork stoppers. The stacks of cork stoppers are disposed in an organised way to facilitate and optimize their packaging, reducing the packaging volume and facilitating their transport. The present invention applies to field of cork industry and cork stopper production.

Inventors:
ALMEIDA E SOUSA, António Gil Da Costa (Av. Da República, Nº 244 - 6º Dt Frt, 4450-237 Matosinhos, 4450-237, PT)
LEITÃO, Luís Filipe Campos (Rua Cardeal Cerejeira Nº 176, Lousado Vila Nova De Famalicão, 4760-611 Lousado, 4760-611, PT)
DA SILVA, Luis Filipe Peixoto Machado (Rua Do Agro, Nº 269, 4535-193 Mozelos Vfr, 4535-193, PT)
DUARTE, Pedro Nuno Esteves (Rua De Meladas, 380, 4535-186 Mozelos Vfr, 4535-186, PT)
RIBEIRO, Reinaldo Lemos (Condomínio "Cepães Village", Rua Da Agrela Nº 5, Bloco 4 - 1ºdt 4740-255 Esposende, 4740-255, PT)
Application Number:
PT2016/050011
Publication Date:
December 08, 2016
Filing Date:
May 27, 2016
Export Citation:
Click for automatic bibliography generation   Help
Assignee:
AMORIM CORK RESEARCH, LDA. (Rua De Meladas, 380, 4535-186 Mozelos Vfr, 4535-186, PT)
International Classes:
B65B5/10; B65B35/40; B65B35/38; B65B25/02; B65B35/54; B27J5/00; B65B35/52
Foreign References:
EP2733086A12014-05-21
US2589038A1952-03-11
US2190859A1940-02-20
EP1166982A22002-01-02
US20070059152A12007-03-15
JP2009249113A2009-10-29
JP2008133056A2008-06-12
Other References:
None
Attorney, Agent or Firm:
MOREIRA, Pedro Alves (Rua do Patrocínio 94, 1399 - 019 Lisboa, 1399 - 019, PT)
Download PDF:
Claims:
dade (1) de organizaeao de piihas de rolhas, caracterizada por compreender: uma plaiaforma (2) de organizaeao de piihas de rolhas compreendendo uma base (3) que define urn piano (P), a plaiaforma (2) compreendendo uma zona (4) de rececao de piihas de rolhas, uma zona (5) de transporte de piihas de rolhas e uma zona (6) de acondicionamento de piihas de rolhas; um mecanismo (7) de rececao e posicionamento de piihas de rolhas compreendendo: um orgao (8) de rececao e transporte de piihas de rolhas compreendendo uma primeira placa (9) de rececao de piihas de rolhas, sendo a placa (9) movel em relacao ao piano (P), uma segunda placa (11) de rececao de piihas de rolhas, sendo a placa ( 11 ) movel em relacao ao piano (P), um orgao (12) de retencao de piihas de rolhas compreendendo um elemento (13) de retencao e um caicador (14) que sao, ambos, moveis perpendicularmente ao piano (P) e estao dispostos para atuar na zona (6) de acondicionamento; uma cercadura ( 15) compreendendo uma parede (16) de aiinhamento de piihas de rolhas, sendo a cercadura (15) deslocavei paralelamente ao piano (P) e estando disposta sobre a plataforma (2) e em torno do mecanismo (7) de rececao e posicionamento; em que as placas (9, 11) possuem, respetivamente, guias (1709, 1711) para rececao e alojamento de pilhas de rolhas; e a primeira placa (9) de rececao de pilhas de rolhas esta orientada paralelaraente a parede (16) de alinhamento de pilhas de rolhas da referida cercadura (15).

Unidade (1) de organizagao de pilhas de rolhas de acordo com a reivindicacao 1 , caracterizada por a primeira placa (9) ser movel, no interior da cercadura (15), paralelamente ao piano (P), entre a referida zona (4) e a zona (6).

Unidade (1) de organizagao de pilhas de rolhas de acordo com a reivindicacao 1 , caracterizada por a primeira placa (9) ser move! perpendicularmente ao piano (P).

Unidade (1) de organizacao de pilhas de rolhas de acordo com qualquer uma das reivindicagoes 1 a 3, caracterizada por a segunda placa (11) ser move! perpendicularmente ao piano (P),

Unidade (1) de organizagao de pilhas de rolhas de acordo com a reivindicacao 4, caracterizada por a segunda placa (11) ser adicionalmente move! paralelamente ao piano (P), entre a referida zona (4) e a zona (6).

Unidade (1) de organizacao de pilhas de rolhas de acordo com qualquer uma das reivindicagoes 1 a 5, caracterizada por compreender ainda uma placa (10) de separagao de pilhas de rolhas movel relativamente ao piano (P), estando a placa (10) disposta entre a primeira placa (9) de recegao e a segunda placa (11) de recegao.

7. Unidade (1) de organizacao de pilhas de rolhas de acordo com a reivindicacao 6, caracterizada por a placa (10) ser movel perpendicularmente ao piano (P) e estar disposta para atuar na zona (4) de rececao.

8. Unidade (1) de organizacao de pilhas de rolhas de acordo com qualquer uma das reivindicacoes anteriores, caracterizada por as guias (1709) da primeira placa (9) estarem dispostas de modo desalinhado em relacao as guias (1711) da segunda placa (11),

9. Unidade (!) de organizacao de pilhas de rolhas de acordo de acordo com qualquer uma das reivindicacoes I a 8, caracterizada por a parede (16) possuir guias (1716) alinhadas com as guias (1711) da segunda placa (11).

10. Unidade (1) de organizacao de pilhas de rolhas de acordo com a reivindicacao 8 ou 9, caracterizada por as guias (1709, 1711 , 1716) estarem dispostas de modo espacado e paraieio entre si e serem perpendiculares ao piano (P),

11. Unidade (!) de organizacao de pilhas de rolhas de acordo de acordo com qualquer uma das reivindicacoes 1 a 7, caracterizada por o eiemento (13) de retencao ser um e!emento do tipo pente.

12. Unidade (1) de organizacao de pilhas de rolhas de acordo com qualquer uma das reivindicacoes anteriores, caracterizada por a primeira placa (9) possuir orificios (18) passantes dispostos espacadamente ao iongo das guias (1709) e dos espacos entre as guias.

13. Unidade (1) de organizacao de pilhas de rolhas de acordo com a reivindicacao 12, caracterizada por corapreender ainda um orgao (19) de sucgao, move! entre a referida zona (4) e a zona (6), paralelamente ao piano (P), estando o orgao (19) disposto a montante da primeira placa (9) e preparado para cooperar com esta.

14. Unidade (1) de organizagao de pilhas de rolhas de aeordo com a reivindicacao 13, caracterizada por o orgao (19) de succao corapreender um conjunto de hastes (20) de succao, em que cada haste (20) compreende uma ponta (21) de succao.

