Login| Sign Up| Help| Contact|

Patent Searching and Data


Title:
DIFFERENTIAL-CYCLE HEAT ENGINE WITH FOUR ISOTHERMAL PROCESSES, FOUR ISOCHORIC PROCESSES WITH ACTIVE REGENERATOR AND CONTROL METHOD FOR THE THERMODYNAMIC CYCLE OF THE HEAT ENGINE
Document Type and Number:
WIPO Patent Application WO/2018/035588
Kind Code:
A1
Abstract:
The present invention relates to a heat engine and the eight-process thermodynamic cycle thereof, and more specifically to a thermal machine characterized by two interconnected thermodynamic subsystems, each operating a four-process thermodynamic cycle interdependently with the other, forming a complex cycle of eight processes, operating with gas, the circuit of this binary system being closed in a differential configuration, based on the concept of a hybrid thermodynamic system, also referred to as a binary thermodynamic system, this system carrying out a thermodynamic cycle comprising eight processes so that, at any moment of the cycle, same is running two simultaneous, complementary and interdependent processes, four of the processes being "isothermal" and four of the processes being "isochoric" with variable mass transfer, which may be zero or partial.

Inventors:
IOCKHECK, Marno (Rua Aborora, 471 - CJ. Residencial Mirante A Serra, -280 Curitiba - Paraná, 81550, BR)
MOURA, LUIS Mauro (Rua Urbano Lopes, 366 AP 901, -520 Curitiba - Paraná, 80050, BR)
FINCO, Saulo (Rua Pedro Viera Da Silva, 595 AP. 43-A, -570 Campinas - São Paulo, 13080, BR)
Application Number:
BR2017/000097
Publication Date:
March 01, 2018
Filing Date:
August 24, 2017
Export Citation:
Click for automatic bibliography generation   Help
Assignee:
ASSOCIAOS PARANAENSE DE CULTURA - APC (Rua Imaculada Conceição, n° 1155 Prado Velho, -901 - Curitiba - Paraná, 80215, BR)
International Classes:
F02G1/04; F02B41/00; F03G7/06; F25B27/00; F25B29/00
Domestic Patent References:
WO2015054767A12015-04-23
WO2005068805A12005-07-28
Foreign References:
US5265562A1993-11-30
US20100297936A12010-11-25
DE2342103A11975-03-20
US3830059A1974-08-20
CA2398532A12004-02-26
DE4336712A11994-04-28
JP5838902B22016-01-06
US5477688A1995-12-26
Attorney, Agent or Firm:
BRASIL SUL MARCA E PATENTES SC LTDA (Rua Fernandes De Barros, 1570 - Hugo Lange, -450 Curitiba - Paraná, 80040, BR)
Download PDF:
Claims:
REIVINDICAÇÕES

1) "MOTOR TÉRMICO", caracterizado por ser composto por dois subsistemas termodinâmicos, (31) e (37), configurando um sistema termodinâmico binário ou híbrido, sendo cada subsistema formado por uma câmara, (33) e (35), contendo gás de trabalho e cada uma destas duas câmaras sãoformadas por três subcâmaras, uma aquecida, (33 com 317) e (35 com 42), uma resfriada, (33 com 41) e (35 com 318), e outra isolada,(33 com 32) e (35 com 36), conectado a estas duas câmaras há um elemento de força motriz,(312), cada subsistema possui um regenerador ativo,(310) e (314),entre os subsistemas há um elemento de transferência de massa, (34), estes dois subsistemas executam simultaneamente cada um deles, um cicio de quatro processos interdependentes formando um ciclo termodinâmico diferencial, (82), único, de oito processos, sendo quatro deles isotérmicos, (a-b), (1 -2), (c-d) e (3-4), quatro isocóricos, (b-c), (2-3), (d-a) e (4-1), com transferência de massa variável.

2) "MOTOR TÉRMICO", de acordo com a reivindicação 1 , caracterizado por ser composto por duas câmaras,(33) e (35), cada câmara é dividida em três subcâmaras, uma subcâmara aquecida, (33 com 317) e (35 com 42), uma subcâmara resfriada, (33 com 41 ) e (35 com 318), e uma subcâmara isolada termicamente, (33 com 32) e (35 com 36), formando cada câmara, um subsistema, (31) e (37), e a junção destes dois subsistemas formam um sistema termodinâmico binário ou híbrido.

3) "MOTOR TÉRMICO", de acordo com a reivindicação 1 , caracterizado por possuir um elemento de força motriz, (312), conectado às duas câmaras de conversão termodinâmicas, (33) e (35).

4) "MOTOR TÉRMICO", de acordo com a reivindicação 1 , caracterizado por possuir um regenerador ativo, (310) e (314), em cada uma das câmaras.

