Login| Sign Up| Help| Contact|

Patent Searching and Data


Title:
AUTOMATIC CONVEYOR BELT FOR SPRAYING AN ANTI-MILDEW COMPOSITION ONTO FOOD PRODUCTS
Document Type and Number:
WIPO Patent Application WO/2013/016782
Kind Code:
A1
Abstract:
The present invention relates to a conveyor belt for automatic spraying that optimises the application of an anti-mildew product (external preservative) to food products such as bread, pizza, cakes and hamburgers, inter alia, in order to prevent the appearance of mildew. The present invention comprises a motor unit with a torsion arm (1) coupled to the reducer (2), the motor/reducer assembly (5) being attached in its entirety directly to the end of the motor shaft (3), and the couple being transmitted by the attachment of the torsion arm (1) to the casing of the equipment (4). The device also comprises filtering systems, an electric system and an emergency system, a system for monitoring the bread or product, a pumping system and specific applications for large production volumes.

Inventors:
JUNIOR, Norival Torregrossa (Rua Bahia, 540Vila Rosália, -200 São Paulo - SP, 07072, BR)
Application Number:
BR2011/000256
Publication Date:
February 07, 2013
Filing Date:
July 29, 2011
Export Citation:
Click for automatic bibliography generation   Help
Assignee:
CAVALCANTE, Paulo Roberto (Rua Barão de Santa Clara, 80Pq. Imperial da Cantareira, -000 Mairiporã - SP, 07600, BR)
NETO, Mário Costa Cavalcante (Rua Fábia, 138 - Apt. 51CVila Romana, -030 São Paulo - SP, 05051, BR)
CAVALCANTE, André (Rua Marret, 97 - Apt. 144Ed. Clarit, Centro -140 Guarulhos - SP, 07095, BR)
JUNIOR, Norival Torregrossa (Rua Bahia, 540Vila Rosália, -200 São Paulo - SP, 07072, BR)
International Classes:
A21D15/08; B05B3/00
Domestic Patent References:
WO1986003651A1
Foreign References:
JP2000153192A
US4193373A
DE102006018116A1
BRPI9005458A
CN200997864Y
Attorney, Agent or Firm:
CRUZEIRO/NEWMARC PATENTES E MARCAS LTDA. (Av. Paulista, 1499 - 18° andarCerqueira César, -200 São Paulo - SP, 01311, BR)
Download PDF:
Claims:
REIVINDICAÇÕES

1 . "ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO AUTOMÁTICA", caracterizada por compreender

- um dispositivo de motorização composto por um braço de torção (1) , acoplado ao redutor (2) , sendo que todo o conjunto motor/redutor (5) fica fixado diretamente na extremidade do eixo motriz (3) e o torque é transmitido pela fixação do braço de torção (1) a carenagem do equipamento (4);

- um sistema de filtragem composto por filtros dimensionados para a filtragem do produto que está sendo pulverizado pelo equipamento;

- uma carenagem (4) estanque;

um sistema elétrico e de emergência, para proteção contra sobrecarga de energia;

- um sistema de segurança para proteção contra partes móveis do equipamento;

- um sistema de monitoração dos pães ou produto;

- um sistema de bombeamento;

- uma esteira separadora de pães ou produto, no caso de alimentação automática;

- um sistema de limpeza para altas produções, com

"by-pass";

um sistema de reabastecimento para altas produções, com "by-pass";

- um sistema de filtragem para altas produções;

2 . "ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO" , de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por o sistema de filtragem ser composto por uma sequência de filtros composta por um filtro do tanque fabricado em nylon, que recebe o produto não utilizado na pulverização, um filtro (6) de malha 100 em inox 304, um filtro (7) de malha 200 em inox 304, um filtro (8) com abertura 2μ em poliéster, e filtros em cada bico de pulverização, com válvula anti-gotejo, em inox 304.

3. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por a carenagem (4) ser feita em aço inox AISI 304, soldada em sua parte superior através do processo de solda TIG, tornando o equipamento totalmente estanque, sem vazamentos, com estrutura formada por chapas de cerca de l,5mm de espessura.

4. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por o sistema elétrico para proteção contra sobrecarga compreender um disjuntor termo- magnético, um relê térmico para o motor e um sistema de aterramento, bem como um painel elétrico (11) fechado acondicionando todo material elétrico em um único local.

5. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por o sistema elétrico compreende ainda um sistema de emergência interligado ao lado direito do equipamento, ao lado esquerdo, ao painel elétrico (11), tampa superior (9) e tampa inferior.

6. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por o sistema de segurança abrange proteção contra partes móveis do equipamento, tais como motores, mancais de rolamento, pontas de eixo, sendo que as tampas frontal (10) e superior (9) interrompem o funcionamento do equipamento quando são abertas.

7. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por o sistema de monitoração dos pães ou produto compreender um sensor fotoelétrico com fibra ótica e um temporizador, localizado dentro do painel elétrico (11).

8. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por o sistema de bombeamento compreender uma bomba de diafragma, adequada à utilização do produto a ser pulverizado, tanto interna quanto externamente.

9. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por a velocidade da esteira ser fixa e dimensionada para a correta aplicação do produto antimofo.

10. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 9, caracterizado por em grandes volumes, a relação de velocidade entre a esteira de alimentação e a esteira de pulverização é determinada, observando a distância mínima necessária entre um produto e outro, para que sejam pulverizadas todas as faces.

11. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 9, caracterizado por ser possível alterar a velocidade da esteira de pulverização, como também da esteira de alimentação, através da utilização de um ou dois inversores de frequência .

12. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por a posição dos bicos de pulverização ser previamente calculada, de acordo como o ângulo de aplicação do bico de pulverização, sendo posicionados de forma fixa, sem possibilidade do operador movimentar qualquer um deles.

13. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 12, caracterizado por a quantidade de bicos, juntamente com sua posição determina a quantidade ideal de produto aplicado sobre o produto.

14. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 12, caracterizado por existir a possibilidade de mudança do set up dos bicos, mudando a vazão e em consequência a quantidade aplicada de produto, caso necessário.

15. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por o produto antimofo aplicado que não recai sobre o produto que está sendo pulverizado cai na cuba (carenagem) e retorna para o tanque inferior (12) da máquina sendo reaproveitado .

16. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por compreender uma esteira separadora de pães, no caso de alimentação automática, em uma linha de produção continua, na qual os produtos, após passarem geralmente por uma área de resfriamento são pulverizados e em seguida embalados .

17. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 16, caracterizado por ser possível a instalação de dita esteira separadora de pães antes da esteira de pulverização, sendo que a menor velocidade da esteira separadora em relação à esteira de pulverização causa a separação dos pães.

18. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por o sistema de limpeza para altas produções, com "by-pass" compreender um conjunto de tanque e filtro utilizado enquanto o conjunto de tanque e filtro (8) é limpo, sem a necessidade de parada do equipamento para limpeza.

19. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 18, caracterizado por o equipamento possuir um coletor confeccionado em chapa perfurada, que recebe os resíduos particulados maiores, podendo ser trocado e limpo durante a produção.

20. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por o sistema de reabastecimento para altas produções, com "by-pass" compreender a utilização de um tanque enquanto outro é abastecido e através de uma única válvula é selecionado o tanque da esquerda ou da direita a ser utilizado.

21. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 20, caracterizado por o equipamento também pode ser abastecido através de uma tubulação de inox, onde o produto que será pulverizado fica abastecido em um tanque maior, com capacidade para a produção do dia e é bombeado até os tanques menores do equipamento.

22. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por o sistema de filtragem para altas produções compreender dois filtros (8) , com elemento filtrante em poliéster, com grande área de filtragem, possibilitando uma utilização do equipamento por várias horas, sem ter necessidade de abertura do filtro.

23. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por, a partir de uma mesma carenagem (4), poder-se obter diferentes configurações de equipamento, tais como tanque e balde com sensor, tanque e bomba sem sensor, tanque e bomba com sensor ou equipamento para grandes volumes .

24. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 23, caracterizado por a configuração de tanque e balde com sensor, a liberação da pulverização ocorrer quando o produto passa pelo sensor, acionando a válvula solenóide, sendo que o retorno do produto para o balde inferior e filtragem dentro do balde é feita automaticamente; a primeira filtragem é realizada através da colocação de um bag de nylon dentro do balde onde o produto retorna; a esteira de pulverização fica funcionamento continuamente, e a pulverização pára automaticamente, quando não há produto passando pela máquina; o produto que retorna da máquina deve ser colocado novamente no tanque de abastecimento, manualmente; abastecido o produto o tanque é fechado e pressurizado com ar comprimido.

25. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 23, caracterizado por a configuração de tanque e bomba sem sensor, a liberação da pulverização ocorrer manualmente, através de uma válvula de esfera (13), com o retorno do produto para o tanque inferior (12) , com filtragem automática e nova pulverização, através da bomba; a esteira fica funcionamento continuamente, em conjunto com a pulverização; a pulverização pára somente quando a válvula de esfera (13) for fechada, mesmo que se desligue o motor da máquina.

26. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 23, caracterizado por a configuração de tanque e bomba com sensor, a liberação da pulverização ocorrer quando o produto passa pelo sensor, acionando a válvula solenóide, com retorno do produto para o tanque inferior, filtragem automática e nova pulverização, através da bomba; a esteira fica funcionamento continuamente, e a pulverização pára automaticamente, quando não há produto passando pela máquina.

27. ESTEIRA DE PULVERIZAÇÃO, de acordo com a reivindicação 23, caracterizado por a configuração de equipamento para grandes volumes, a liberação da pulverização ocorrer quando o produto passa pelo sensor, acionando a válvula solenóide, com o retorno do produto para o tanque inferior, filtragem automática e nova pulverização, através da bomba; a esteira fica funcionamento continuamente, e a pulverização pára automaticamente, quando não há produto passando pela máquina.

Description:
ESTEIRA AUTOMÁTICA PARA PULVERIZAÇÃO DE COMPOSIÇÃO ANTIMOFO SOBRE PRODUCTOS ALIMENTÍCIOS

A presente invenção se refere a uma esteira de pulverização automática, para otimização da aplicação de produto antimofo (conservante externo) , a ser aplicado em produtos para alimentação tais como pães, pizzas, bolos, hambúrgueres, entre outros, com o objetivo de se evitar o aparecimento de mofo.

DESCRIÇÃO DO ESTADO DA TÉCNICA

Máquinas para aplicação de produto antimofo são conhecidas da técnica atual, em diferentes formas de execução e características técnicas, porém apresentam diversos inconvenientes .

As máquinas atualmente fabricadas apresentam motorização com a utilização de um motor, redutor e suporte em aço para fixação de ambos, em sua parte inferior, na lateral da máquina, não havendo como realizar ajustes de alinhamento, no caso da parte de calderaria (carenagem do equipamento) estar fora de perpendicularidade/alinhamento .

Outro problema conhecido se refere ao sistema de filtragem, uma vez que ditas máquinas utilizam filtros que não são apropriados para a filtragem do produto que não é absorvido pelo produto a ser pulverizado, havendo grandes problemas de entupimento, durante o processo produtivo. Isto ocorre porquê o sistema não foi dimensionado e desenvolvido juntamente com a parte química do produto que está sendo pulverizado. O sistema atual das máquinas existentes apresenta grandes problemas de entupimento, devido à falta de conhecimento do produto que está sendo pulverizado .

