Login| Sign Up| Help| Contact|

Patent Searching and Data


Title:
CONCENTRATED, PORTABLE LIQUID PREPARATIONS FOR INSTANTANEOUS PRODUCTION OF TEAS, WITHOUT INFUSION OR DECOCTION, ALCOHOL-FREE WINES AND OTHER, DERIVED BEVERAGES, PACKED IN PACKAGES OF THE TUBE, DROPPER-BOTTLE OR VIAL AND SACHET TYPE FOR AN INDIVIDUAL SERVING, USING EXTRACTS OF PLANTS INTENDED FOR THE PREPARATION OF PURE OR BLENDED WINE EXTRACTS AND TEAS
Document Type and Number:
WIPO Patent Application WO/2019/084638
Kind Code:
A1
Abstract:
The present application relates to concentrated, portable preparations for instantaneous production of teas, without infusion and decoction, alcohol-free and sugar-free wines, packed in small packages of the tube or dropper-bottle or even sachet and vial type, which may be carried even during domestic and international trips and flights. These preparations are liquid extracts of plants, such as, for example, Hibiscus (Hibiscus sabdariffa), which allow the instantaneous preparation, in any location, even during travel, of teas made from selected plants, alcohol-free/sugar-free wines, teas blended with a wine extract and derived beverages, it sufficing to dissolve the product in cold, tepid or hot water or other liquids. Pure extracts may be combined together in different proportions or, additionally, enriched with natural bioactive substances in foods and/or wine, principally trans-resveratrol, achieving the necessary amount of the bioactive substance in the end-product for obtaining health benefits.

Inventors:
MARQUES, Carlos Augusto Da Cruz (RUA TIMBURI 1221 - ALPHAVILLE, -301 CAMPINAS/SP, 13098-301, BR)
Application Number:
BR2017/050333
Publication Date:
May 09, 2019
Filing Date:
November 06, 2017
Export Citation:
Click for automatic bibliography generation   Help
Assignee:
MARQUES, Carlos Augusto Da Cruz (RUA TIMBURI 1221 - ALPHAVILLE, -301 CAMPINAS/SP, 13098-301, BR)
International Classes:
A23F3/34; A23L2/385; B65D85/72
Domestic Patent References:
WO2012172147A12012-12-20
WO2008129503A22008-10-30
Foreign References:
US20090123612A12009-05-14
CN106701450A2017-05-24
JPS5629522A1981-03-24
RU2597184C12016-09-10
Other References:
MD 407 Y (INSTITU TCEDIL IA PUBLIC ABREVE INST SCEDIL TIIN TCEDIL IFICO PRACTIC DE HORTICULTUR ABREV [ MD, 31 August 2011 (2011-08-31)
Attorney, Agent or Firm:
BEERRE ASSESSORIA EMPRESARIAL LTDA (Av Barão de Itapura, 3236Taquaral, -300 Campinas, 13073-300, BR)
Download PDF:
Claims:
REIVINDICAÇÕES

1 - PREPARADOS LÍQUIDOS CONCENTRADOS E PORTÁTEIS PARA OBTENÇÃO INSTANTÂNEA DE CHÁS SEM INFUSÃO OU DECOCÇÃO, VINHOS SEM ÁLCOOL E OUTRAS BEBIDAS DERIVADAS, caracterizados por utilizarem extratos naturais altamente concentrados, puros ou mistos, obtidos em forma líquida, com solubilidade instantânea, em embalagens portáteis, ou seja, frascos ou bisnagas conta-gotas, para múltiplas utilizações, ou ainda em sachês e flaconetes para dosagem individual;

2 - PREPARADOS LÍQUIDOS CONCENTRADOS E PORTÁTEIS PARA OBTENÇÃO INSTANTÂNEA DE CHÁS SEM INFUSÃO OU DECOCÇÃO, VINHOS SEM ÁLCOOL E OUTRAS BEBIDAS DERIVADAS, de acordo com reivindicação 1, caracterizados por serem preparados a partir de plantas das espécies Hibisco (Hibiscus sabdariffa), Chá-da-índia (Camélia sinensis), Camomila (Matricaria chamomilla), Erva-cidreira {Melissa officinalis) e Jasmim (Jasminum L.), estendendo- se a outras espécies consideradas plantas destinadas à preparação de infusões ou decocções e também a partir de extratos obtidos de vinho, classificados por diferentes castas e apresentarem consistência espessa e cores respectivas ao chá das plantas ou dos vinhos, porém em tonalidades menos translúcidas, com propriedades e aroma característicos das mesmas fontes das quais foram obtidos;

3 - PREPARADOS LÍQUIDOS CONCENTRADOS E PORTÁTEIS PARA OBTENÇÃO INSTANTÂNEA DE CHÁS SEM INFUSÃO OU DECOCÇÃO, VINHOS SEM ÁLCOOL E OUTRAS BEBIDAS DERIVADAS, de acordo com reivindicação 1, caracterizados por serem acondicionados em embalagens pequenas e portáteis para fácil transporte pessoal, referindo-se principalmente a bisnagas ou frascos conta-gotas de 20 a 100 mL, para múltiplas utilizações, ou ainda em flaconetes e sachês de 1 a 5 mL para dosagem individual;