5) "MOTOR TÉRMICO", de acordo com a reivindicação 1 , caracterizado por possuir um elemento de transferência de massa do gás de trabalho, (34), entre as câmaras. 6) "PROCESSO DE CONTROLE PARA O CICLO TERMODINÂMICO DO MOTOR TÉRMICO", particularmente para o controle do ciclo termodinâmico do motor térmico das reivindicações 1 a 5, caracterizado por um processo executado pelo sistema binário ou híbrido formando um ciclo termodinâmico diferencia! de oito processos termodinâmicos do motor,(82), sendo dois isotérmicos de alta temperatura, (a-b) e (1-2), dois isotérmicos de baixa temperatura, (c-d) e (3-4), dois isocóricos de abaixamento de temperatura com transferência de massa, (b-c) e (2-3), dois isocóricos de elevação da temperatura com recebimento de massa, (d-a) e (4-1 ),e dois processos adiabáticos do regenerador, (84) e (89).

7) "PROCESSO DE CONTROLE PARA O CICLO TERMODINÂMICO DO MOTOR TÉRMICO", de acordo com a reivindicação 6, caracterizadopor possuir um processo isotérmico de alta temperatura, (a-b), em um dos subsistemas o qual é executado simultaneamente a outro processo isotérmico de baixa temperatura, (3-4), no outro subsistema e um processo isotérmico de baixa temperatura, (c-d) no primeiro subsistema que é executado simultaneamente a outro processo isotérmico de alta temperatura, (1 -2), no segundo subsistema, compondo os quatro processos isotérmicos do ciclo.

8) "PROCESSO DE CONTROLE PARA O CICLO TERMODINÂMICO DO MOTOR TÉRMICO", de acordo com a reivindicação 6, caracterizadopor possuir um processo isocórico de abaixamento de temperatura e transferência de massa, (b-c), em um dos subsistemas o qual é executado simultaneamente a outro processo isocórico, (4-1), no segundo subsistema, sendo este segundo processo, de aumento da temperatura por meio da regeneração e este processo recebe a massa do processo de abaixamento da temperatura e um processo isocórico de elevação de temperatura, regenerativo com aumento de massa, (d-a), no primeiro subsistema, simultaneamente a um processo isocórico de abaixamento de temperatura, e transferência de massa, (2-3), do segundo subsistema, compondo os quatro processos isocóricos do ciclo.

9) "PROCESSO DE CONTROLE PARA O CICLO TERMODINÂMICO DO MOTOR TÉRMICO", de acordo com as reivindicações 6 e 8, caracterizado por possuir no cicio termodinâmico, dois processos de regeneração da energia - caíor (84) e (89), os quaissão executados pelos regeneradores ativos,(310) e (314), onde a energia - calor - é cedida durante os processos isocóricos de abaixamento de temperatura, (b-c) e (2-3), sendo armazenada no regenerador ativo e recebido, regenerado pelos processos isocóricos de aumento da temperatura, (d-a) e (4-1 ).

10) "PROCESSO DE CONTROLE PARA O CICLO TERMODINÂMICO DO MOTOR TÉRMICO", de acordo com as reivindicações 6, 8 e 9, caracterizadopor possuir no ciclo termodinâmico dois processos de armazenamento da energia, (89), executados pelos regeneradores, (310) e (314), para posterior regeneração, (84), através dos regeneradores ativos os quais absorvem a energia durante os processos isocóricos de abaixamento da temperatura, (b-c) e (2-3), através da expansão do gás interno do regenerador.

11) "PROCESSO DE CONTROLE PARA O CICLO TERMODINÂMICO DO MOTOR TÉRMICO", de acordo com as reivindicações 6, 8 e 9, caracterizado por possuir no ciclo termodinâmico dois processos de regeneração da energia, (84), executados pelos regeneradores ativos, (310) e (314), os quaisdevoívem a energia ao gás do motor durante os processos isocóricos de elevação da temperatura, (d-a) e (4-1 ), através da compressão do gás interno do regenerador.

Description:
"MOTOR TÉRMICO DE CICLO DIFERENCIAL COMPOSTO POR QUATRO PROCESSOS ISOTÉRMICOS, QUATRO PROCESSOS ISOCÓRICOS COM REGENERADOR AT1VO E PROCESSO DE CONTROLE PARA O CICLO TERMODINÂMICO DO MOTOR TÉRMICO"

CAMPO TÉCNICO DA INVENÇÃO

[001] Refere-se a presente invenção a um motor térmico e seu ciclo termodinâmico de oito processos, mais especificamente trata-se de uma máquina térmica caracterizada por dois subsistemas termodinâmicos interligados, cada um opera um ciclo termodinâmico de quatro processos, porém interdependentes entre si, formando um ciclo complexo de oito processos, opera com gás, o circuito deste sistema binário é fechado em configuração diferencial, baseado no conceito de sistema termodinâmico híbrido ou também pode ser chamado de sistema termodinâmico binário, este sistema realiza um ciclo termodinâmico composto por oito processos de forma que o mesmo executa em qualquer momento do ciclo, dois processos simultâneos e interdependentes, complementares, sendo quatro destes processos "isotérmicos" e quatro "isocóricos" com transferência de massa variável, podendo esta ser nula ou parcial.