15. Unidade (1) de organizacao de pilhas de rolhas de aeordo com a reivindicacao 13 ou 14, caracterizada por as referidas pontas (21) das hastes (20) do referido conjunto definirem pelo menos um piano (Q) de sucgao.

16. Unidade (1) de organizacao de pilhas de rolhas de aeordo com a reivindicacao 15, caracterizada por as referidas pontas (21) das hastes (20) do referido conjunto definirem pelo menos dois pianos (Q\ Q") de succao, sendo os pianos (Q\ Q") de succao estritamente paralelos.

17. Unidade (1) de organizacao de pilhas de rolhas de aeordo com qualquer uma das reivindicacoes 14 a 16, caracterizada por as hastes (20) de sucgao estarem alinhadas com os orificios (18) passantes da primeira placa (9) e preparadas para, em utilizacao, atravessarem os referidos orificios (18) passantes.

18. Maquina de embalamento de rolhas, compreendendo uma unidade de alimentacao de rolhas e uma unidade de embalamento de pilhas de rolhas, caracterizada por compreender ainda uma unidade (1) de organizagao de pilhas de rolhas de aeordo com qualquer uma das reivindicacoes anteriores disposta entre a unidade de alimentagao de rolhas e a unidade de embalamento de pilhas de rolhas.

19. Processo de organizagao de pilhas de rolhas recorrendo a uma unidade (1) de organizagao de pilhas de rolhas de aeordo com a reivindicacao 1 , sendo o processo caracterizado por compreender os passos de: a) aiimentar, numa zona (4) de recegao, com um numero predefmido de pilhas de rolhas, o orgao (8) de recegao e transporte de pilhas de rolhas; b) remover a segunda placa (11) de recegao da plataforma (2) de organizaeao de pilhas de rolhas; c) avancar a primeira placa (9) para a zona (6) de acondicionamento; d) avangar a cercadura (15) de uma distancia predefinida; e) atuar o orgao ( 2) de retengao de pilhas de rolhas na zona (6) de acondicionamento, retendo as rolhas transportadas pela primeira placa (9) de recegao; f) retornar a primeira placa (9) a zona (4) de recegao; g) reposicionar a segunda placa (11) na zona (4) de rece ao e h) repetir os passes a) a g) ate formar um bloco de rolhas desejado.

20, Processo de acordo com a reivindicacao 19, caracterizado por entre os passos a) e b) remover uma placa (10) de separagao de pilhas de rolhas da zona (4) de recegao, e no passo g) reposicionar a segunda placa (11) e a placa (10) de separagao.

21. Processo de acordo com a reivindicagao 20, caracterizado por: antes da remogao da placa (10) de separagao, atuar um orgao (19) de sucgao fixando por sucgao as pilhas de rolhas dispostas na primeira placa (9); apos remogao da placa (10) de separagao, atuar o mesmo orgao (19) de sucgao fixando por sucgao as pilhas de rolhas dispostas na segunda placa (11); no passo c) avanc r a primeira placa (9) em conjunto com o orgao (19) de succao que mantem a preensao das pilhas rolhas; entre o passo e) e o passo f) o orgao (19) de succao liberta as pilhas de rolhas. no passo f) retornar a primeira placa (9) e o orgao (19) de succao a zona (4) de rececao.

Description:
IJNIDADE E PROCESSO DE ORGANIZACAO DE PILHAS DE ROLHAS E

CAMPO DA INVENCAO

A presente invengao refere-se a uma unidade e processo de organizagao de pilhas de rolhas e a uma maquina compreendendo a referida unidade de organiza ao de pilhas de rolhas. As pilhas de rolhas sao organizadas de modo a viabilizar e otimizar o seu embalamentG, reduzindo o volume de armazenamento e facilitando o seu iransporte. A presente invengao tern aplicacao no campo da industria corticeira e de producao de rolhas.

ANTECEDENTES DA INVENCAO

Quando finalizado o processo de produgao de rolhas de eortiga, as rolhas sao contadas e embaladas em eondigoes adequadas com vista ao seu transporte ate ao engarratador, sendo necessario assegurar que as rolhas de eortiga cheguem ao cliente nas quantidades previstas e nas condigoes de preservagao adequadas.

Os processes manuals, de contagem e embalamento, foram sendo substituidos ao longo do tempo por dispositivos semi-automatizados ou totalmente automatizados que dispensam intervengao manual nas operagoes de contagem e embalamento.

Os dispositivos e processos geralmente utiiizados na tecnica permitem embalar iotes de rolhas de eortiga em sacos de polietileno, normalmente com introdugao de anidrido sulfuroso, um gas inibidor do desenvoivimento microbiologico de uso generalizado na indiistria vinicola, sendo que posteriormente os referidos sacos sao vedados para garantir a conservaeao das rolhas. Opcionalmente, os sacos vedados contendo as referidas rolhas de cortiga sao colocados em eaixas de cartao, ou semelhantes.

Em media, cada embalagem de rolhas de cortica compreende cerca de 1000 a 1500 unidades padronizadas, dependendo esie valor das dimensoes das proprias rolhas e da quantidade total encomendada, bem como dos meios utilizados para o transporte das embalagens contendo as referidas rolhas.

Existem na tecnica varios tipos de dispositivos de contagem e embalamento de rolhas. For exemplo, e bastante conhecido o "Equipamento de Embalagem de Rolhas Automatico EMB-100" comercializado pela empresa Azevedos Industria, que se destina a embalagem automatica de rolhas de cortiga em sacos.

O embalamento das rolhas de cortiga nos sacos e feito a granei, ou seja, as rolhas sao mantidas de um modo desordenado nos referidos sacos, o que levanta problemas na quantidade de rolhas por saco, devido ao volume que estas ocupam. Consequentemente, o espago necessario para o armazenamento das rolhas em armazem como no seu transporte, acarreta custos que acrescem aos custos de produgao. De facto, um dos problemas com que se confrontam atualmente os produtores de rolhas de cortiga e o volume ocupado peias referidas rolhas de cortiga na embalagem, ou seja, a inexistencia de um meio de embalamento que permita agrupar, de modo ordenado, as rolhas de cortiga nas embalagens que Ihes sao destinadas, com vista ao subsequente armazenamento e expedicao para o cliente.

Deste modo, face as necessidades atuais da industria, os dispositivos e processes de embalamento de rolhas a granei utilizados na tecnica revelam-se pouco eficazes.

De acordo com o exposto, existe a necessidade na tecnica de um dispositive) que permita, de um modo rentavel, aumentar a produtividade do processo de embalamento de rolhas, proporcionando uma redugao do volume ocupado por lote de rolhas embalado. E urn objetivo da presente invencao proporcionar uma unidade de organizagao de pilhas de rolhas, que permita acondicionar as rolhas de modo organizado para reduzir o volume de armazenamento por lote, superando as desvantagens apresentadas peios dispositivos e processos de embalamento da tecnica anterior.