4 - PREPARADOS LÍQUIDOS CONCENTRADOS E PORTÁTEIS PARA OBTENÇÃO INSTANTÂNEA DE CHÁS SEM INFUSÃO OU DECOCÇÃO, VINHOS SEM ÁLCOOL E OUTRAS BEBIDAS DERIVADAS, de acordo com reivindicação 1, caracterizados por apresentarem opções de preparados concentrados mistos de extratos de uma ou mais espécies de plantas com proporções de 0,5 a 99,5% (v/v) e/ou com extrato de vinhos na proporção de 0,5% a 15% v/v; 5 - PREPARADOS LÍQUIDOS CONCENTRADOS E PORTÁTEIS PARA OBTENÇÃO INSTANTÂNEA DE CHÁS SEM INFUSÃO OU DECOCÇÃO, VINHOS SEM ÁLCOOL E OUTRAS BEBIDAS DERIVADAS, de acordo com reivindicação 1, caracterizados por apresentarem opções de preparados concentrados adicionados de substâncias químicas bioativas encontradas naturalmente em alimentos e no vinho, em quantidade suficiente para se obter em uma única porção do produto a quantidade necessária da ingestão diária recomendada destas substâncias, referindo-se principalmente ao trans-resveratrol, na proporção de 100 mg por porção de extrato de vinho.

Description:
PREPARADOS LÍQUIDOS CONCENTRADOS E PORTÁTEIS PARA OBTENÇÃO INSTANTÂNEA DE CHÁS SEM INFUSÃO OU DECOCÇÃO,

VINHOS SEM ÁLCOOL E OUTRAS BEBIDAS DERIVADAS, ACONDICIONADOS EM EMBALAGENS DO TIPO BISNAGA, FRASCO CONTA-GOTAS OU FLACONETE E SACHÊ PARA DOSE INDIVIDUAL, UTILIZANDO-SE EXTRATOS DE PLANTAS DESTINADAS AO PREPARO

DE CHÁS E EXTRATOS DE VINHOS PUROS OU MISTOS CAMPO DE APLICAÇÃO

[01] O presente relatório descritivo de Patente de Invenção diz respeito a disponibilização de bebidas concentradas de maneira portátil para preparo fácil e instantâneo de chás e também de vinhos sem álcool, assim como para o preparo de outros refrescos, bebidas, coquetéis, quentes ou frios, entre outros usos alimentícios. Os produtos caracterizam- se por acondicionar os preparados concentrados em embalagens que possibilitam seu fácil transporte pelo usuário, como bisnagas ou frascos conta- gotas, para múltiplas utilizações, ou em flaconetes e sachês para dosagem individual.

[02] Pertencentes à área de bebidas e alimentos, estes produtos caracterizam- se por serem naturais, podendo ser isentos de açúcares, álcool, óleos e água em sua composição final, para serem solubilizados em qualquer líquido. Caracterizam- se pela excepcional portabilidade dos produtos, possibilitada por serem extratos altamente concentrados que são acondicionados em recipientes de tamanho reduzido, podendo ser levados em bolsos e/ou bolsas, mesmo em viagens e voos domésticos e internacionais. Outra característica importante é que dispensam os tradicionais métodos de preparo de chás, como infusão e decocção das partes de plantas ou dos saquinhos de chá convencionais, podendo ser preparados em líquidos frios, mornos ou quentes, bastando adicionar o produto à água ou a outro líquido desejado.

[03] Este pedido também compreende os métodos de obtenção dos extratos líquidos solúveis concentrados a partir de espécies vegetais (folhas, cálices, capítulos florais, pétalas, flores, ramos, caules, talos, cascas, sementes, raízes, polpa dos frutos ou frutos) destinadas ao preparo de chás, incluindo também, extratos de vinhos das mais diversas castas, a combinação dos extratos de chás entre si e/ou com extrato de vinho, assim como extratos enriquecidos pela adição de substancias naturais bioativas.

OBJETIVOS DA INVENÇÃO

[04] A presente invenção tem como objetivo principal possibilitar o preparo fácil, instantâneo, portátil e em qualquer local, mesmo em viagens, de chás naturais de plantas selecionadas, vinhos sem álcool e sem açúcar, chás mistos com extrato de vinhos, assim como outros refrescos, bebidas e coquetéis, bastando solubilizar o produto, em água ou outros líquidos frios, mornos ou quentes. Podem ser utilizados também para saborizar ou colorizar, por exemplo, sorvetes, entre outros usos alimentícios aos quais possam se destinar, bastando adicionar os extratos diretamente sobre os alimentos ou em seu preparo.