ANTECEDENTES DA INVENÇÃO

[002] A termodinâmica clássica define três conceitos de sistemas termodinâmicos, o sistema termodinâmico aberto, o sistema termodinâmico fechado e o sistema termodinâmico isolado. Estes três conceitos de sistemas termodinâmicos foram conceituados no século XIX nos primórdios da criação das íeis da termodinâmica e fundamentam todos os ciclos motores conhecidos até o presente.

[003] O sistema termodinâmico isolado é definido como um sistema no qual nem matéria, nem energia passa através dele. Portanto, este conceito de sistema termodinâmico não oferece propriedades que permitam o desenvolvimento de motores.

[004] O sistema termodinâmico aberto é definido como um sistema termodinâmico em que energia e matéria podem entrar e sair deste sistema. São exemplos de sistema termodinâmico aberto os motores de combustão interna, de ciclo Otto, de ciclo Atkinson, semelhante ao ciclo Otto, de ciclo Diesel, de ciclo Sabathe, semelhante ao ciclo Diesel, de ciclo Brayton de combustão interna, de ciclo Rankine com exaustão do vapor ao ambiente. A matéria que entra nestes sistemas são os combustíveis e oxigénio ou fluido de trabalho ou gás de trabalho. A energia que entra nestes sistemas é o calor. A matéria que sai destes sistemas são a exaustão da combustão ou do fluído de trabalho, gases, resíduos, a energia que saí destes sistemas são a energia mecânica de trabalho e parte do calor dissipado.

[005] O sistema termodinâmico fechado é definido como um sistema termodinâmico em que apenas a energia pode entrar e sair deste sistema. São exemplos de sistema termodinâmico fechado, motores de combustão externa como o de ciclo Stirling, de ciclo Ericsson, de ciclo Rankine com fluido de trabalho em circuito fechado, de ciclo Brayton de calor ou de combustão externa, de ciclo Carnot.A energia que entra neste sistema é o calor. A energia que saí deste sistema são a energia mecânica de trabalho e parte do calor dissipado porém não sai matéria destes sistemas, como ocorrem no sistema aberto.

[006] Ambos os sistemas, aberto e fechado, como entrada eles possuem no tempo (t1) a temperatura (Tq), a massa (m1) e o número de mol (n 1) e na saída, no tempo (t2), ambos possuem a temperatura (Tf), a massa (m1) e o número de mol (n1), a massa é constante, a diferença entre ambos é que no sistema aberto a massa (m1) atravessa o sistema e no sistema fechado, a massa (m1) permanece no sistema, conforme a figura 1 .

ESTADO ATUAL DA TÉCNICA

[007] Os motores conhecidos até o presente são fundamentados em sistemas termodinâmicos aberto ou sistemas termodinâmicos fechado, eles possuem seus ciclos termodinâmicos compostos por uma série de processos sequenciais e independentes, e ocorre um único processo por vez até que o ciclo se complete, como pode ser observado no gráfico pressão/volume na figura 2. Assim são os motores de ciclo Otto, Atkinson, Diesel, Sabathe, Brayton, Rankine, Stirling, Ericsson e o ciclo teórico ideal de Carnot.

[008] A energia interna do gás de trabalho dos motores baseados nos sistemas aberto e fechado não é constante durante o seu ciclo, a equação que representa a energia interna é indicada na equação (a)

[009] Na equação (a), (LO representa a energia interna em "Joule", (ri) representa o número de mol, (R) representa a constante universal dos gases perfeitos, (7) representa a temperatura do gás em "Kelvin" e (y) representa o coeficiente de expansão adiabática.

[01 0] Como ocorre sempre um único processo por vez nos motores projetados com o conceito de sistema aberto ou fechado, a energia interna varia com o tempo, uma vez que o produto:número de moí (n) pela temperatura (7), (n. T) não é constantedurante o ciclo, pois a temperatura (7) é uma variável nos processos e o número de mol (n) é uma constante nos processos.

[01 1] O atua! estado da técnica que caracteriza todos os motores, é caracterizado ainda pela propriedade onde a saída do processo, o trabalho, é uma consequência direta da entrada da energia, calor ou combustão, ou seja, quando é necessário mais trabalho, injeta-se mais calor ou se promove mais combustão, todos os processos que formam o ciclo do motor são igualmente influenciados, em outras palavras, os motores são controlados peia alimentação direta. Por exemplo, nos motores de combustão interna, Otto, Diesel, Brayton, para se obter maior potência injeta-se mais combustível, mais oxigénio e assim se produz mais trabalho, mais rotação. Para se obter maior potência com rotação constante, normalmente utilizam-se caixas de redução ou transformação de rotação. Por analogia, tais tecnologias podem ser comparadas na eletricidade a motores de corrente contínua, estes, para aumentar a potência, aumenta-se a tensão de alimentação do motor.

[012] O atual estado da técnica compreende uma série de motores de combustão interna e de combustão externa, a maioria destes motores exigem um segundo motor auxiliar para leva-los a partir, ao funcionamento. Os motores de combustão interna exigem a compressão, mistura de combustível com o oxigénio e uma centelha ou combustão por pressão, desta forma um motor auxiliar de partida, normalmente elétrico, é utilizado. Os motores de combustão externa, como o de ciclo Stirling ou Ericsson por sua vez também exigem motores auxiliares e de alta potência, pois eles precisam vencer o estado de repouso sob pressão para entrar em operação. Uma exceção é o motor de ciclo Rankine, este pode partir através do comando de válvulas para fornecer a pressão do vapor aos elementos de força motriz.