SUMARIO DA INVENCAO

A presente invencao refere-se a uma unidade de organizacao de pilhas de rolhas, caracterizada por compreender:

• uma platatorma de organizacao de pilhas de rolhas compreendendo uma base que define um piano (P), a plataforma compreendendo uma zona de reeegao de pilhas de rolhas, uma zona de transports de pilhas de rolhas e uma zona de acondicionamento de pilhas de rolhas;

® um mecanismo de recegao e posicionamento de pilhas de rolhas compreendendo: um orgao de recegao e transporte de pilhas de rolhas incluindo uma primeira placa de recegao de pilhas de rolhas, sendo a piaca move! em relacao ao piano (P), uma segunda placa de rececao de pilhas de rolhas, sendo a placa movel em relagao ao piano (P), um orgao de retengao de pilhas de rolhas compreendendo um elemento de retengao e um calcador que sao, ambos, moveis perpendicularmente ao piano (P) e estao dispostos para atuar na zona de acondicionamento;

® uma cercadura compreendendo uma parede de alinhamento de pilhas de rolhas, sendo a cercadura deslocavel paraleiamenie ao piano (P) e estando disposia sohre a plataforma e em torno do mecanismo de recegao e posicionamento; em que as referidas primeira e segunda piacas de reeecao possuem guias para reeecao e alojamento de pilhas de rolhas; e a primeira placa de reeecao de pilhas de rolhas esta orientada paralelamente a parede de alinhamento de pilhas de rolhas da referida cercadura.

Numa forma de reaiizacao, a primeira placa de reeecao e move!, no interior da cercadura, paralelamente ao piano (P), entre a referida zona de reeecao e a zona de acondicionamento ,

Numa outra forma de reaiizacao, a primeira placa de reeecao e move! perpendicularmente ao piano (P).

Ainda noutra forma de reaiizacao, a segunda placa de recegao e move! perpendicularmente ao piano (P), podendo ser adicionalmente movel paralelamente ao piano (P), entre a referida zona de recegao e a zona de acondicionamento.

Numa outra forma de reaiizacao da invencao, a unidade de organizacao de pilhas de rolhas compreende adicionalmente uma placa de separaeao de pilhas de roihas, sendo a placa de separaeao movel relativaraente ao piano (P) e estando disposta entre a primeira placa de recegao e a segunda placa de recegao. De um modo preferido, a placa de separacao e movel perpendicularmente ao piano (P) e esta disposta para atuar na zona de recegao,

Numa forma de reaiizagao da invengao, as guias da primeira placa de rececao estao dispostas de modo desaiinhado em reiagao as guias da segunda placa de recegao.

Noutra forma de reaiizagao, a referida parede de alinhamento possui guias alinhadas com as guias da segunda placa de rececao.

De um modo preferido, as guias da primeira placa de rececao, da segunda placa de rececao e da parede de alinhamento, estao dispostas de modo espacado e paralelo entre si e sao perpendicuiares ao piano (P).

Numa forma de reaiizaeao preferida, o elemento de retencao e um elemento do tipo pente.

Numa outra forma de reaiizaeao, a primeira placa de rececao de roihas possui orificios passantes dispostos espacadamente ao longo das guias da referida primeira placa e dos espacos entre as referidas guias.

Num aspeto da invengao, a unidade de organizagao de pilhas de roihas compreender ainda um orgao de sucgao, movel entre a zona de rececao e a zona de acondicionamento, paralelamente ao piano (P), estando o orgao de sucgao disposto a montante da placa de recegao e preparado para cooperar com esta.

Num outro aspeto, o orgao de sucgao compreende um conjunto de hastes de sucgao, em que cada haste compreende uma ponta de sucgao.

De um modo preferido, as referidas pontas das hastes do referido conjunto definem pelo menos um piano (Q) de sucgao. De um modo muito preferido, as referidas pontas das hastes de sucgao do referido conjunto definem pelo menos dois pianos (Q\ Q") de sucgao, sendo os pianos (Q', Q") de sucgao estritamente paralelos.

Nura aspeto preferido, as hastes de sucgao estao alinhadas com os orificios passantes da primeira placa de rececao, e as referidas hastes de sucgao estao preparadas para, em utilizagao, atravessarem os referidos orificios passantes.

A presente invengao refere-se tambem a uma maquina de embaiamento de roihas, a maquina compreendendo uma unidade de organizagao de pilhas de roihas da invengao disposta entre uma unidade de alimentagao de roihas e uma unidade de embaiamento de pilhas de roihas.

A invengao refere-se ainda a um processo de organizagao de pilhas de roihas recorrendo a uma unidade de organizagao de pilhas de roihas tal como descrita anteriormente, sendo o processo caracterizado por compreender os passes de: a) alimentar, numa zona (4) de recegao, com um numero predefinido de pilhas de roihas, o orgao (8) de recegao e transporte de pilhas de roihas compreendendo primeira e segunda piacas (9, 11) de recegao; b) remover a segunda placa de recegao da plataforma de organizagao de pilhas de roihas; c) avangar a primeira placa de recegao para a zona de acondicionamento; d) avangar a cercadura de uma distancia predefinida; e) atuar o orgao de retengao de pilhas de roihas na zona de acondicionamento, retendo as roihas transportadas pela primeira placa de recegao; retornar a primeira placa de recegao a zona de recegao; g) reposicionar a segunda placa de rececao na zona de rececao e h) repetir os passes a) a g) ate formar urn bloco de rolhas desejado.

Numa forma de realizacao da invencao, o processo compreende ainda um passo adicionai de, entre os passos a) e b), remover uma placa de separacao de pilhas de rolhas da zona de rececao e, no passo g), reposicionar a segunda placa e a placa de separagao, em que antes da remocao da placa de separacao, atua um orgao de succao fixando por succao as pilhas de rolhas dispostas na primeira placa de recegao; apos remocao da placa de separacao, atua o mesmo orgao de succao fixando por succao as pilhas de rolhas dispostas na segunda placa de rece ao; no passo c) avanca a primeira placa de rececao em conjunto com o orgao de succao que mantem a preensao das pilhas rolhas; entre o passo e) e o passo f) o orgao de sucgao liberta as pilhas de rolhas; e no passo f) retornar a primeira placa e o orgao de sucgao a zona de recegao,

BREVE DESCRICAO DOS DESENHOS

A seguir procede-se a descricao da invencao fazendo referenda aos desenhos anexos, em que:

A Fig. 1. 1 mostra uma vista em perspetiva de um bloco de rolhas exemplificativo da presente invencao, em que o referido bloco possui 46 matrizes de rolhas, cada matriz possuindo 12 pilhas de rolhas e em que cada pilha possui 10 rolhas empilhadas, num total de 5520 rolhas. As setas indie am a direcao de acondicionamento das pilhas de rolhas.