Com relação à carenagem, as máquinas conhecidas apresentam uma carenagem composta por chapas dobradas, sem uma estanqueidade total. Existe um grande problema de vazamento de produto, durante a utilização do equipamento. 0 produto fica caindo no piso, comprometendo a aplicação. Há também falta de robustez do sistema como um todo, devido à utilização de chapas com espessura muito finas. Além disso, o sistema da parte superior da cuba não enclausura completamente a aplicação do produto, deixando escapar produto na entrada e na saída da máquina para o ambiente, comprometendo o ambiente de trabalho.

As esteiras utilizadas nas máquinas atuais, são extremamente frágeis e com pouca abertura de pulverização.

Ainda mais, as máquinas conhecidas do estado da técnica não possuem um sistema de segurança protegendo as partes móveis do equipamento, como também um sistema em série de emergência (botões de emergência) localizados em várias partes do equipamento. Utilizam um sensor ótico dentro do equipamento, tendo o risco de incêndio, devido a presença do álcool, no produto a ser pulverizado .

Com relação ao processo de aplicação em si, não existe uma interação entre o projeto do equipamento e o desenvolvimento do produto e processo do produto que está sendo pulverizado. Da mesma forma, não existe uma relação entre a velocidade da esteira e quantidade de produto aplicado, nem uma fixação pré-determinada dos bicos de pulverização, sendo totalmente reguláveis. Desta forma o operador tem plena liberdade de mudar a posição dos bicos, prejudicando a pulverização do produto .

É também desejável a presença de um sistema de esteira separadora de pães, o que não é contemplado nas máquinas conhecidas. Da mesma forma, não possuem nenhum sistema de limpeza, reabastecimento ou filtragem para altíssima produção, com "by pass" .

OBJETIVOS DA INVENÇÃO

Para solucionar os inconvenientes da técnica atual, a presente invenção revela uma esteira de pulverização automática, para otimização da aplicação de produto antimofo (conservante externo) , a ser aplicado em produtos para alimentação tais como pães, pizzas, bolos, hambúrgueres, entre outros, com o objetivo de se evitar o aparecimento de mofo.

A esteira de pulverização automática da presente invenção compreende sistemas específicos de motorização, filtragem, carenagem, sistema elétrico, de segurança, sistema de monitoração de pães por meio de sensor foto elétrico e fibra ótica, sistema de bombeamento, que visam solucionar os inconvenientes da técnica atual.

É também objetivo da presente invenção revelar o emprego de esteira separadora de pães e sistemas de limpeza, reabastecimento e filtragem para grande produção.

BREVE DESCRIÇÃO DOS DESENHOS

As vantagens e objetivos desta invenção se tornarão mais evidentes e a própria invenção será melhor caracterizada, com base nos desenhos em anexo, nos quais:

A figura 1 é uma vista frontal de uma esteira de pulverização automática de acordo com a presente invenção.

DESCRIÇÃO DA INVENÇÃO

Como se observa na figura 1, a presente invenção compreende um dispositivo de motorização composto por um braço de torção (1), acoplado ao redutor (2), sendo que todo o conjunto motor/redutor (5) fica fixado diretamente na extremidade do eixo motriz (3) e o torque é transmitido pela fixação do braço de torção (1) a carenagem do equipamento (4) .

Todo desvio da parte de calderaria (carenagem do equipamento) é absorvida pelo braço de torção (1) . Motor e redutor são dimensionados para suportar as condições de trabalho a que o equipamento é submetido.

0 sistema de filtragem utilizam filtros desenvolvidos e dimensionados para a filtragem do produto que está sendo pulverizado pelo equipamento. Utiliza filtros com malha em aço inox 304 (6,7) e poliéster (8), especialmente desenvolvidos e dimensionados para a filtragem tanto do produto novo, como também do produto que não foi absorvido pelo produto que está sendo pulverizado. O desenvolvimento contempla toda a parte química do produto que está sendo pulverizado, evitando a filtragem do produto ativo e efetivamente filtrando toda a parte de partículas sólidas, através de um último filtro de 2μ de abertura (8) , em poliéster lavável.