[013] O atual estado da técnica compreende uma série de motores, a maioria deles, dependentes de condições muito específicas e especiais para operar, por exemplo, os motores de combustão interna, cada um deles exige seu combustível específico, controle fino de combustível, oxigénio e o tempo da combustão e em alguns casos exigem condições específicas inclusive de pressão, a flexibilidade no combustível é bem limitada. Nesta categoria, dos motores fundamentados nos sistemas aberto e fechado, o motor mais flexível é o de ciclo Rankine, de combustão externa ou o Stirling, também de combustão externa, estes são mais flexíveis quanto a fonte.

[014] O atual estado da técnica compreende uma série de cicio motores, a maioria exige combustão, isto é, a queima de algum tipo de combustível, e, portanto, a necessidade de oxigénio.

[015] O estado atual da técnica compreende uma série de ciclo motores, a maioria exige altas temperaturas para operação, os de combustão interna especialmente, costumam operar com o gás de trabalho em temperatura superiores a 1500 °C. Os motores de combustão externa ou operante por fontes de calor externas, como de cicio Rankine e Stirling, normalmente são projetados para operarem com temperaturas do gás de trabalho entre 400 °C e 800 °C. Além dos motores baseados nos sistemas aberto e fechado exigirem na maioria das vezes altas temperaturas para que possam operar, todos eles possuem suas eficiências limitadas ao teorema de Carnot, isto é, suas eficiências máximas dependem exclusivamente das temperaturas conforme definido pela equação (b).

[016] Na equação (b), (q) é o rendimento, (77) é a temperatura da fonte fria e (Tq) é a temperatura da fonte quente, ambas em "Kelvin".

[017] O estado atual da técnica, baseado nos sistemas aberto e fechado, compreende basicamente seis ciclos motores e algumas versões destes: o ciclo Otto, de ciclo Atkinson, semelhante ao ciclo Otto, de ciclo Diesel, de ciclo Sabathe, semelhante ao ciclo Diesel, de ciclo Brayton , de ciclo Rankine, de ciclo Stirling, de ciclo Ericsson e o de ciclo Carnot, referência teórica ideal para os motores fundamentados nos sistema aberto e fechado. As últimas novidades do estado atual da técnica vem sendo apresentadas através de inovações juntando-se mais de um ciclo antigo formando ciclos combinados, isto é: novos sistemas de motores compostos por uma máquina de ciclo Brayton operante com combustíveis de origem fóssil, gás ou óleo e uma máquina de ciclo Rankine dependente do calor rejeitado pela máquina de ciclo Brayton . Ou a mesma filosofia, unindo-se um motor de ciclo Diesel com um de ciclo Rankine ou ainda um motor de ciclo Otto, também unindo-o com um motor de ciclo Rankine.

[01 8] O estado atual da técnica apresenta uma série de limitações e oferece também uma série de problemas. A maioria dos motores, como os de combustão interna, de ciclo Otto, Atkinson, Diesel, Sabathe e Brayton, exigem combustíveis específicos para cada conceito, por exemplo: gasolina, óleo diesel, gás, querosene, carvão, e de alto poder calorífico, precisam trabalhar sob altas temperaturas e por consequência, durante muitos anos, vem dependendo de combustíveis fósseis, trazendo danos graves ao clima e meio- ambiente, isto é, são caracterizados pela não sustentabilidade. O sistema termodinâmico sob os quais estes motores são projetados traz como limitação de eficiência o teorema de Carnot o qual, em função de seu princípio, impõe o limite da eficiência como função direta e exclusiva das temperaturas, conforme equação (b).

[019] A maioria dos motores da atualidade exigem combustíveis refinados e poluentes com efeitos nocivos ao ciima, ao ambiente e, portanto, comprometem a sustentabilidade. Uma das mais recentes tecnologias desenvolvidas para minimizar o impacto, foi a junção de dois antigos conceitos de motores, o motor de ciclo Brayton e o motor de ciclo Rankine, formando um sistema composto por dois ciclos combinados, de forma tal que o rejeito de calor da primeira máquina é utilizado peia segunda máquina para melhorar a eficiência do conjunto, porém o uso de combustíveis fósseis e seus efeitos permanecem. O ciclo combinado continua a ser caracterizado por um motor sob conceito de sistema aberto e um motor sob o conceito de sistema fechado, independentes, ou seja, é classificado como sistema combinado, dois ciclos completamente independentes, não se caracteriza como sistema híbrido ou binário.

[020] Os demais motores, de ciclo Stirling e Ericsson, são motores sob o conceito de sistema fechado, são de combustão externa ou fonte de calor externo. Em função de suas propriedades, embora tenham os conceitos mais simples de motores, são difíceis de serem construídos. Exigem parâmetros de projetos casados, isto é, funcionam bem, com boa eficiência, apenas em seu regime específico de operação, temperatura, pressão, carga, fora do ponto central de operação suas eficiências caem bruscamente, ou não operam. Portanto são máquinas muito pouco utilizadas para uso industrial ou popular.