A Fig. 1.2 mostra uma vista de cima do hloco de rolhas da Fig. 1. 1 , onde as setas indicam a direcao de acondicionamento das pilhas de rolhas.

A Fig. 1.3 mostra uma vista lateral do bioco de rolhas da Fig. 1.1 , mostrando 24 pilhas de rolhas, cada pilha possuindo 10 rolhas empilhadas.

A Fig. 2. 1 mostra uma forma de realizacao esquematica da unidade de organizagao de rolhas da presente invengao, numa posigao inicial, antes de ser carregada de pilhas de rolhas.

As Fig. 2.2 a 2.4 sao vistas esquematicas, respetivamente em perspetiva, vista frontal e vista lateral, de um conjunto formado pela primeira placa de rececao de pilhas de rolhas e pelo orgao de succao, de acordo com outra forma de realizacao da invengao.

As Fig. 2.5 a 2.7 sao vistas esquematicas do orgao de sucgao, respetivamente em perspetiva, vista frontal e vista superior, de acordo com uma forma de realizacao da presente invengao.

A Fig. 3. 1 mostra o orgao de retengao de pilhas de rolhas em funcionamento na unidade de organizagao de rolhas da presente invengao.

A Fig. 3.2 ilustra um elemento de retengao do tipo pente.

As Fig. 4 a 12 iiustram um ciclo de funcionamento de uma forma de realizagao preferida da invengao, em que: A Fig. 4 ilustra o initio do ciclo de funcionamento da unidade de organizacao de pifhas de rolhas da inveneao, onde se mostra a placa de separaeao de pilhas de rolhas a ser removida da plataforma, e o movimento sincronizado de avanco da primeira placa de rececao, de acordo com a direcao das setas representadas.

A Fig. 5 ilustra a continuidade do ciclo da Fig. 4, mostrando o orgao de rececao e transporte de pilhas de rolhas ja sem a placa de separaeao.

A Fig. 6 ilustra a segunda placa de rececao de pilhas de rolhas a ser removida da plataforma da unidade de organizacao de pilhas de rolhas, e o movimento sincronizado de avanco da primeira placa de rececao, de acordo com a direcao das setas representadas.

A Fig. 7. 1 mostra a plataforma de trabalho sem a segunda placa de recegao.

As Fig. 7.2 a 7.4 mostram esquematicamente, respetivamente em perspetiva, vista frontal e vista lateral, o orgao de suecao em cooperacao com a primeira placa de rececao de pilhas de rolhas.

A Fig. 8 ilustra o movimento da primeira placa de rececao, deslocando as matrizes de rolhas ate a zona de acondicionamento, estando o elemento de retencao numa posicao elevada.

A Fig. 9 ilustra o movimento sincronizado do orgao de retencao, que se desloca para haixo antes da primeira placa de rececao recuar para a sua posicao initial, de acordo com a direcao das setas representadas.

A Fig. 10 mostra o elemento de retencao numa posicao de imobilizacao das pilhas de rolhas na zona de acondicionamento, e o recuo da primeira placa de rececao e do orgao de suecao associado. A Fig. 11 ilustra o movimento de recuo da primeira placa de rececao, na direcao indicada pela seta representada, na zona de recegao, tendo a placa de separacao e a segunda placa de rececao retomado a sua posicao na zona de rececao para inicio de novo ciclo.

A Fig, 12 mostra a unidade de organizacao de pilhas de rolhas da presente invencao na posicao inicial, preparada para iniciar um novo ciclo de funcionamento.

A Fig. 13 e uma vista esquematica em perspetiva de uma unidade de organizacao de pilhas de rolhas da presente invencao associada a um aiimentador de pilhas de rolhas.

A Fig. 14 e uma vista esquematica de uma forma de rea!izacao de uma maquina de embalamento compreendendo a unidade de organizacao de pilhas de rolhas da invencao.

DESCRICAO DETALHADA DA INVENCAO

A presente invencao refere-se a uma unidade e processo de organiza ao de pilhas de rolhas e a uma maquina compreendendo a referida unidade de organizacao de pilhas de rolhas, com vista a acondicionar as referidas pilhas de rolhas num bloco com dimensoes predefinidas, facilitando o embalamento de uma quantidade predeterminada de rolhas e reduzindo o volume ocupado pelas mesmas, bem como os custos de armazenamento e transporte. A invengao garante que as rolhas sao preservadas adequadamente como previsto no Codigo Internacionai de Praticas Rolheiras (CIPR).

O acondicionamento de rolhas conseguido pela unidade e processo da presente invencao permite acondicionar um numero consideravelmente maior de rolhas por unidade de volume, ou seja por embalagem, quando comparado com o acondicionarnento de rolhas a granei realizado pelos dispositivos e processes da tecnica anterior.

No contexto da presente invencao, o termo "rolha" ou "rolhas" refere-se a rolhas de cortica natural, cortica natural colmatada, cortica aglomerada, cortica micro - aglomerada, cortica tecnica ou semelhantes e suas combinacoes.

A expressao "corpo cilindrico" refere-se ao corpo de uma rolha possuindo uma forma substancialmente cilindrica e duas extremidades pi anas. Por substancialmente cilindrica entende-se, no contexto da presente descricao, a forma de um corpo que possui diametros iguais em ambas as suas extremidades ou que admite uma variacao dimensional entre os diametros das referidas extremidades, normalmente associada ao metodo de producao, i. e. , apresentando uma forma substancialmente conica. Qualquer das extremidades do corpo cilindrico pode ser chanfrada ou boleada e destina-se a ser inserida partial ou totalmente na boca ou gargalo de um recipiente.

A express o "pilha de rolhas" refere-se a uma coluna de rolhas dispostas umas sobre as outras, estando as rolhas assentes sobre as suas extremidades planas. Ou seja, as extremidades do corpo cilindrico das referidas rolhas assentam umas sobre as outras de modo a obter-se a referida pilha. Um exemplo de pilha da presente invencao contempla uma pilha de 10 rolhas sobrepostas. Naturaimente, qualquer outro numero de rolhas pode ser utilizado para formar uma pilha de rolhas.