O sistema de filtragem é composto por uma sequência de filtros composta por um filtro do tanque fabricado em nylon, que recebe o produto não utilizado na pulverização, um filtro (6) de malha 100 em inox 304, um filtro (7) de malha 200 em inox 304, um filtro (8) com abertura 2μ em poliéster, e filtros em cada bico de pulverização, com válvula anti-gotejo, em inox 304.

Toda a parte de carenagem (4) é feita em aço inox AISI 304, material este utilizado em equipamentos para contato com alimentos. Toda carenagem em sua parte superior é soldada, através do processo de solda TIG, tornando o equipamento totalmente estanque, sem vazamentos. Tendo 1 metro de comprimento, a aplicação fica totalmente enclausurada, dentro do equipamento, não comprometendo o meio ambiente. Utiliza-se chapas de cerca de 1,5 mm em toda parte da carenagem, visando fortalecer a estrutura do equipamento e facilitar a soldagem das chapas.

Todo corte da carenagem (4) e da estrutura é feita a laser e dobrada em equipamento CNC. Toda a usinagem também é feita em usinagem CNC. A esteira transportadora do equipamento possui uma excelente abertura entre as varetas e uma boa distância entre cada uma, otimizando a aplicação do produto que está sendo pulverizado .

O sistema elétrico para proteção contra sobrecarga compreende um disjuntor termo-magnético, um relê térmico para o motor e um sistema de aterramento, bem como um painel elétrico (11) fechado acondicionando todo material elétrico em um único local.

O sistema elétrico compreende ainda um sistema de emergência interligado ao lado direito do equipamento, ao lado esquerdo, ao painel elétrico (11), tampa superior (9) e tampa inferior .

O equipamento pode ser ligado em várias tensões de alimentação, como 220V (bifásico) , 220V trifásico e 380V trifásico, facilitando a instalação do equipamento.

O equipamento contempla um sistema de aterramento, que deve ser ligado ao sistema de aterramento da fábrica, que deve ter uma resistência ôhmica de no máximo 5Ω Ohms e deve ser independente do sistema de neutro, da companhia elétrica da região em questão.

O sistema de segurança abrange proteção contra partes móveis do equipamento, tais como motores, mancais de rolamento, pontas de eixo, sendo que as tampas frontal (10) em acrílico e superior (9) em chapa de aço inox interrompem o funcionamento do equipamento quando são abertas .

O sistema de monitoração dos pães ou produto compreende um sensor fotoelétrico com fibra ótica e um temporizador, localizado dentro do painel elétrico (11).

Como pulveriza-se atualmente um produto diluído em álcool, utiliza-se o sensor fotoelétrico com fibra ótica, para evitar qualquer risco de incêndio dentro do equipamento. Este sistema de monitoração da passagem dos pães, utilizando o sensor fotoelétrico com fibra ótica, evita que qualquer parte elétrica esteja exposta dentro da cuba.

O sistema de bombeamento compreende uma bomba de diafragma, adequada à utilização do produto a ser pulverizado, tanto interna quanto externamente.

Uma vez que pulveriza-se um produto diluído em álcool, por segurança utiliza-se a bomba de diafragma, pois por ser acionada por ar comprimido, evita qualquer risco de incêndio. Todas as partes em contato com o produto pulverizado são próprias para trabalho em contato com alimento (produto alimentício) .

O equipamento é dimensionado com a velocidade correta para aplicação de produto. A velocidade fixa da esteira é uma variável a menos no processo. No equipamento para grandes volumes, a relação de velocidade entre a esteira de alimentação e a esteira de pulverização foi determinada, observando a distância mínima necessária entre um produto e outro, para que sejam pulverizadas todas as faces. Em condições especiais também é possível mudar a velocidade da esteira de pulverização, como também da esteira de alimentação, através da utilização de um ou dois inversores de frequência. Isto é extremamente interessante para o ajuste das velocidades da esteira do equipamento em uma linha de produção contínua, onde não se tem condições de alteração as velocidades das esteiras do cliente, onde o equipamento está sendo instalado.