[021] O motor ideal de Carnot, figura 3, por sua vez, embora seja considerado o motor ideal, mais perfeito até o presente, ele o é na teoria e dentro dos conceitos de sistema aberto e fechado considerando todos os parâmetros ideais, por este motivo é a referência até hoje para todos os conceitos de motores existentes. O motor de Carnot não é encontrado no uso prático porque os materiais reais não possuem as propriedades exigidas para tornar o motor de Carnot uma realidade, as dimensões físicas para que o ciclo de Carnot possa ser executado como na teoria, seriam inviáveis em um caso prático, portanto ele é um Motor ideal nos conceitos de sistema aberto e sistema fechado, porém no conceito teórico.

[022] O controle de potência, rotação e torque, dos motores existentes, de ciclo Otto, Atkinson, Diesel, Sabathe, Brayton, estes de combustão interna, são decorrentes diretamente da alimentação de combustíveis e oxigénio e como resultado oferecem maior rotação e torque simultaneamente. Para haver separação entre o torque e a rotação, eles exigem caixas de velocidade. Estas máquinas não permitem controlabilidade, ou no mínimo, oferecem dificuldades na controlabilidade através de seus ciclos termodinâmicos.

[023] O controle de potência, rotação e torque, dos motores existentes de ciclo Rankine, este de combustão externa, são decorrentes da vazão e da pressão do vapor ou gás de trabalho, e como resultado oferecem variações interdependentes de rotação e torque simultaneamente, não há controlabilidade separada entre torque e rotação.

[024] O controle de potência, rotação e torque, dos motores existentes de ciclo Stiriing e Ericsson, estes de combustão externa, são decorrentes da massa ou pressão do gás de trabalho, das temperaturas, da geometria construtiva, e como resultado oferecem variações interdependentes de rotação e torque simultaneamente, não há controlabilidade separada entre torque e rotação. Estas máquinas possuem suas curvas de operação muito estreitas oferecendo baixa controlabilidade e uma faia estreita de operacionabilidade. Nestes casos são comuns projetos que não funcionam porque os parâmetros, nas suas interdependências podem não oferecer as condições que levam o motor a funcionar.

[025] O estado atual da técnica, recentemente revelou algumas referências que já se encontram com conceitos semelhantes do sistema híbrido ou binário, são motores que apresentam características de possuírem dois ciclos termodinâmicos interdependentes constituindo um ciclo complexo formado por oito processos, sempre com dois processos operando simultaneamente em um sistema formado por dois subsistemas integrados. A patente "PI 1000624-9" registrada no Brasil definida como "Conversor de energia termomecânico" é constituído por dois subsistemas que opera por meio de um ciclo termodinâmico formado por quatro processos isotérmicos e quatro processos isocóricos, sem regeneração. A patente "PCT/BR2013/000222" registrada nos Estados Unidos da América definida como "Máquina térmica que opera em conformidade com o ciclo termodinâmico de Carnot e processo de controle" a qual é constituída por dois subsistemas e opera em cada subsistema, um ciclo termodinâmico formado por dois processos isotérmicos de dois processos adiabáticos. A patente "PCT7BR2014/00038 Γ registrada nos Estados Unidos da América definida como "Máquina térmica diferencial com cicio de oito transformações termodinâmicas e processo de controle" a qual é constituída por dois subsistemas e opera um ciclo termodinâmico formado por quatro processos isotérmicos de quatro processos adiabáticos. Estas referências diferem da presente invenção quanto aos processos termodinâmicos que formam seus ciclos, cada ciclo oferece ao motor características próprias. O conceito de sistema termodinâmico híbrido ou binário oferece a base para o desenvolvimento de uma nova família de motores térmicos, cada motor terá características próprias conforme os processos e fases que constituem os seus respectivos ciclos termodinâmicos, como por exemplo, o motor Otto e o motor Diesel são motores fundamentados no sistema termodinâmico aberto de combustão interna, porém constituem motores distintos e o que os distingue são detalhes de seus ciclos termodinâmicos, o ciclo do motor Otto é constituído basicamente por um processo adiabático de compressão, um processo isocórico de combustão, um processo adiabático de expansão e um isocórico de exaustão e o ciclo do motor Diesel é constituído por um processo adiabático de compressão, um processo isobárico de combustão, um processo adiabático de expansão e um processo isocórico de exaustão, portanto eles diferem em apenas um dos processos que formam seus ciclos, o suficiente para conferir a cada um, propriedades e usos específicos e diferentes. Da mesma forma, o conceito de sistema híbrido ou binário oferece a base para uma nova família de motores térmicos constituídos por dois subsistemas e estes irão operar com ciclos ditos diferenciais formados por processos onde sempre ocorrerão dois processos simultâneos, cada um terá particularidades próprias as quais caracterizarão cada um dos ciclos-motores.