No contexto da presente invencao, a expressao "matriz de rolhas" refere-se a um grupo de pilhas de rolhas, estando as pilhas dispostas iado a iado. Por exemplo, uma matriz de 120 rolhas significa uma disposicao de 12 pilhas, possuindo cada pilha 10 rolhas empiihadas, como representado na Fig. 1.2. A tituio de exemplo, a Fig. 1.1 mostra uma organizacao (ou bloco) de 46 matrizes de rolhas. Naturaimente, qualquer outro numero de pilhas de rolhas pode ser utilizado para formar uma matriz. No contexto da presente invengao, o termo "bloco" designa um conjunto ordenado de matrizes de rolhas, Pode observar-se um bloco de rolhas exemplificativo na Fig. 1.1 , possuindo 46 matrizes, num total de 5520 rolhas. A expressao "pianos estritamente paralelos" significa que pelo menos dois pianos sao paralelos um ao outro e nao possuem qualquer ponto em comum entre si, ou seja, nao sao coincidentes.

O termo "manual" ou suas variabiles refere-se a qualquer tarefa executada por um operador humano, sem recurso a quaisquer dispositivos automatizados, mecanicos, eletricos, eletronicos ou semelhantes.

O termo "semi-automatizado" refere-se a qualquer tarefa executada por dispositivos automatizados, mecanicos, eletricos, eletronicos ou semelhantes, mas que requer a intervencao humana para a sua execucao.

O termo "automatizado" refere-se a qualquer tarefa executada unicamente por dispositivos automatizados, mecanicos, eletricos, eletronicos ou semelhantes, sem qualquer intervencao humana.

No contexto da presente descricao, o termo "compreendendo" deve ser entendido como "incluindo, entre outros" . Como tai, o referido termo nao deve ser interpretado como "consistindo apenas de" .

A invencao sera aqui explicada a seguir com referenda nao limitativa as Figuras anexas.

As Fig. 1. 1 a 1.3 ilustram um bloco exemplificativo obtido pela unidade (1) de 'ganizacao de pilhas de rolhas da presente invengao. O bloco representado corresponde a uma dimensao padrao de embalagens de cartao comercialmente disponiveis.

Naturalmente que as dimensoes do bloco a formar pela unidade (1) poderao ser ajustadas a quaisquer dimensoes de embalamento desejadas.

Surpreendentemente, com o embalamento referido acima, a requerente verificou que foi passive! ganhar cerca de 30% do volume disponfvel da embalagem para o bloco gerado pela unidade (1) de organiza ao de pilhas de rolhas da invencao, relativamente ao volume de rolhas a granel que se utilizou numa embalagem identica.

Como se compreendera, este ganho em volume traduz-se em beneficios significativos em termos de custos de armazenamento e de transporte.

Fazendo referenda as Fig. 2. 1 e 3.1 , a unidade (1) de organiza ao de pilhas de rolhas da invencao compreende:

• uma plataforma (2) de organiza ao de pilhas de rolhas compreendendo uma base (3) que define um piano (P), a plataforma (2) compreendendo uma zona (4) de rececao de pilhas de rolhas, uma zona (5) de transporte de pilhas de rolhas e uma zona (6) de acondicionamento de pilhas de rolhas;

• um mecanismo (7) de rececao e posicionamento de pilhas de rolhas compreendendo: um orgao (8) de rececao e transporte de pilhas de rolhas inciuindo uma primeira placa (9) de rececao de pilhas de rolhas, sendo a placa (9) movel em relacao ao piano (P), uma segunda placa (1 1 ) de rececao de pilhas de rolhas, sendo a placa (11) movel em relacao ao piano (P), um orgao (12) de retengao de pilhas de rolhas eompreendendo um elemento (13) de retengao e um calcador (14) que sao, ambos, moveis perpendicularmente ao plaiio (P) e estao dispostos para atuar na zona (6) de acondicionamento;

• uma cereadura (15) eompreendendo uma parede (16) de alinhamento de pilhas de rolhas, sendo a cereadura (15) deslocavei paralelamente ao piano (P) e estando disposta sobre a plataforma (2) e em torno do mecanismo (7) de rececao e posicionamento; em que as placas (9, 11) possuem, respetivamente, guias (1709, 1711) para rececao e a!ojamento de pilhas de rolhas; e a primeira placa (9) de rececao de pilhas de rolhas esta orientada paralelamente a parede (16) de alinhamento de pilhas de rolhas da referida cereadura (15).

A plataforma (2) de organizagao de pilhas de rolhas constitui o piano de trabalho para o mecanismo (7) de rececao e posicionamento de pilhas de rolhas, o qual possui um movimento de deslocamento entre duas zonas (4, 6) definidas na plataforma.

Na zona (4) de rececao da plataforma (2), o referido mecanismo (7) de rececao e posicionamento recebe pilhas de rolhas que sao fornecidas por uma unidade de alimentacao de rolhas, conforme mostrada na Fig. 14. Esta unidade de alimentagao pode ser qualquer alimentador do estado da tecnica, devidamente adaptado para interacao com a unidade (!) da invencao.

Numa forma de realizacao possivei, este alimentador fo niece as rolhas, auxiliado por agao da gravidade e por intermedio de canais de alimentagao, ao mecanismo (7), conforme mostrado na Fig. 13. A vantagem e que o fornecimento permite formar imediatamente as piihas de rolhas a alimentar ao mecanismo (7).

O mecanismo (7) de rececao e posicionamento de piihas de rolhas compreende urn orgao (8) de rececao e transporte que inclui duas placas (9, 1 1). E de realgar que e aconselhavel existir, a todo o momento do funcionamento da unidade (1), uma contencao permanente das piihas de rolhas, sob pena de desmoronamento das mesmas e consequente inviabilizacao da formagao do bloco de rolhas. Numa forma de reaiizacao, a primeira placa (9) e movel, no interior da cercadura

(15), paralelamente ao piano (P), entre a referida zona (4) e a zona (6).

Numa outra forma de reaiizacao, a primeira placa (9) e movel perpendicularmente ao piano (P). Esta caracteristica e litil quando utilizada numa das formas de reaiizacao que incluem um orgao (19) de sucgao, as quais serao melhor descritas adiante.

A segunda placa (11) e movel perpendicularmente ao piano (P), podendo ser adicionalmente movel paralelamente ao piano (P), entre a referida zona (4) e a zona (6). Numa forma de reaiizacao preferida, a unidade (1) de organizacao de piihas de rolhas compreende ainda uma placa (10) de separagao de piihas de rolhas, sendo a placa (10) movel reiativamente ao piano (P) e estando disposta entre a primeira placa (9) de rececao e a segunda placa (11) de rececao. A placa (10) e movel perpendicularmente ao piano (P) e esta disposta para atuar na zona (4) de rececao, permitindo separar matrizes de rolhas e impedindo o contacto entre estas.

