Login| Sign Up| Help| Contact|

Patent Searching and Data


Title:
ASSEMBLY FOR PROPELLING A BICYCLE WITH THE ASSISTANCE OF THE UPPER-BODY MUSCLES OF THE USER
Document Type and Number:
WIPO Patent Application WO/2021/000029
Kind Code:
A1
Abstract:
The present utility model pertains to the technological field of bicycles and bicycle accessories and relates to an assembly that, when coupled to the pedals of a bicycle, enables it to be used for additional propulsion with the upper-body muscles of the user, comprising a retractable rod (1), provided at one end with a handle (2) and at the other end (3) with means for fastening to a special pedal (4) (which must replace the original bicycle pedal), further comprising a flexible support wire (5) with means (6) for fastening to the rod (1) and the bicycle (7), together with fastening means for transportation (8).

Inventors:
FARDIN JOSÉ HENRIQUE (BR)
Application Number:
BR2019/050248
Publication Date:
January 07, 2021
Filing Date:
July 04, 2019
Export Citation:
Click for automatic bibliography generation   Help
Assignee:
FARDIN JOSE HENRIQUE (BR)
International Classes:
B62M1/12
Attorney, Agent or Firm:
D'MARK REGISTROS DE MARCAS E PATENTES (BR)
Download PDF:
Claims:
Reivindicações:

1- CONJUNTO PARA PROPULSIONAR BICICLETA COM AUXÍLIO DA MUSCULATURA SUPERIOR DO USUÁRIO caracterizado por compreender uma haste retrátil (1 ) formada por duas peças tubulares (9 e 10) de diferentes dimensões, dispostas uma dentro da outra, em que a peça tubular externa (9) apresenta uma multiplicidade de furos longitudinalmente alinhados (11 ) associados a uma rosca de aperto com manipulo (12); por a haste retrátil (1 ) ser dotada em uma extremidade de uma empunhadura (2) com formato anatômico e na outra extremidade (3) de abertura para rolamento (17), que recebe parafuso (20) operacionalmente ligado a rosca interna (19) do eixo (18) do pedal (4); por a cabeça do parafuso (20) ser recoberta com um manipulo (22); por a haste (1 ) ser conectada a bicicleta (7) por um fio flexível de sustentação (5) provido em suas extremidades de mosquetões (6); por ainda compreender uma fita com velcro (26) para fixação da haste (1 ) à bicicleta.

2- CONJUNTO PARA PROPULSIONAR BICICLETA COM AUXÍLIO DA MUSCULATURA SUPERIOR DO USUÁRIO de acordo com a reivindicação 1 e ainda caracterizada por alternativamente as peças tubulares (9 e 10) ser fixadas por pinos retráteis com molas (13) operacionalmente ligados aos furos (11 ).

3- CONJUNTO PARA PROPULSIONAR BICICLETA COM AUXÍLIO DA MUSCULATURA SUPERIOR DO USUÁRIO de acordo com a reivindicação 1 e ainda caracterizada por alternativamente a empunhadura (2) ter a forma de uma barra horizontal (16).

4- CONJUNTO PARA PROPULSIONAR BICICLETA COM AUXÍLIO DA MUSCULATURA SUPERIOR DO USUÁRIO de acordo com a reivindicação 1 e ainda caracterizada por alternativamente o eixo do pedal (18) ser dotado de um prolongamento (23) que recebe a extremidade (3) da haste (1 ), apresentando rosca externa (24) associada a borboleta (25) com formato anatômico.

Description:
CONJUNTO PARA PROPULSIONAR BICICLETA COM AUXÍLIO DA

MUSCULATURA SUPERIOR DO USUÁRIO

Setor tecnológico do modelo

[0001 ] O presente modelo de utilidade pertence, de maneira geral, ao setor tecnológico de bicicletas e acessórios para bicicletas e se refere, de modo mais específico, a um conjunto que, ao ser acoplado aos pedais de uma bicicleta, possibilita que a musculatura superior do usuário (braços, ombros, costas, peitoral, etc.) possa ser utilizada para auxiliar na propulsão da bicicleta.