OBJETIVOS DA INVENÇÃO

[026] Os grandes problemas do estado da técnica são, portanto, a dificuldade das tecnologias atuais baseados nos sistemas aberto e fechado a atender projetos sustentáveis, em função da dependência de combustíveis fósseis, poluentes, com impactos graves ao ambiente e ao clima, baixa eficiência, limitada exclusivamente às temperaturas, demonstrado pelo teorema de Carnot, baixo nível de controlabilidade em função das limitações na variabilidade dos parâmetrosdos modelos fundamentadosnos sistemas termodinâmicos aberto e fechado, falta de flexibilidade quanto às fontes de energia, muitos exigem combustíveis refinados e específicos, alta dependência do ar (oxigénio) para combustão e muitos deles dependem de um segundo motor para leva-los à operação (um motor de partida).

[027] O objetivo da invenção se concentra em eliminar alguns dos problemas existentes e minimizar outros problemas, porém o maior objetivo foi em desenvolver novos ciclos-motores baseados em um novo conceito de sistema termodinâmico de forma que, a eficiência dos motores, não ficassem mais dependentes exclusivamente das temperaturas e cujas fontes de energia possam ser diversificadas e que permitisse projeto de motores para ambientes inclusive sem ar (oxigénio). O conceito de sistema híbrido ou binário, característica própria que fundamenta esta invenção, elimina a dependência da eficiência de forma exclusiva à temperatura, a eficiência de qualquer máquina térmica depende dos seus potenciais e de seus diferenciais de potenciais, enquanto que os sistemas aberto e fechado geram potenciais onde a massa do gás é constante e por este motivo elas se cancelam nas equações, os sistemas híbridos ou binários a massa não necessariamente é constante, portanto não se cancelam e as suas eficiências dependem dos potenciais dos quais se originam a força motriz, isto é, das pressões. O conceito de sistema híbrido proporciona potenciais dependentes, proporcionais ao produto da massa de gás de trabalho pela temperatura, como no sistema híbrido, diferente dos sistemas aberto e fechado, a massa é variável, a sua eficiência passa a ser uma função não exclusiva da temperatura, mas dependente da massa e para um motor de ciclo diferenciai composto por quatro processos isotérmicos, quatro processos isocóricos regenerativos a eficiência é demonstrada conforme apresentado na equação (c) e figura 4.

[028] Na equação (c), (q) é o rendimento, (Tf) é a temperatura da fonte fria, (Tq) é a temperatura da fonte quente ambas em "Kelvin", (n 1) é o número de moles do subsistema 1 , indicado pela região 21 da figura 4, (n2) é o n úmero de moles do subsistema 2, indicado peia região 23 da figura 4.

[029] A dependência de altas temperaturas da maioria dos motores do atual estado da técnica levam tambémà dependência de combustíveis com alto poder calorífico, dificultando o uso de fontes limpas as quais normalmente oferecem menor temperatura, O conceito de ciclo diferencial sob o sistema h íbrido, e fluido de trabalho cujos processos não obriguem a troca de fase física, elimina esta obrigatoriedade da dependência de altas temperaturas, O conceito diferencial onde o ciclo opera sempre dois processos por vez, (26 e 27) da figura 5 , simultaneamente e interdependentes, viabiliza máquinas que possam operar com baixas temperaturas e por consequência, as fontes limpas renováveis, como a termossoiar, geotermal, passam a ser plenamente viáveis e suas eficiências passam a ter a massa, ou número de moles, como mostrado na equação (c), como parâmetro para a obtenção de eficiências melhores, mesmo com diferenciais de temperatura relativamente baixos.

[030] Os principais ciclos termodinâmicos conhecidos, Otto, Atkinson , Diesel, Sabathe, Brayton, Stirling, Ericsson, Rankine e o ciclo ideal teórico de Carnot executam um único processo por vez sequencialmente, conforme mostrado na figura 2, referenciado ao ciclo mecânico dos elementos de força motriz, seu controle é uma função direta da alimentação da fonte de energia, por sua vez, os ciclos diferenciais do sistema híbrido ou binário, executam dois processos por vez, figura 5, viabilizando o controle do ciclo termodinâmico separado do ciclo mecânico, o ciclo pode ser modulado e desta forma o ciclo mecânico passa a ser uma consequência do ciclo termodinâmico e não mais o contrário. DESCRIÇÃO DA INVENÇÃO

[031 ] Os motores de ciclos diferenciais são caracterizados por possuírem dois subsistemas, formando um sistema híbrido ou binário, representado por (21 e 23) da figura 4, cada subsistema executa um ciclo referenciado ao outro subsistema de modo a executarem sempre dois processos simultâneos e interdependentes. De outra forma, considerando um sistema híbrido ou binário com propriedades dos sistemas aberto e do fechado simultaneamente, diz-se que o sistema executa um ciclo termodinâmico composto, figura 5, isto é, executa sempre dois processos por vez simultâneos (26 e 27) da figura 5, interdependentes, inclusive com transferência de massa. Portanto trata-se de motores e ciclos completamente distintos dos motores e ciclos baseados nos sistemas aberto ou fechado. Na figura 6 pode ser observada a relação entre o sistema híbrido ou binário e o ciclo termodinâmico diferencial.