De um modo preferido, as placas (9, 1 1) de recegao compreendem guias (1709) e (1711), respetivamente, para auxiliar a formacao ordenada e estavei de matrizes de rolhas. Pre fere- se que as guias (1709) da primeira placa (9) estejam dispostas de modo desaiinhado em reiagao as guias (1711) da segunda placa (11). A expressao "guias dispostas de modo desalinhado" pretende significar que as guias (1709) da primeira placa (9) do orgao (8) de rececao e transporte de pilhas de rolhas da presente invencao, nao coexistem, numa mesma iinha de referencia paralela ao piano (P), com as guias (1711) da segunda placa (11). Do mesmo modo, no contexto da invencao, as guias da primeira placa (9) estao alinhadas, numa mesma linha de referencia paralela ao piano (P), com os espacos entre as guias (171 1) da segunda placa. Estes aspetos sao iiusirados na Fig. 6.

O referido desalinhamento entre as matrizes de rolhas formadas nas placas (9) e (11) e Ml na economia de volume obtido pelo bloco final formado, uma vez que possibilita o aproveitamento dos espacos entre rolhas adjacentes numa mesma matriz. Deste modo, as rolhas da matriz formada na primeira placa (9) encaixam-se nos refer idos espacos livres existentes entre as pilhas de rolhas da matriz formada na segunda placa (11). Este aspeto e visivel na Fig. 1.2. e igualmente no bloco de rolhas mostrado na Fig. 1. 1.

Com vista a organizacao de pilhas de rolhas para obter o bloco final, a parede (16) da cercadura (15) possui igualmente, de um modo preferido, guias (1716). Estas guias (1716) estao alinhadas com as guias (1711) da segunda placa (11). Pelo termo "alinhadas" deve ser entendido que as guias (1716), da parede (16) da cercadura (15), coexistem numa mesma iinha de referencia paralela ao piano (P) com as guias (1711) da segunda placa (11), como pode ser observado na Fig. 11 , conforme melhor se explicara adiante. Para manter a forma ao, organizacao e o equilibrio entre as pilhas de rolhas, as guias (1709, 1711 , 1716) estao dispostas de modo espacado e paralelo entre si e sao perpendiculares ao piano (P). Esta disposi ao impede, por exemplo, que as pilhas de rolhas contactem umas com as outras na fase de formacao das matrizes de rolhas nas placas. Numa forma de realizagao exemplificativa da invengao, o ciclo de funcionamento inicia- se com a fase de alimentagao, na qual as placas (9, 10, 11) estao posicionadas na zona (4) de rececao de pilhas de roihas. A piaca (10) de separacao de pilhas de roihas esia disposta entre as placas (9) e (11), servindo para separar as mairizes de roihas que se formam nestas ultimas, impedindo deste modo o contacto entre roihas das referidas matrizes e assegurando assim a manutengao do equilibrio essencial a construgao posterior do bloco final de roihas.

Apos a alimentagao e respetiva formacao das matrizes de roihas, a piaca (10) e removida por movimento perpendicular, de urn modo preferido descendente, ao piano (P), o que permite a jungao e contacto das duas matrizes de roihas ja formadas. A Fig. 5 ilustra estes aspetos.

Seguidamente, a piaca (11) e removida por movimento perpendicular, de um modo preferido descendente, ao piano (P), como se ve na Fig. 7.1. Neste ponto, a piaca (9) e as duas matrizes de roihas ainda se encontram na zona (4) de recegao.

A seguir, como se ve nas Fig. 7.1 , 8 e 9, a piaca (9) inicia um movimento de transporte das pilhas (e correspondentes matrizes) de roihas desde a zona (4) ate a zona (6) de acondicionamento, na qual o conjunto formado por ambas as matrizes de roihas e encostado contra a parede (16) de aiinhamento de pilhas de roihas da cercadura (15), ficando a matriz que tinha sido formada na piaca (1 ) em contacto direto com a parede (16). Numa forma de realizagao preferida, a parede (16) compreende guias (1716) que, como referido anteriormente, estao aiinhadas com as guias (17 1) da segunda piaca (11), pelo que as guias (1716) recebem as pilhas de roihas da matriz formada na piaca (11), garantindo assim estabilidade e equilibrio das piihas de roihas. Apos este passo, a cercadura (15) avanga para jusante da zona (4) paraieiamente ao piano (P) de uma distancia sensivelmente identica a espessura das matrizes de roihas transportadas pela placa (9) em cada ciclo de funcionamento. Esta soiu ao permite o acondicionamento de outro conjunto subsequente de matrizes de rolhas, e assim sucessivamente ate a formagao do bloco de rolhas final pretendido. Antes do recuo da placa (9) para a zona (4) de recegao com vista a iniciar novo ciclo, este conjunto de matrizes de rolhas, acabado de ser acondicionado, tem de ser imobiiizado para evitar desmoronamentos de rolhas que comprometeriam a formagao do bloco final. Para este efeito, atua o orgao (12) de retengao de pilhas de rolhas, como mostrado nas Fig. 9 e 10.

Finalmente, com o conjunto de matrizes de rolhas imobiiizado, a placa (9) recua para a zona (4) de recegao, apos o que as placas (10, 11) retornam a sua posigao initial, final izando-se assim um ciclo de funcionamento da unidade (1) de organizagao de pilhas de rolhas da invengao. A partir daqui a unidade (1) fica preparada para iniciar novo ciclo de alimentagao e transporte de pilhas de rolhas.

Estes ciclos podem ser repetidos as vezes necessarias para construir um bloco de rolhas com as dimensoes pretendidas. A titulo de exemplo, para formar um bloco identico ao mostrado na Fig. 1.1 , seriam necessaries 23 ciclos de organizagao de pilhas de rolhas tal como o que se descreveu anteriormente.

Note-se que a organizagao de pilhas de acordo com a presente invengao e realizada sobre a plataforma (2) que define um piano (P), que corresponde na pratica ao piano de trabalho da unidade (1) de organizagao. Apesar de a orientacao natural do piano (P) ser substancialmente horizontal, a presente invengao contempia variagoes angulares a referida orientacao horizontal.

Numa outra forma de reaiizagao, a plataforma (2) podera possuir uma inclinacao ascendenie relativamenie a horizontal, ficando assim a zona (4) a um nivel inferior a zona (6). Com esta disposicao, e passive! aproveitar a forga da gravidade tambem na fase de transporte das pilhas de rolhas entre a zona (4) e a zona (6) para manter juntas as matrizes de rolhas, promovendo o equilibrio e a estabilidade do conjunto formado pelas referidas matrizes de rolhas.

De um modo preferido, o referido eiemento (13) de retengao e urn elemento do tipo pente.