[05] Adicionalmente, os preparados mistos de extratos de plantas com extratos de vinhos têm como objetivo potencializar o efeito benéfico de cada tipo de chá ao combiná-los com as propriedades dos ativos naturais presentes no vinho. Os extratos puros podem ser enriquecidos com substancias naturais bioativas visando aumentar o efeito benéfico dos produtos.

[06] Os extratos de vinhos também podem ser utilizados isoladamente no preparo de vinhos sem álcool e sem açúcar, apenas misturando-os à água natural ou com gás, e que não provocam consequências derivadas de ingestão alcoólica, estendendo seu consumo também ao usuário abstêmio e possibilitando, inclusive, que os usuários possam imediatamente conduzir veículos após sua ingestão. Podem ser ofertados em diferentes versões, conforme o tipo de castas das uvas utilizadas na produção do vinho.

[07] Os preparados concentrados de plantas e vinho possibilitam aos usuários, a qualquer momento e local, usufruir das propriedades benéficas para a saúde proporcionadas por estas plantas e seus ativos, favorecendo seu consumo de maneira frequente na alimentação devido a portabilidade e a facilidade do preparo instantâneo, evitando situações em que sua ingestão possa ser impossibilitada, principalmente por falta de tempo.

ESTADO DA TÉCNICA

[08] Alimentos funcionais e fitoterapia são assuntos que apresentam crescente interesse em escala global e têm despertado o mercado para a oferta de novos produtos com estas características. Os alimentos funcionais podem ser caracterizados como aqueles que apresentam benefícios adicionais para a saúde humana, além de suas funções nutricionais básicas, podendo inclusive ajudar a reduzir potencialmente o risco de doenças, por exemplo, cardíacas e degenerativas, câncer, diabetes, entre outras. Entretanto, para que desempenhem efetivamente a função esperada no organismo, é necessário que se realize o consumo regular destes alimentos 1 . [09] Desta maneira, tendo sido efetuadas pesquisas com reconhecimento internacional, verificando-se que muitos dos benefícios à saúde popularmente atribuídos ao consumo de chás estão respaldados cientificamente, como por exemplo, o chá obtido a partir da planta Hibisco (Hibiscus sabdarijfa), o chá verde (Camélia sinensis), chás de camomila (Matricaria chamomilla), de erva-cidreira (Melissa ojjicinalis) e de Jasmim (Jasminum L.), aqui citadas apenas a título de exemplo, devido à brevidade deste descritivo, tanto pelos efeitos positivos que proporcionam, como por terem seu uso bastante difundido na forma de chás.

[10] Entre os conhecidos benefícios proporcionados pela planta Hibisco (H. sabdarijfa) para a saúde humana destaca-se o fato de ela ser rica em substâncias ativas como os alcalóides, antocianinas, flavonóides, fenóis, saponinas e taninos 2 , que proporcionam grandes benefícios à saúde humana. O cálice da planta H. sabdarijfa, variante comestível da planta popularmente conhecida como Hibisco, Vinagreira, Rosela ou Quiabo-Azedo, possui propriedades que lhe conferem características medicinais atestadas por numerosas pesquisas, entre as quais está sua ação como agente anti-hipertensivo 3 (graças à sua ação diurética, eliminando eletrólitos responsáveis pela alteração na pressão arterial, como magnésio, cálcio, potássio e sódio), redutor de colesterol 4 , antioxidante 5 , o que lhe confere fortes propriedades anti-mutagênicas e no sequestro de radicais livres 6 , de modo a auxiliar no tratamento de doenças degenerativas, emagrecedor , sendo responsável pela diminuição do acúmulo de gordura no corpo, já que seus componentes reduzem a adipogênese, processo no qual há produção de células de gordura. Apresenta também potenciais efeitos antibacterianos, antifúngicos e antiparasitários contra agentes patogênicos, além de apresentar resultados positivos como agente antipirético e anti-inflamatório, realizando também atividade protetiva hepática, e mesmo auxiliando na prevenção de câncer 8 , graças à alta concentração dos compostos fenólicos.

[11] O chá verde, por sua vez, é rico em flavonóides conhecidos como catequinas (35-45%), cafeína (6%), polifenóis, alcalóides, além de proteínas, vitaminas (C e K) e sais minerais 9 , que lhe conferem propriedades antioxidantes, quimioprotetoras, termogênicas - promovendo efeito emagrecedor - anti-inflamatórias e anticarcinogênicas 10 . As flores da planta camomila (M. chamomilla), por sua vez, contêm muitos terpenóides e flavonóides, que contribuem para suas propriedades medicinais, entre as quais se destacam os tratamentos para febre do feno, inflamações, espasmos musculares, insónia, úlceras, desordens gastrointestinais 11 , entre outras.

[12] Ainda neste contexto, outras plantas como a erva-cidreira (Melissa officinalis) apresentam efeitos como agente antitumoral agindo potencialmente na prevenção do câncer, além de ter sido confirmado o efeito positivo do uso do seu extrato em pacientes com mal de Alzheimer suave a moderado, melhorando significativamente

12

as funções cognitivas em relação a grupos que receberam apenas placebo .