[032] O conceito de sistema termodinâmico híbrido é novo, é caracterizado por um sistema binário, formado por dois subsistemas interdependentes e entre eles há troca de matéria e energia e ambos fornecem para fora de seus limites, energia em forma de trabalho e parte da energia em forma de calor dissipada. Este sistema termodinâmico foi criado no século XXI e oferece novas possibilidades para o desenvolvimento de motores térmicos.

[033] A presente invenção trás evoluções importantes para a conversão de energia térmica em mecânica seja esta para uso em geração de energia ou outro uso, como força mecânica para movimentação e tração. Algumas das principais vantagens que podem ser constatadas são: a total flexibilidade quanto à fonte da energia (calor), a independência de atmosfera, não necessita de atmosfera para que um motor do ciclo diferencial possa operar, a flexibilidade quanto às temperaturas, o motor de ciclo diferencial pode ser projetado para funcionar em uma faixa muito extensa de temperatura, bem superior à maioria dos motores fundamentados nos sistemas aberto e fechado, inclusive, um motor de ciclo diferencial pode ser projetado para funcionar com ambas as temperaturas abaixo de zero grau Celsius, basta que as condições de projeto promovam a expansão e contração do gás de trabalho e basta que os materiais escolhidos para a sua construção tenham as propriedades para executar as suas funções operacionais nas temperaturas de projeto. Outras vantagens importantes que distinguem o motor de ciclo diferencial fundamentado no sistema híbrido ou binário é a sua controlabilidade em função da facilidade na modulação dos processos termodinâmicos e em projetos de motores que dispensam o uso de motores de partida, ou no mínimo, estes seriam de pequeno porte, em função da facilidade de gerar um torque por meio do diferencial de forças propiciado pelo sistema formado por duas câmaras de conversão, isto é, dois subsistemas. Portanto as vantagens constatadas abrangem a flexibilidade das fontes, promovendo o uso de fontes limpas e renováveis como as vantagens operacionais, podendo operar teoricamente em quaisquer faixas de temperatura e sua propriedade de controle da rotação e torque.

[034] O motor de ciclo diferencial baseado no conceito de sistema híbrido ou binário mostrados pelas figuras 7 a 13, poderá ser construído com materiais e técnicas semelhantes aos motores convencionais e motores de ciclo Stirling, como se trata de um motor que trabalha com gás em circuito fechado, considerando o sistema completo, isto é, o sistema completo é formado por dois subsistemas termodinâmicos integrados, 31 e 37, configurando um sistema termodinâmico binário ou híbrido, cada subsistema é formado por uma câmara, 33 e 35, contendo gás de trabalho e cada uma destas, são formadas por três subcâmaras, uma aquecida, 33 com 317 e 35 com 42, uma resfriada, 33 com 41 e 35 com 318, e outra isolada, 33 com 32 e 35 com 36, conectado a estas duas câmaras há um elemento de força motriz, 312, cada subsistema possui um regenerador ativo, 310 e 314, entre os subsistemas há um elemento de transferência de massa, 34, portanto os subsistemas são abertos entre si, entre o sistema completo e o meio externo, é considerado fechado, estes dois subsistemas executam simultaneamente cada um deles, um ciclo de quatro processos interdependentes formando um ciclo termodinâmico diferencial, 82, único, de oito processos, sendo quatro deles isotérmicos, (a-b), (1 -2), (c-d) e (3-4), quatro isocóricos, (b-c), (2-3), (d-a) e (4-1 ), com transferência de massa variável. Este conceito em circuito fechado de gás de trabalho com relação ao meio externo indica que o sistema deve ser vedado, ou em alguns casos, vazamentos podem ser admitidos, desde que compensados. Materiais adequados para esta tecnologia devem ser observados, são semelhantes, neste aspecto, às tecnologias de projeíos de motores de ciclo Stirling. O gás de trabalho depende do projeto, de sua aplicação e dos parâmetros utilizados, o gás poderá ser vários, cada um proporcionará particularidades específicas, como exemplo pode ser sugerido os gases: hélio, hidrogénio, nitrogénio, ar seco, neon, entre outros.

[035] As câmaras de conversão, itens que caracterizam o sistema híbrido ou binário, poderão ser construídas com diversos materiais, dependendo das temperaturas de projeto, do gás de trabalho utilizado, das pressões envolvidas, do ambiente e condições de operação. Estas câmaras possuem cada uma, três subcâmaras e estas devem ser projetadas observando a exigência de isolamento térmico entre si para minimizar o fluxo de energia a partir das áreas quentes para as frias, esta condição é importante para a eficiência geral do sistema. Estas câmaras possuem internamente elementos que movimentam o gás de trabalho entre as subcâmaras quente, fria, e isoladas, estes elementos podem ser de diversas formas geométricas, depende da exigência e dos parâmetros do projeto, poderá, por exemplo, ser em forma de discos, em forma cilíndrica ou outra que permita a movimentação do gás de trabalho de forma controlada entre as subcâmaras. [036] O elemento de transferência de massa, 34, interliga as duas câmaras, 33 e 35, este elemento é o responsável pela transferência de parte da massa de gás de trabalho entre as câmaras que ocorre em momento específico durante os processos isocóricos. Este elemento poderá ser projetado de várias formas dependendo das exigências do projeto, poderá operar pela simples diferença de pressão, isto é em forma de válvula, ou poderá operar de modo forçado, por exemplo, em forma de turbina, em forma de pistões ou em outra forma geométrica que lhe permita executar a transferência de massa de parte do gás de trabalho,