No coniexto da presente desericao, fazendo referenda a Fig. 3.2, a expressao "elemento do tipo pente" pretende significar um eiemento (13) formado por uma pluralidade de denies, paralelos entre si, os quais estao fixos numa das suas extremidades a um elemento do tipo barra. Uma tal configuragao dos denies permite que o referido elemento (13) do tipo pente se desloque perpendicularmente ao piano (P), em que os espagos entre denies permitem que estes se desloquem por entre as hastes (20) de succao do orgao (19) de suecao ilustrado na Fig. 2.5. Numa outra forma de realizagao da invencao e fazendo referenda as Fig. 2.2 e

2.3, a primeira placa (9) de rececao possui orificios (18) passantes, estando os orificios (18) dispostos espacadamente ao longo de guias (1709) e dos espagos entre as guias (1709). A expressao "orificios passantes" no context*) da presente invencao esta associada as piacas (9, 11) descritas acima. A referida expressao pretende significar que qualquer das referidas piacas (9, 11) pode possuir um furo passante disposto nas suas guias ou nos espagos entre as suas guias; ou pode possuir varios furos passantes dispostos ao longo das suas guias ou dos espagos entre as suas guias da placa; ou pode alternativamente possuir recortes passantes dispostos no iugar das suas guias, assumindo, neste ultimo caso, uma configuragao semelhante ao elemento do tipo pente representado na Fig. 3.2.

A expressao "orificios passantes" quando associada a placa (10) de separagao descrita acima, refere-se a recortes paralelos dispostos no corpo da placa (10) que Ihe conferem uma configuragao semelhante ao elemento do tipo pente representado na Fig. 3.2. A expressao "orificios passantes disposios espagadamente ao longo das guias e dos espacos entre as guias" refere-se a furos passantes, cuja distancia entre dois furos passantes, dispostos numa mesma guia (1709) ou no mesmo espaeo entre guias, deve ser tal que permita acertar cada furo com o corpo de uma respetiva rolha da pilha de rolhas posicionada nessa guia (1709) ou espaeo entre guias (1709).

E de notar que poderao existir 2 ou mais orificios (18) passantes para cada corpo de rolha, Numa outra forma de realizacao exemplificativa ilustrada nas Fig. 2.5 e 2.7, a unidade (1) de organizagao de piihas de rolhas compreende adicionalmente um orgao (19) de sucgao, preparado para se deslocar entre a referida zona (4) e zona (6), paraieiamente ao piano (P), estando o orgao (19) disposto a montante da placa (9) de rececao e preparado para cooperar com esta (como iiustrado nas Fig. 7.2 e 7.4).

Ainda noutra forma de realizacao utilizando o orgao (19) de sucgao, apos a alimentacao do orgao (8) de rececao e assim que o orgao (19) de sucgao tenha sido acionado para prender as rolhas, as placas (9, 10, 11) podem ser removidas, permitindo que o orgao (19) de sucgao realize o movimento de transporte das piihas de rolhas desde a zona (4) ate a zona (6) sem necessitar da cooperacao da placa (9) neste movimento ate a zona de acondicionamento.

De um modo preferido, o orgao (19) de sucgao compreende um conjunto de hastes (20) de succao, em que cada haste (20) compreende uma ponta (21) de sucgao. As pontas (21) de sucgao do conjunto de hastes (20) definem pelo menos um piano (Q) de sucgao conforme mostrado na Fig. 7.4, de um modo preferido definem pelo menos dois pianos (Q\ Q") de sucgao, sendo os pianos (Q\ Q") de sucgao estritamente paralelos, como se mostra na Fig. 2.7. De urn modo preferido, as hastes (20) de succao estao alinhadas com os orificios (18) passantes da primeira placa (9) e preparadas para, em utilizagao, atravessarem os referidos orificios (18) passantes. No caso particular da placa (9) de rececao assumir a forma de um eiemento do tipo pente, as hastes (20) de sucgao podem passar entre os dentes do eiemento do tipo pente para aleangar as rolhas e prende-las, de seguida, por succao. Depois, o orgao (19) de succao podera deslocar-se para a zona (6) de acondicionamento em conjunto com a referida placa (9) em forma de pente ou sem esta, dependendo do tipo de movimento permitido a placa (9), respetivamente, movimento paralelo ou perpendicular ao piano (P). Ou seja, se a placa (9) em forma de pente possuir movimento paralelo ao piano (P), a placa (9) desiocar-se-a com o orgao (19) de succao ate a zona de acondicionamento, para auxiliar a imobilizacao das pilhas de rolhas durante o movimento. No caso de a placa (9) em forma de pente possuir movimento perpendicular ao piano (P), a placa (9) sera removida (por movimento descendente ou ascendente, conforme a sua concecao mecanica) da zona (4) de recegao, apos o orgao (19) de sucgao ter assegurado a preensao das rolhas, ficando este ultimo liberto da presenca da placa (9) durante o movimento para a zona (6) de acondicionamento. Numa forma de realizacao especial, preve-se que o orgao (19) de sucgao tal como descrito possa atuar isoladamente, ou em combinagao com uma placa (9) ou ainda em combinacao com um orgao (8) de rececao, com vista a fixar as rolhas a organizar e, em associacao com um brago mecanico (nao ilustrado), as libertar diretamente numa embalagem ou caixa, o que permitiria dispensar as restantes pegas e dispositivos aqui descritos.