[13] Recentemente, foram comprovados cientificamente os grandes benefícios

13

à saúde proporcionados pelo consumo regular de vinho , uma vez que este possui algumas vantagens sobre o consumo da própria uva, isso porque os vinhos são produzidos pelo esmagamento da polpa, da casca, e também das sementes, que são ricas em compostos fenólicos 14 , os quais possuem propriedades antioxidantes. Alguns dos componentes responsáveis por esta ação antioxidante estão presentes principalmente na casca da uva: catequinas, ácido gálico, malvidina, o ácido cafeico, miricetina, quercetina e ácido sinápico 15 .

[14] O resveratrol é outra substância antioxidante benéfica encontrada na casca das uvas tintas, possuindo também atividade anti-inflamatória, cuja supressão de edemas chegou a ser maior do que de drogas anti-inflamatórias clássicas em experimentos, sendo menos tóxico às células sadias 16 . Este componente ainda possui atividade anticancerígena, por bloquear reações com radicais livres, que dão início ao processo de envelhecimento dos tecidos do corpo, assim como o aparecimento de

17

diferentes formas de câncer .

[15] Para muitas pessoas, porém, o vinho apresenta o inconveniente de ser uma bebida alcoólica, especialmente contraindicada para usuários que não toleram álcool, ou que não o consomem por abstemia em geral, e cuja necessidade de consumo frequente para ação preventiva pode não ser recomendável para todos os públicos. E ainda não é segura a condução de veículos no período imediatamente posterior a ingestão de bebida alcoólica, limitando seu consumo.

[16] Cabe ressaltar-se a utilização de vinhos também no preparo de receitas, como sobremesas, molhos e outros pratos quentes, com o objetivo de realçar o sabor dos alimentos e acrescentar aromas próprios dos vinhos, tintos ou brancos, aos doces e salgados. Porém, em uma grande variedade de pratos, é necessário estender seu cozimento até a evaporação do álcool, processo que pode levar à degradação dos nutrientes e compostos bioativos, devido às altas temperaturas durante um longo período. Soma-se a este aspecto o fato de que nem todo o teor alcoólico do vinho é retirado através do aquecimento, conforme o método utilizado para cozimento cerca de

4% a 85% do volume total do álcool adicionado 18 permanecem no alimento, sendo outra característica limitante para alguns públicos.

[17] Em relação à forma de obtenção ou preparo e consumo de chás, no estado atual da técnica, observa-se que tradicionalmente obtém-se a bebida apenas através dos métodos de decocção ou infusão das partes da planta em água quente. Este processo apresenta-se como necessário devido às substâncias não solúveis em água fria. Destaca-se, entretanto, que o método de obtenção de chás por decocção (fervura) das plantas em água pode degradar muitos de seus bioativos, reduzindo consideravelmente os possíveis benefícios à saúde humana. Por outro lado, buscando soluções alternativas para o preparo mais ágil destas bebidas, foram desenvolvidos nos últimos anos técnicas para obtenção de chás solúveis em pó ou em versões prontas para consumo. Porém, a grande maioria destes produtos possui o inconveniente de terem, adicionados ao extrato puro das plantas, conservantes, corantes, açúcares, adoçantes, maltodextrina e edulcorantes, entre outros compostos que mitigam o caráter natural dos chás. Além disso, são comercializados em potes e sachês, que não apresentam a praticidade necessária para consumo em qualquer lugar, ou não possuem grande rendimento no caso dos sachês. Para estes casos, se faz necessário ter embalagens em cada local em que se está presente, seja residencial ou de trabalho, ou ainda renovar os sachês com muita frequência.

[18] Outra maneira utilizada para se consumir chás se dá através das versões prontas para beber, em frascos ou embalagens de conservação longa-vida, sendo a opção mais rápida para pronto consumo, pois dispensa qualquer preparo. Entretanto, também são poucas as opções em que açúcares, adoçantes e outros conservantes não tenham sido adicionados. Além disso, esta forma de disponibilização apresenta alto custo final e dificuldade no transporte, tanto no aspecto de logística empresarial, elevando custos de entrega, por ser comercializado pronto e diluído, como para o próprio usuário poder levar consigo uma embalagem para consumo fora de casa.

[19] Ainda mais recentemente foram desenvolvidas técnicas para apresentação de chás instantâneos líquidos, porém oferecidos na forma de aerossóis líquidos engarrafados sob pressão, aos quais foram adicionados também ácido ascórbico, goma xantana e propelentes, cuja mistura de sabores pode não ser agradável a todos os públicos. Além da inconveniência de necessitarem ser apresentados em frascos relativamente grandes e inapropriados para transporte ao trabalho ou em viagens, podem não se adequar às exigências para serem levados em voos como bagagem de mão.