[0002] Dito conjunto compreende uma haste com meios de ajuste do comprimento, o que possibilita adaptação às medidas antropométricas do ciclista, destinada a transferir a força da musculatura superior para o pedal da bicicleta, sendo para tanto dotada em sua extremidade livre de um manipulo de pega e na outra extremidade de meios de fixação ao pedal.

Estado da técnica conhecido

[0003] O estado da técnica desse setor tecnológico compreende bicicletas convencionais, utilizadas tanto para transporte como para exercícios, cuja impulsão é realizada exclusivamente pelos pedais, solicitando principalmente a musculatura dos pés e pernas do usuário e restringindo o esforço dos braços apenas a segurar o guidão.

[0004] Conhecem-se bicicletas com mecanismos auxiliares de impulsão, como a revelada no PI0803318-8 - Bicicleta Supino tração 2x2 - que acrescenta um conjunto de engrenagens acoplado a um suporte fixo na frente da bicicleta, por onde se dá a tração mecânica gerada pela força exercida pelo ciclista sobre o guidão, visando o aumento de velocidade e o desenvolvimento de músculos como trapézio, deltoides, peitoral, dorsais, bíceps, tríceps e antebraços.

[0005] Sabe-se, também, do PI0902360-7 - Bicicleta com duas unidades de acionamento - que descreve uma bicicleta que inclui uma unidade de guidão que faz um movimento pivotável para frente e para trás em um eixo, por sua vez conectado a um braço operacionalmente ligado a uma unidade de acionamento de roda dianteira da bicicleta, enquanto a roda traseira é movida pelos pedais, fazendo com que a bicicleta seja operada pelas pernas e mãos.

[0006] Estas duas anterioridades revelam bicicletas com formas construtivas diferenciadas, compostas por mecanismos de transmissão relativamente complexos, compostos por uma série de partes móveis, sujeitas a desgaste e que aumentam a complexidade do processo produtivo e o preço da bicicleta em si. Isto faz com que os consumidores necessitem adquirir bicicletas que já venham de fábrica com estas alterações, certamente por um preço superior às convencionais.

[0007] Não é de conhecimento do inventor nenhum conjunto de acessórios de baixo custo que possa ser adaptado de forma simples e prática a uma bicicleta convencional, permitindo que os usuários utilizem a musculatura superior para aumentar a impulsão e obtendo, como benefício secundário, o exercício da musculatura superior enquanto andam de bicicleta, sem ter que adquirir uma bicicleta exclusiva para tal finalidade. Esta possibilidade de exercitar a musculatura superior ainda torna a instalação do conjunto proposto interessante em bicicletas ergométricas.

Novidade e objetivos do modelo

[0008] O presente modelo de utilidade se refere a um conjunto de acessórios que pode ser acoplado de forma simples e prática a uma bicicleta convencional pelo próprio usuário, sem a necessidade de alterações estruturais radicais no veículo ou mesmo de ferramentas especiais, auxiliando na propulsão e permitindo que seja usada para exercitar também a musculatura superior do ciclista.

[0009] O modelo proposto compreende uma haste retrátil, que permite adaptação a usuários de diferentes alturas, dotada em uma extremidade de uma empunhadura anatômica para a mão do usuário e de meios de fixação de forma articulada ao pedal da bicicleta na extremidade oposta. Tal dispositivo permite ao ciclista aplicar a força ao pedal utilizando a sua musculatura superior (braços, ombros, costas, peitoral), empurrando-o para baixo e puxando para cima enquanto pedala, aumentando a propulsão do veículo e exercitando a sua musculatura superior. Esta construção prevê três possibilidades de montagem. A haste pode ser acoplada tanto ao pedal do lado direito como ao pedal do lado esquerdo da bicicleta, permitindo que o ciclista exercite alternadamente ambos os lados da musculatura superior, ou ainda podem ser acopladas duas hastes, uma em cada lado da bicicleta, para que exercite simultaneamente ambos os lados da musculatura superior com a bicicleta. [0010] A haste é retida no pedal, mas ainda mantém um grau de liberdade de movimento, podendo girar livremente em torno do eixo longitudinal de dito pedal. Desse modo, quando a haste está transferindo força para o pedal, o ciclista a mantém em posição substancialmente vertical, posição anatomicamente adequada para o esforço realizado pelo braço. Quando o ciclista deseja parar de usar a haste, basta soltá-la. A força da gravidade fará com que dita haste bascule para uma posição inclinada, em que não atrapalha o movimento da bicicleta ou a pedalada do ciclista, sendo que nesse momento entra em ação mais um item do conjunto proposto, uma corda flexível de sustentação que é presa a haste e ao banco da bicicleta, própria para sustentar e manter a haste nessa posição inclinada.