A presente invengao refere-se ainda a uma maquina de embalamento de rolhas. Esta maquina compreende uma unidade de alimentagao de rolhas e uma unidade de embalamento de pilhas de rolhas, bem como uma unidade (1) de organizacao de pilhas de rolhas da invengao disposta entre as referidas unidades de alimentagao e embalamento de pilhas de rolhas. Numa forma de reaiizagao particular da unidade (1) de organizacao de rolhas da presente invencao, a primeira placa (9) de rececao possuindo orificios (18) passantes, a segunda placa (11) de rececao e a placa (10) de separagao, estao posicionadas paralelamente entre si e perpend icularmente ao piano (P), na zona (4) de rececao de pilhas de rolhas. A placa (10) de separagao de pilhas de rolhas esta disposta entre as piacas (9) e (11). As placas (9, 11) possuera guias (1709, 1711) desalinhas entre si. A montante da placa (9) esta disposto um orgao (19) de succao possuindo hastes (20) que compreendem pontas (21) de succao defmindo dois pianos (Q\ Q"). Nesta concegao, apos a aiimentacao e respetiva formacao de matrizes de rolhas, o orgao (19) e feito avancar, de tai modo que todas as suas hastes (20) atravessam os orificios (18) passantes da placa (9) e, assim, as pontas (21) de succao no piano (Q') prendem por succao as rolhas da matriz formada na placa (9) cujas pilhas estao alinhadas nas guias (1709). Em seguida, a placa (10) e removida por movimento descendente, perpendicular ao piano (P), o que permite que o orgao (19) avance e as pontas (21) de succao do piano (Q") prendam por succao as rolhas da matriz formada na placa (11), a qual e, depois, removida por movimento descendente, perpendicular ao piano (P). Neste ponto, a placa (9) ainda se encontra na zona (4) de rececao bem como o orgao (19) de succao. A seguir, a placa (9) e o orgao (19), em cooperacao, iniciam um movimento de transporte das pilhas (e correspondentes matrizes) de rolhas desde a zona (4) ate a zona (6) de acondicionamento, na qual o conjunto formado por ambas as matrizes de rolhas e encostado contra uma parede (16) de aiinhamento de pilhas de rolhas de uma cercadura (15), ficando a matriz de rolhas que se formou na placa (11) dispostas nas guias (1716) da parede (16). Note-se que, na presente forma de realizagao, as guias (1711) estao alinhadas com as guias (1716) da parede (16). Apos este passo, atua um orgao (12) de retengao de pilhas de rolhas que compreende um caicador (14) e um pente (13) que cooperam de modo sincronizado. Neste ponto, o pente (13) desloca-se atraves de um movimento descendente perpendicular ao piano (p), tal como mostrado nas Fig. 9 e 10, de modo a imobilizar as matrizes de rolhas transportadas, fazendo passar os denies do pente (13) nos intervalos entre as hastes (20) do orgao (19). So depois, o orgao (19) liberta as rolhas, e a placa (9) e o orgao (19) recuam para a zona (4) de rececao, retornando desse modo a sua posicao initial. De seguida as placas (10, 1 1) retomam as suas posieoes na zona (4) permitindo iniciar novo ciclo de funcionamento da unidade (1). Nos ciclos seguintes, repete-se o aciraa descrito ate ao ponto de atuacao do orgao (12) de retencao. Nesta fase, quando a placa (9) e o orgao (19) de succao chegam a zona (6) de acondicionamento, junto ao pente (13), o calcador (14) desloca-se atraves de um movimento descendente perpendicular ao piano (P), ate contactar com o topo das pilhas de roihas acondicionadas no ciclo anterior, de modo a rete-las na posicao em que se encontram, e o pente (13) desloca-se de modo ascendente e perpendicular ao piano (P), permitindo que as novas matrizes de roihas se juntem as anteriores. Quando a placa (9) em conjunto com o orgao (19) avancam e encostam as novas matrizes de roihas as anteriores, o calcador (14) desloca-se de modo ascendente, libertando as matrizes de roihas do ciclo anterior e permite o avanco da cercadura (15) para jusante da zona (4), o que acontece para possibilitar o ganho de espaco necessario para novas matrizes de roihas no ciclo seguinte. Apos o referido avango da cercadura (15), o pente (13) desloca- se de modo descendente e perpendicular ao piano (P) retendo agora o conjunto de roihas dos dois ciclos e permitindo o recuo da placa (9) e do orgao (19) de succao. Os ciclos seguintes repetem o acima descrito ate se obter um bloco de 5520 roihas, correspondente a um bloco de 48 matrizes de roihas, em que a matriz formada na placa (9) possui 11 pilhas de roihas e a matriz formada na placa (11) possui 12 pilhas de roihas, sendo que cada pilha roihas possui 10 roihas empilhadas. Esta configuracao e obtida por intermedio de um orgao (8) de rececao e transporte de pilhas de roihas, cujas a primeira e segunda placas (9, 11) dispoem, respetivamente, de 11 guias (1709) e 12 guias (1711). Nesta forma de realizacao, sao realizados 24 ciclos de funcionamento, tal como descritos acima, para obter um bloco de 5520 roihas. Note-se que a configuracao do bloco obtido nesta forma de realizacao e diferente daqueia representada nas Fig. 1. 1 a 1.3.

Para obter um bloco de dimensoes identicas as do bloco obtido na forma de realizacao anterior, a forma de realizac o anterior pode ser ligeiramente modificada de modo que a matriz formada na placa (9) possua 12 pilhas de roihas e a matriz formada na placa (1 1) possua 11 pilhas de roihas, cada pilha possuindo 10 roihas empilhadas. Obtem-se assim um bloco formado igualmente por 48 matrizes de roihas, em que a primeira e segunda placas (9, 11) dispoem, respetivamente, de 12 guias (1709) e l l guias (1711). Nesta variante sao igualmente realizados 24 ciclos de funcionamento, tal como descritos para a forma de realizacao anterior, para obter um bloco de 5520 rolhas.

Estas formas de realizacao ilustram o modo como pode ser projetada a configuracao final dos biocos de rolhas a serem produzidos por uma unidade de organizagao de pilhas de rolhas da presente invengao. Deste modo, sao possfveis diferentes configuragoes de biocos de rolhas, com vista a adaptar o iiltimo as formas das embalagens e a quantidade requerida de rolhas por embalagem.

Numa forma de realizacao preferida do processo de organizacao de pilhas de rolhas recorrendo a unidade (1) de organizacao de pilhas de rolhas da presente invengao, o processo compreende os passos de: a) alimentar, numa zona (4) de rececao, com um numero predefinido de pilhas de rolhas, o orgao (8) de rececao e transporte de pilhas de rolhas compreendendo primeira e segunda piacas (9, 11) de rececao: b) remover a segunda placa (1 1) de rececao da plataforma (2) de organizacao de pilhas de rolhas; c) avangar a primeira placa (9) para a zona (6) de acondicionamento; d) avangar a cercadura (15) de uma distancia predefinida; e) atuar o orgao (12) de reteneao de pilhas de rolhas na zona (6) de acondicionamento, retendo as rolhas transportadas peia primeira placa (9) de rececao; f) retornar a primeira placa (9) a zona (4) de rececao; g) reposicionar a segunda placa (11) na zona (4) de rececao; e h) repetir os passos a) a g) ate formar um bloco de roihas desejado.

Numa forma de realizacao optional da inveneao, o processo definido anteriormente compreende ainda um passo adicional de, entre os passos a) e b), remover uma placa (10) de separagao de piihas de roihas da zona (4) de recegao e, no passo g), reposicionar a segunda piaca (11) e a placa (10) de separagao, em que antes da remogao da piaca (10) de separagao, atua um orgao (19) de sucgao fixando por sucgao as piihas de roihas dispostas na primeira piaca (9); apos remogao da piaca (10) de separagao, atua o mesmo orgao (19) de sucgao fixando por sucgao as piihas de roihas dispostas na segunda placa (11); no passo c) avanga a primeira piaca (9) em conjunto com o orgao (19) de sucgao que mantem a preensao das piihas roihas; entre o passo e) e o passo f) o orgao (19) de sucgao liberta as piihas de roihas; e no passo f) retornar a primeira placa (9) e o orgao (19) de sucgao a zona (4) de recegao.

Conforme mencionado anteriormente, o numero de piihas de roihas a alimentar a unidade (1) de organizagao da inveneao depende das dimensoes do bloco final de piihas de roihas pretendido e, como tai, pode ser predefinido para verificar requisitos de embalamento ou normativos existentes na industria.

A descricao aqui apresentada deve ser compreendida como exemplificativa e nao iimitativa do ambito da presente inveneao, o qua! e definido pelas reivindicagoes anexas.