[20] Também no estado atual da técnica, encontram-se disponíveis no mercado extratos e tinturas de plantas na forma líquida, prontos para consumo como suplementos e até mesmo podem ser solubilizadas em água. Entretanto, estes extratos estão disponíveis apenas em soluções alcoólicas ou aquosas e não puras, e não se caracterizam como preparados para chás.

[21] De igual modo, estão disponíveis para o consumidor no mercado internacional extratos secos de vinho tinto, em pó e em cápsulas, como suplemento alimentar e, para uso na indústria de alimentos, na forma de concentrados líquidos, porém, estes ainda apresentam alguma concentração alcoólica. Por outro lado, extratos líquidos concentrados de vinhos, separados por castas de uvas, prontos para solubilização na forma de refrescos pelo consumidor final, ou para preparação de vinho sem álcool e sem açúcares, não foram encontrados.

[22] Considerando-se ainda que alimentos funcionais apenas desempenhem com eficácia a função esperada no organismo quando são consumidos de maneira regular, e que as múltiplas funções e atividades diárias dos usuários, muitas vezes impedem a dedicação de algum tempo para o preparo de chás, seja por decocção ou infusão, ou até mesmo a ausência um local apropriado para este preparo, fica comprometida a ingestão regular destas bebidas.

[23] Adicionalmente, visando a disponibilização de novos produtos no mercado, com as características de originalidade próprias supracitadas, pesquisas de anterioridade foram realizadas no mercado nacional e internacional, em bancos de patentes internacionais e no Banco de dados do INPI, não tendo sido encontradas semelhanças com estes novos desenvolvimentos, motivo pelo qual consideramos que não existam impedimentos, sejam de ordem legal, sejam de ordem técnica, para que lhe seja concedido o privilégio solicitado.

AVANÇO TECNOLÓGICO

[24] Os avanços tecnológicos proporcionados por estes preparados concentrados e portáteis referem-se: a) à sua forma de apresentação e portabilidade: apresentados na forma de líquidos concentrados, naturais e podendo ser isentos de álcool, adição de açúcares, edulcorantes e água, e acondicionados em embalagens portáteis, como frascos ou bisnagas conta-gotas, para múltiplas dosagens, ou flaconetes e sachês com dose única para consumo individual, possibilitam o fácil transporte do produto, mesmo em um bolso ou em uma bolsa, e seu preparo em qualquer lugar, durante viagens, inclusive em voos domésticos e internacionais, pois se adequam às exigências para serem transportados como bagagem de mão;

b) à sua instantaneidade e facilidade de preparo: por serem solúveis em água e outros líquidos em qualquer temperatura (frios, mornos ou quentes) basta adicionar o produto ao líquido desejado, e instantaneamente será obtida a bebida pronta para beber, seja um chá, refresco, coquetel ou vinho sem álcool, dispensando os tradicionais métodos de infusão e decocção das plantas ou de saquinhos de chá convencionais, possibilitando grande praticidade e economia de tempo, além de facilmente se adequarem à concentração desejada pelo usuário, sem exigir um período de infusão prolongado e/ou quantidades múltiplas de saquinhos;

c) à formulação exclusiva de chás mistos com extrato de vinhos (de 0,5% a 15% v/v) combinando sabores e os benefícios para a saúde proporcionados pelos seus ingredientes;

d) à disponibilização de preparado à base de extrato de vinho concentrado (líquido), para obtenção de bebidas quentes ou frias, tais como refrescos, coquetéis (conhecidos como "sangria") e também para o preparo de vinhos sem álcool e sem açúcar, das mais diversas castas, bastando misturar o produto em água natural ou com gás, evitando-se, desta maneira, consequências derivadas de ingestão alcoólica, o que possibilita seu consumo ao usuário abstêmio e a condução de veículos imediatamente após sua ingestão. Também pode ser adicionado diretamente sobre outros alimentos, inclusive durante sua preparação, seja estes pratos frios ou quentes, o que contribui para reduzir o tempo de preparo, pois dispensa a evaporação do álcool presente no vinho, e preservar as características dos nutrientes bioativos, os quais são degradados com o prolongado tempo de cozimento;

e) à disponibilização de preparados à base de extratos líquidos de plantas e de vinhos enriquecidos com substâncias químicas bioativas encontradas naturalmente em alimentos e no vinho, as quais podem conferir um benefício à saúde, tais como o trans-resveratrol. Essa adição visa complementar a dosagem no produto final de modo a atingir a quantidade necessária para obtenção dos benefícios já comprovados, elevando-a a níveis superiores, mais próximos ao índice de ingestão diária recomendada para estas substâncias.