Para evitar que alguém altere a velocidade de funcionamento do equipamento, o inversor é programado e uma senha impede que as velocidades sejam alteradas. Desta forma se garante o processo de fabricação.

A posição dos bicos de pulverização é previamente calculada, de acordo como o ângulo de aplicação do bico de pulverização, sendo posicionados de forma fixa, sem possibilidade do operador movimentar qualquer um deles. Desta forma, consegue-se uma cobertura perfeita de aplicação sobre o produto. Ainda mais, fica garantida a aplicação do produto de forma correta, pois não é possível modificar a posição dos bicos.

A quantidade de bicos, juntamente com sua posição determina a quantidade ideal de produto aplicado sobre o produto. Existe a possibilidade de mudança do set up dos bicos, mudando a vazão e em consequência a quantidade aplicada de produto, caso necessário. Isto possibilita aumentar a quantidade aplicada em épocas mais críticas no ano.

0 produto aplicado que não recai sobre o produto que está sendo pulverizado cai na cuba (carenagem) e retorna para o tanque inferior da máquina (12) e é reaproveitado. Não existe nenhuma restrição quanto a reutilização do produto, no que tange a perda de performance, validade, ou seja, não afeta em nada a ação anti-fungica do produto.

A presente invenção compreende ainda uma esteira separadora de pães, no caso de alimentação automática, em uma linha de produção continua, na qual os produtos, após passarem geralmente por uma área de resfriamento são pulverizados e em seguida embalados.

É possível a instalação de dita esteira separadora de pães antes da esteira de pulverização, sendo que a menor velocidade da esteira separadora em relação à esteira de pulverização causa a separação dos pães.

Para grandes produções, a presente invenção compreende sistemas de limpeza, reabastecimento e filtragem.

O sistema de limpeza para altas produções, com "by-pass" compreende um conjunto de tanque e filtro utilizado enquanto o conjunto de tanque e filtro (8) é limpo, sem a necessidade de parada do equipamento para limpeza. O equipamento possui um coletor confeccionado em chapa perfurada, que recebe os resíduos particulados maiores, podendo ser trocado e limpo durante a produção.

O sistema de reabastecimento para altas produções, com "by-pass" compreende a utilização de um tanque enquanto outro é abastecido e através de uma única válvula é selecionado o tanque da esquerda ou da direita a ser utilizado. O equipamento também pode ser abastecido através de uma tubulação de inox, onde o produto que será pulverizado fica abastecido em um tanque maior, com capacidade para a produção do dia e é bombeado até os tanques menores do equipamento.

O sistema de filtragem para altas produções compreende dois filtros (8), com elemento filtrante em poliéster, com grande área de filtragem, possibilitando uma utilização do equipamento por várias horas, sem ter necessidade de abertura do filtro.

A esteira de pulverização automática da presente invenção apresenta grande modularidade, sendo que a partir de uma mesma carenagem (4), pode-se obter diferentes configurações de equipamento, tais como tanque e balde com sensor, tanque e bomba sem sensor, tanque e bomba com sensor ou equipamento para grandes volumes .

Na configuração de tanque e balde com sensor, a liberação da pulverização ocorre quando o produto passa pelo sensor, acionando a válvula solenóide, sendo que o retorno do produto para o balde inferior e filtragem dentro do balde é feita automaticamente. A primeira filtragem é realizada através da colocação de um bag de nylon dentro do balde onde o produto retorna. A esteira de pulverização fica funcionamento continuamente, e a pulverização pára automaticamente, quando não há produto passando pela máquina. O o produto que retorna da máquina deve ser colocado novamente no tanque de abastecimento, manualmente. Abastecido o produto o tanque é fechado e pressurizado com ar comprimido.