[0011 ] Por fim, o conjunto proposto ainda compreende meios para fixar a haste ao quadro da bicicleta. No momento em que é desejado remover a haste da bicicleta, basta desacoplar a extremidade do pedal, retrair seu comprimento e fixá-la para transporte, mantendo-a sempre disponível para quando for novamente necessária.

[0012] Em resumo, o modelo de utilidade revelado no presente relatório descritivo apresenta uma série de vantagens em relação ao estado da técnica: permite que uma bicicleta comum seja utilizada para exercitar a musculatura superior do usuário, com óbvios ganhos para a saúde, já que exercita braços, ombros e costas e, ainda, propicia maior queima de calorias; aumenta a propulsão da bicicleta; permite descanso das pernas do ciclista, sem perda de propulsão; é passível de instalação manual, sem o uso de ferramentas; pode ser instalado em qualquer modelo de bicicleta e em qualquer lado da bicicleta; é ajustável para pessoas de diferentes alturas; apresenta fácil transporte quando desmontado e é fácil de acessar, já que está fixado à própria bicicleta.

Descrição dos desenhos anexos

[0013] A fim de que o presente modelo de utilidade seja plenamente compreendido e levado à prática por qualquer técnico deste setor tecnológico, o mesmo será detalhadamente descrito e explicado, tendo como base os desenhos anexos abaixo listados, que ilustram e subsidiam a disposição construtiva proposta: [0014] Figura 1 desenho em vista dos componentes do conjunto proposto em uma primeira concretização preferencial.

[0015] Figura 2 desenhos em vista frontal de uma primeira concretização da haste retrátil.

[0016] Figura 3 desenhos em vista frontal de uma segunda concretização da haste retrátil.

[0017] Figura 4 desenho em corte transversal de um detalhe de uma segunda concretização da fixação da haste retrátil, representada em uma primeira posição em seu curso.

[0018] Figura 5 desenho em corte transversal de um detalhe de uma segunda concretização da fixação da haste retrátil, representada em uma segunda posição em seu curso (posição de travamento).

[0019] Figura 6 desenho em corte de uma primeira concretização do pedal e da fixação da haste a dito pedal.

[0020] Figura 7 desenho em corte de uma segunda concretização do pedal e da fixação da haste a dito pedal.

[0021 ] Figura 8 desenho em perspectiva de um detalhe da segunda concretização da fixação da haste ao pedal.

[0022] Figura 9 desenho em vista de uma bicicleta com o conjunto proposto, em que é representada apenas a mão e o antebraço do usuário (em linhas tracejadas) empurrando o pedal para baixo com a haste.

[0023] Figura 10 desenho em vista de uma bicicleta com o conjunto proposto, em que é representada apenas a mão e o antebraço do usuário (em linhas tracejadas) puxando o pedal para cima com a haste.

[0024] Figura 11 desenho em vista da haste em posição de descanso, suportada inclinada pelo fio flexível.

[0025] Figura 12 desenho em vista da haste retraída fixada ao quadro da bicicleta para transporte.

Descrição detalhada do modelo

[0026] Conforme pode ser visualizado nas figuras anexas em geral e na figura 1 em particular, o conjunto para exercitar a musculatura superior em bicicleta compreende uma haste retrátil (1 ), dotada em uma extremidade de uma empunhadura (2) e na outra extremidade de meios de fixação (3) a um pedal especial (4) (que deve substituir o pedal original da bicicleta), compreendendo, ainda, um fio flexível de sustentação (5) com meios para a fixação (6) à haste (1 ) e a bicicleta (7), bem como meios de fixação para transporte (8).