DESCRIÇÃO DETALHADA DA INVENÇÃO

[25] O processo para obtenção dos extratos líquidos concentrados puros (de uma única espécie vegetal ou de vinho) utilizados nos preparados portáteis e instantâneos descritos neste Pedido de Patente compreende as seguintes etapas:

1. Triagem de matéria prima: serão utilizadas as espécies Hibisco (Hibiscus sabdarijfa), Chá-da- índia (Camélia sinensis), Camomila (Matricaria chamomilla), Erva-cidreira (Melissa ojficinalis) e Jasmim (Jasminum L.), por exemplo, mas não se limitam apenas a estas, estendendo-se a todas as espécies consideradas plantas destinadas à preparação de infusões ou decocções pelas agências reguladoras nacionais e internacionais, tais como as emitidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa 19 , assim como outras que venham a ser incluídas futuramente. A aquisição de matéria prima vegetal será certificada quanto sua identificação botânica e origem, podendo ser in natura ou desidratada. O material vegetal é selecionado manual ou mecanicamente de acordo com a parte específica da planta a ser utilizada no processo de extração (por exemplo, as folhas de C. sinensis ou os cálices - sem sementes - de H. sadbarijfa), removendo-se exemplares com qualquer defeito que possa interferir na qualidade final do produto. Posterior ao processo de seleção O material vegetal é moído, quando necessário, e pesado.

- Serão utilizados vinhos certificados quanto casta e origem, preferencialmente aqueles produzidos artesanalmente.

2. Lavagem e desinfecção das partes utilizadas das plantas: a matéria prima vegetal selecionada é lavada em água corrente em abundância para remoção de vestígios de terra, poeira e outros contaminantes sólidos. São desinfetadas posteriormente por 20 minutos, permanecendo mergulhadas em solução ácida (ácido fosfórico ou ácido cítrico

- grau alimentício) de pH entre 1,5 e 3,0, em quantidade suficiente para cobrir todo material, objetivando eliminar possíveis contaminações microbiológicas. Em seguida, são novamente lavadas em água corrente abundante.

- A obtenção do extrato de vinho dispensa esta etapa de preparo. 3. Maceração das plantas ou partes selecionadas: o material vegetal higienizado é colocado em solução hidroalcoólica (40 - 80% v/v) podendo conter 0,5 a 4% (v/v) de glicerina vegetal (grau USP ou alimentício), permanecendo em maceração e absorção por um período entre 5 a 7 dias. Alternativamente, o material vegetal pode ser moído, reduzindo o tamanho das partículas e a maceração dinâmica pode ser realizada em um agitador mecânico, o que possibilita considerável redução no período de extração, para 1 a 2 dias, ou até mesmo em 2 a 6 horas. A proporção de material vegetal e solução hidroalcoólica utilizada é determinada de acordo com o tipo de material (parte da planta, in natura ou desidratada), em geral 1 parte de planta para 9 partes de solução (m/v). O período que o material ficará em absorção deve ser regulado conforme a planta utilizada, variando ainda em função de ter sido obtida in natura ou desidratada. Salienta-se que o álcool etílico nesta etapa também tem o caráter desinfetante. Todos estes procedimentos são realizados a frio.

- A obtenção do extrato de vinho dispensa esta etapa de preparo.

4. Separação do extrato hidroalcoólico do material sólido residual: o material resultante da maceração é uma mistura heterogénea de líquidos e sólidos, o material sólido residual do processo de extração pode ser separado do através da prensagem e filtração a frio em filtros-prensa, filtração à vácuo ou ainda por centrifugação. Estes processos de separação podem ser utilizados exclusivamente ou em combinação. Ao fim do processo obtém- se o extrato da planta e a parte sólida residual conhecida como "torta", que pode ser seca e utilizada como adubo ou descartada como material orgânico.

- A obtenção do extrato de vinho dispensa esta etapa de preparo.

5. Concentração dos extratos: a etapa de concentração dos extratos hidroalcoólicos das plantas e do vinho é realizada por destilação simples sob pressão reduzida, removendo o álcool e a água. A temperatura será mantida no máximo em até 60 °C para evitar a degradação dos componentes bioativos dos extratos. O tempo para realização do processo varia entre 1 a 3 horas dependendo da concentração do extrato dissolvido na solução. Após o término deste processo, obtém-se o produto final, líquido, concentrado e solúvel para o preparo de para chás e demais bebidas.

7. Combinação dos extratos líquidos puros de plantas e/ou extrato de vinho: nesta etapa opcional, os extratos obtidos individualmente para cada espécie vegetal, assim como os extratos de vinho poderão ser combinados (duas ou mais espécies e/ou castas) entre si, em proporções de 0,5 a 99,5% (v/v) em função do sabor e de propriedades benéficas à saúde, sendo que os extratos de vinho não excederão 15% do volume total de extrato misto concentrado. Após a mistura de extratos é efetuada sua homogeneização por misturador, gerando um novo produto composto e potencializando o benefício de dos extratos ao combiná-los.