Desta forma consegue-se pressão na linha para pulverizar o produto sobre pães, pizzas, bolos e etc. O produto pode ser aplicado em todos os produtos (pão de forma, pizzas, bolos, hamburgues, hot dog e etc) . Este equipamento é ideal para baixa produção, com alimentação manual do produto no equipamento e pode ser acoplada ou não a uma fatiadora. 0 cliente pode pulverizar os produtos a qualquer momento, pois o equipamento pára de pulverizar, quando o produto pára de passar pela máquina. Neste equipamento temos maior manutenção, parte elétrica mais complexa, com motor de acionamento da esteira, sensor, válvula solenóide, maior probabilidade de necessitar de manutenção, tanto preventiva como corretiva e maior necessidade de trabalho do operador para abastecer o tanque, quando o balde atinge sua capacidade máxima.

Na configuração de tanque e bomba sem sensor, a liberação da pulverização ocorre manualmente, através de uma válvula de esfera (13), com o retorno do produto para o tanque inferior (12), com filtragem automática e nova pulverização, através da bomba. A esteira fica funcionamento continuamente, em conjunto com a pulverização. O cliente deve organizar-se de tal forma a pulverizar todos os produtos disponíveis, de uma só vez. A pulverização pára somente quando a válvula de esfera (13) for fechada, mesmo que se desligue o motor da máquina.

O produto pode ser aplicado em todos os produtos (pão de forma, pizzas, bolos, hamburgues, hot dog e etc) . Este equipamento é ideal para baixa produção, com alimentação manual do produto no equipamento e pode ser acoplada ou não a uma fatiadora. 0 cliente deve ser instruído para organizar sua produção para pulverizar o produto em lotes de produção. Esta configuração apresenta baixa manutenção, pouca parte elétrica com máquina somente com motor de acionamento da esteira, e pouca probabilidade de entupimento da válvula de esfera.

Na configuração de tanque e bomba com sensor, a liberação da pulverização ocorre quando o produto passa pelo sensor, acionando a válvula solenóide, com retorno do produto para o tanque inferior, filtragem automática e nova pulverização, através da bomba. A esteira fica funcionamento continuamente, e a pulverização pára automaticamente, quando não há produto passando pela máquina.

O produto pode ser aplicado em todos os produtos (pão de forma, pizzas, bolos, hamburgues, hot dog e etc) , é ideal para baixa produção, com alimentação manual do produto no equipamento e pode ser acoplada ou não a uma fatiadora. O cliente pode pulverizar os produtos a qualquer momento, pois o equipamento pára de pulverizar, quando o produto pára de passar pela máquina. Apresenta maior manutenção, parte elétrica mais complexa com motor de acionamento da esteira (5), sensor, válvula solenóide, e tem maior probabilidade de necessitar de manutenção, tanto preventiva como corretiva.

Na configuração de equipamento para grandes volumes, a liberação da pulverização ocorre quando o produto passa pelo sensor, acionando a válvula solenóide, com o retorno do produto para o tanque inferior, filtragem automática e nova pulverização, através da bomba. A esteira fica funcionamento continuamente, e a pulverização pára automaticamente, quando não há produto passando pela máquina.

Existe um sistema em "by pass" para os tanques e para os filtros. Enquanto um conjunto funciona, o outro pode ser limpo . Este equipamento aplica o o produto a ser pulverizado em todos os produtos (pão de forma, pizzas, bolos, hamburgues, hot dog e etc) , e é ideal para produções continuas, com alimentação automática do produto, sendo que a máquina deverá ser acoplada antes da fatiadora. Apresenta maior manutenção, parte elétrica mais complexa com motor de acionamento da esteira, sensor, válvula solenóide, esteira de separação de pães, e necessita de uma manutenção preventiva e corretiva, esporadicamente .