[0027] A haste retrátil (1 ) apresenta preferencialmente uma estrutura telescópica, constituída por duas peças tubulares (9 e 10), preferencialmente cilíndricas (mas podendo adotar outras formas de seções) de diferentes dimensões, adequados para que uma possa ser montada de forma deslizante dentro da outra. Na concretização preferencial do modelo, a peça tubular interna (9) apresenta uma multiplicidade de furos longitudinalmente alinhados (11 ) formando uma gradação, que permite ajuste do comprimento através da introdução de uma rosca de aperto com manipulo (12) em um dos furos (11 ), de modo a comprimir a peça tubular externa (10) e obter fixação por interferência. Será evidente para um técnico no assunto que os furos (11 ) podem estar dispostos tanto na peça tubular (9) como na peça externa (10) sem alterar o funcionamento da haste.

[0028] Em concretização alternativa representada nas figuras 4 e 5, as peças tubulares podem ser dotadas de outros meios de fixação mútua, como pinos retráteis com molas (13) operacionalmente ligados a ditos furos (11 ).

[0029] Na concretização preferencial do modelo, a empunhadura (2) apresenta formato anatômico para receber ambas as mãos do usuário, uma vez que a haste (1 ) foi concebida para fixação em qualquer dos lados da bicicleta (7), sendo formada por um anel fechado (14) com reentrâncias (15) para os dedos (representada na maioria das figuras), entretanto, pode ter também a forma de uma barra horizontal (16) (como ilustrado pela figura 3).

[0030] A extremidade de fixação da haste (1 ) ao pedal (4) é dotada de uma abertura onde é montado um rolamento (17), que coopera com o eixo (18) do pedal (4), de modo que a haste (1 ) possa girar livremente em torno desse eixo.

[0031 ] Em uma concretização preferencial do modelo (representada nas figuras 6 e 7), o eixo (18) é dotado de rosca interna (19), que permite a fixação da haste (1 ) por parafuso (20) e separador (21 ). Nesse caso, a cabeça do parafuso (20) é recoberta com um manipulo (22) que permite rosqueamento manual sem o uso de ferramentas adicionais. [0032] Outra concretização do modelo (representada na figura 8) prevê que o eixo (18) apresente um prolongamento externo (23) com rosca externa (24). Dito prolongamento (23) é introduzido no rolamento (17) da extremidade de fixação da haste (1 ), de maneira que a rosca externa (24) atravessa dita extremidade e fica disponível do outro lado para fixação por borboleta (25). Dita borboleta (25) é preferencialmente dotada de formato anatômico, com reentrâncias próprias para os dedos do usuário, de maneira a também permitir fixação sem o uso de ferramentas adicionais.

[0033] Como representado nas figuras 9 e 10, qualquer que seja a modalidade de fixação, quando a haste (1 ) é acoplada ao pedal (4) pode girar livremente em torno do eixo deste, o que permite ao usuário encontrar a posição mais adequada para empurrar (figura 9) e puxar (figura 10) dito pedal (4), aumentando a impulsão e exercitando a musculatura das costas, do peito e dos braços.

[0034] Quando o usuário deixa de usar a haste (1 ), esta é solta e inclina por ação da gravidade, sendo mantida nessa posição por um fio flexível (5) provido em suas extremidades de mosquetões (6) para conectar a haste (1 ) com o assento da bicicleta (como pode ser visualizado na figura 1 1 ).

[0035] Os meios de fixação para transporte (8) são preferencialmente constituídos por uma fita com velcro (26) para fixação da haste (1 ) retraída, quando esta é separada do pedal (4) para transporte, tal como ilustrado na figura 12. Também é evidente para qualquer técnico no assunto que a fita com velcro (26) pode estar disposta tanto na haste (1 ) (como representado nos desenhos anexos), como no quadro da bicicleta (7) e que os meios (8) podem ser implementados por outros dispositivos conhecidos, como uma corrente com cadeado.

[0036] Tratou-se no presente relatório descritivo de um modelo de utilidade dotado de aplicação industrial, novidade, melhoria funcional e ato inventivo, todos os requisitos determinados por lei para receber a patente pleiteada.