8. Enriquecimento dos extratos concentrados: esta etapa opcional será realizada pela adição da substancia natural bioativa, referindo-se principalmente à substância trans- resveratrol no extrato de vinho, para alcançar a quantidade necessária para obtenção dos benefícios já comprovados à saúde humana (por exemplo 100 mg de trans-resveratrol por porção de extrato de vinho), de acordo com a regulamentação das farmacopeias reconhecidas nacional e internacionalmente, Codex Alimentarius, Food Chemical Codex, Dietary Supplement Conpendium e The Joint FAO/WHO Expert Committee on Food Additives, assim como em estudos científicos validados. Após a adição da substancia bioativa no extrato, é efetuada sua solubilização (no próprio extrato) e homogeneização por misturador, gerando um novo produto enriquecido.

9. Apresentações e acondicionamento: o acondicionamento dos produtos é feito em frascos ou bisnagas conta-gotas para múltiplas dosagens; ou flaconetes e sachês com dose única para consumo individual, que apresentam características protetivas quanto à degradação (fotodegradação e oxidação) dos componentes bioativos presentes e das características organolépticas do produto, referindo-se especialmente a frascos que impeçam a passagem de luz. Os frascos e bisnagas devem possuir preferencialmente a capacidade para 20 mL de líquido e não mais que 100 mL, e os flaconetes ou sachês para dose individual devem possuir de 1 a 5 mL, apropriados para total portabilidade do produto e seu transporte fácil pelo usuário em bolsos e/ou bolsas, em qualquer lugar, mesmo em viagens, estando em total conformidade com os padrões de viagens aéreas domésticas ou internacionais, no que se refere ao transporte de líquidos em bagagens de mão. Entretanto, podem ser também acondicionados em embalagens maiores para uso alimentício em restaurantes e pequenas indústrias. Ainda podem ser ofertados em embalagens maiores para uso em restaurantes e indústrias alimentícias, também no preparo de outros alimentos, conforme receita do usuário.

PRODUTO OBTIDO E USO

[26] Os produtos obtidos com o processo descrito proporcionam o preparo instantâneo de chás, e referem-se principalmente a chás de H. sabdarijfa, chá verde, entre outros chás puros ou mistos e também de vinhos sem álcool e sem açúcar, podendo ainda serem enriquecidos em termos de componentes naturalmente bioativos. Caracterizam-se por serem extratos altamente concentrados de plantas selecionadas, solúveis, prontos para uso, podendo ser isentos de álcool, conservantes, açúcares, diluentes e outras substâncias. Estes extratos apresentam consistência espessa e cores próximas ao chá das plantas de origem, porém menos translúcidas, com propriedades bioativas e com aroma característico das mesmas plantas e/ou vinho dos quais foram obtidos. De igual modo, com o processo obtêm-se também produtos compostos por extrato de plantas e extrato de vinho, combinando benefícios de ambos os componentes, ou ainda produtos com propriedades bioativas potencializadas pela adição das substancias naturais bioativas em quantidades suficientes para obtenção dos benefícios à saúde já comprovados.

[27] O uso dos extratos deve ser feito adicionando- se gotas do produto final à água quente, morna ou fria, conforme preferência do usuário, além de poderem ser aplicados em outras bebidas, sobremesas e demais usos alimentícios. O extrato de vinho, presente na versão composta com extratos de plantas, quando ofertado isoladamente ou enriquecido, pode ser solubilizado conforme a intensidade desejada pelo usuário, ou ainda, utilizado em outros alimentos, assim como em seu preparo, tanto no preparo de pratos frios como no de pratos quentes, reduzindo o tempo de preparo, pois dispensa a evaporação do álcool presente no vinho e preserva as características dos nutrientes bioativos, os quais são degradados com o tempo de cozimento;

EXEMPLO DE OBTENÇÃO

[28] A seguir será apresentado um exemplo de obtenção do invento utilizando-se o cálice H. sabdariffa, com o intuito de ilustrar a viabilidade prática, sem limitar a abrangência do invento.

EXEMPLO

[29] O processo para obtenção dos extratos líquidos concentrados do cálice de

H. sabdariffa utilizados no modelo de bebidas portáteis e de preparo instantâneo compreende as seguintes etapas:

I. Triagem dos cálices de H. sabdariffa: em ambiente fechado com total assepsia, é feita a seleção manual dos cálices a serem utilizados, separando-os de exemplares com defeitos, e removendo seu miolo e semente através da utilização de um extrator cilíndrico oco metálico com 1 cm de diâmetro médio; 2. Lavagem e desinfecção dos cálices de H. sabdariffa os cálices in natura serão lavados em água corrente em abundância para remoção de vestígios de terra, poeira e outros contaminantes; posteriormente serão desinfetados por 20 minutos em solução de água e ácido fosfórico grau alimentício com pH 2,0 em quantidade suficiente para cobrir os cálices, onde elimina-se possíveis contaminações microbiológicas do plantio; em seguida, os cálices serão lavados novamente em água corrente abundante;

3. Maceração dos cálices in natura: após a higienização, os cálices in natura serão macerados, em solução hidroalcoólica 60% (v/v) por um período de 5 dias para que o extrato fosse obtido a partir do material bruto. Todos estes procedimentos serão realizados a frio;

4. Separação do extrato hidroalcoólico do material sólido residual: o material resultante da extração será prensado e filtrado em filtros-prensa a frio, obtendo-se uma solução líquida homogénea de água, álcool etílico e do extrato de H. sabdariffa. A torta será seca e descartada como material orgânico;

5. Concentração do extrato: a solução de extrato de H. sabdariffa será destilada através de destilação simples com pressão reduzida (temperatura máxima de 60 °C) para remoção do excesso de água e álcool. O tempo para realização do processo é de 2 horas, resultando no extrato concentrado do H. sabdariffa;

6. Acondicionamento: o acondicionamento do produto foi feito em frascos de 20 mL conta-gotas.

CONCLUSÃO

[30] Após a exposição do descritivo para o presente pedido de Patente de Invenção, que inclui uma forma inédita de apresentação portátil de extratos líquidos para preparo fácil e instantâneo de chás, refrescos, coquetéis e outras bebidas, podendo ser isentos de outras substâncias, disponibilizados também em versão composta com extrato de vinho, além de um extrato individual para preparação de vinho sem álcool e sem açúcar, podendo ainda serem enriquecidos em termos de substancias bioativas naturais, que apresentam o ineditismo de produtos inovadores, os quais se adequam às normas que regulamentam os pedidos de Patente de Invenção, e considerando que vêm a preencher uma lacuna de produto ainda não explorada, verifica- se que o presente pedido merece, por consequência, o privilégio solicitado. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1 BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE do Ministério da Saúde. Dicas em saúde - Alimentos

Funcionais. 2009. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/220_alimentos_funcio nais.html>. Acesso em 10/08/2017.

2 OBOUAYEBA A. P, et al. Phytochemical and Antioxidant Activity of Roselle (Hibiscus Sabdariffa L.) Petal Extracts. Research Journal of Pharmaceutical, Biological and Chemical Sciences. 2014, p. 1463.

3 AJAY, M., et al. Mechanisms of the anti-hypertensive effect of Hibiscus sabdariffa L. calyces. Journal of Ethnopharmacology 109. 2007, p. 388-393

4 TZU-LI, Lin et al. Hibiscus sabdariffa extract reduces serum cholesterol in men and women. Nutrition Research 27. 2007, p. 140-145

5 OBOUAYEBA et al. Op. Cit.

6 FAROMBI, E. O., FAKOYA, A.. Free radical scavenging and antigenotoxic activities of natural phenolic compounds in dried flowers of Hibiscus sabdariffa L. Molecular Nutrition & Food Research 49, ed. 12. 2005, p. 1120 - 1128

7 MYUNG-SUNNY, Kim, et al. Hibiscus sabdariffa L. water extract inhibits the adipocyte differentiation through the PI3-K and MAPK pathway. Journal of Ethnopharmacology 114. 2007, p. 260-267

8 DA-COSTA-ROCHA, I. et al. Hibiscus sabdariffa L. - A phytochemical and pharmacological review. Food Chemistry, Volume 165, 2014, p. 424 - 443.

9 HERNARDEZ-FIGUEIROA, T. et al. El té verde, uma buena elección para la prevención de enfermidades cardiovasculares. Archivos Latino Americanos de Nutrición, Caracas, v. 54, n. 4. 2004, p. 380-394.

10 SCHMITZ, W. et al. O chá verde e suas ações como quimioprotetor. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, v. 26, n. 2. 2005, p. l 19-130.

11 SRIVASTAVA, J. et al. Chamomile: A herbal medicine of the past with a bright future (Review). Mol

Med Report. Author manuscript. 2010, p. 895-901.

12 MORADKHANI H. et al. Melissa officinalis L., a valuable medicine plant: A review. Journal of

Medicinal Plants Research Vol. 4(25). 2010, p. 2753-2759

13 Baur, J. A.; Sinclair, D. A. Therapeutic potencial of revesratrol: in vivo evidence. Nature Reviews drug

Discovery, 2006, 5, p 493-506.

14 PENNA, N. et al. Vinho e saúde: uma revisão. Infarma, v.16, n° 1-2. 2004, p. 64-67

15 BURNS, J. et al. Relationship among Antioxidant Activity, Vasodilation Capacity, and Phenolic Content of Red Wines. Journal of Agricultural and Food Chemistry. 2000, 48 (2), pp 220-230

16 PENNA, N. et al. ibid

17 STAVRIC, B. Role of chemopreventers in human diet. Clin. Bioch. v.27, p.319-332, 1994.

18 AUGUSTIN et al. Alcohol retention in food preparation. Journal of the American Dietetic Association, v. 92. (4). 1992, p. 486 - 488

19 ANVISA. Portaria n° 519, de 26 de junho de 1998. Aprova o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de "Chás - Plantas Destinadas à Preparação de Infusões ou Decocções", constante do Anexo desta Portaria. Disponível em:

<http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/394219/PORTA RIA_519_1998.pdf/0f05b918-ef72-41b3- 8dec-02dl944813be>. Acesso em: 19/10/2017