[037] Os regeneradores ativos, 310 e 314, operam com um gás de trabalho específico e este gás armazena a energia do gás do motor durante os processos isocóricos de abaixamento de temperatura através da expansão interna, 89, e regenera, 84, isto é, devolve esta energia para o gás do motor durante os processos isocóricos de elevação da temperatura através da compressão. Este regenerador é chamado de regenerador ativo por realizar o seu processo de regeneração dinamicamente através de elementos mecânicos móveis e de um gás de trabalho próprio, diferentemente dos regeneradores conhecidos, passivos, os quais operam através de troca térmica entre o gás e um elemento estático, operante por condução de calor entre o gás o seu corpo.

[038] O elemento de força motriz, 312, é o responsável por executar o trabalho mecânico e disponibilizá-lo para usos. Este elemento de força motriz opera pelas forças do gás de trabalho do motor, este elemento poderá ser projetado de várias formas, dependendo das exigências de projeto, poderá, por exemplo, ser em forma de turbina, em forma de pistões com cilindro, bielas, virabrequins, em forma de diafragma ou em outra forma que permita a realização de trabalho a partir das forças do gás durante as conversões termodinâmicas.

DESCRIÇÃO DOS DESENHOS

[039] As figuras anexas demonstram as principais características e propriedades dos conceitos antigos das máquinas térmicas e as inovações propostas baseadas no sistema híbrido ou binário, as quais estão assim reiacionadas:

A figura 1 representa o conceito de sistema termodinâmico aberto e o conceito de sistema termodinâmico fechado;

A figura 2 representa a característica de todos os ciclos termodinâmicos fundamentados nos sistemas aberto e fechado;

A figura 3 mostra a ideia original da máquina térmica de Carnot, conceituada em 1824 por Nicolas Sadi Carnot;

A figura 4 representa o conceito de sistema termodinâmico híbrido ou binário;

A figura 5 representa a característica dos ciclos termodinâmicos diferenciais fundamentados no sistema híbrido ou binário;

A figura 6 mostra o sistema termodinâmico híbrido ou binário e um ciclo termodinâmico diferencial e o detalhe dos dois processos termodinâmicos que ocorrem simultaneamente;

A figura 7 mostra o modelo mecânico constituído pelos dois subsistemas termodinâmicos que formam um motor térmico sob o conceito de sistema híbrido ou binário e seu regenerador ativo;

A figura 8 mostra c motor indicando a fase em que um dos regeneradores, elemento 310, equaliza a sua temperatura à temperatura da fonte quente;

A figura 9 mostra o motor indicando a fase em que o segundo regenerador, elemento 314, equaliza a sua temperatura à temperatura da fonte quente;

A figura 10 mostra um dos subsistemas, grupo 31 , realizando o processo isotérmico de alta temperatura do ciclo termodinâmico e o segundo subsistema, grupo 37, realizando o processo isotérmico de baixa temperatura do cicio termodinâmico;

A figura 1 1 mostra um dos subsistemas, grupo 31 , realizando o processo isocórico de abaixamento da temperatura, do ciclo termodinâmico e o segundo subsistema, grupo 37, realizando o processo isocórico de levantamento da temperatura do ciclo termodinâmico;

A figura 12, mostra por sua vez, o primeiro subsistema, grupo 31 , realizando o seu processo isotérmico de baixa temperatura do ciclo termodinâmico e o segundo subsistema, grupo 37, realizando o processo isotérmico de alta temperatura do ciclo termodinâmico;

A figura 13 mostra primeiro subsistema, grupo 31 , realizando o processo isocórico de levantamento da temperatura, do ciclo termodinâmico e o segundo subsistema, grupo 37, realizando o processo isocórico de abaixamento da temperatura do ciclo termodinâmico;

A figura 14 mostra o ciclo termodinâmico ideal do regenerador ativo;

A figura 15 mostra o detalhe do ciclo termodinâmico de um dos subsistemas e o ciclo termodinâmico no processo de transferência de calor para o seu respectivo regenerador ativo;

A figura 16 mostra o detalhe do ciclo termodinâmico de um dos subsistemas e o ciclo termodinâmico no processo de regeneração do calor por parte de seu respectivo regenerador ativo;

A figura 17 mostra o ciclo termodinâmico diferencial ideal composto por dois processos isotérmicos de alta temperatura, dois processos isotérmicos de baixa temperatura dois processos isocóricos de abaixamento de temperatura, transferência de calor, dois processos isocóricos de elevação de temperatura, regeneração de calor, e os processos termodinâmicos do regenerador ativo;

A figura 18 mostra um exemplo de aplicação do motor para uma planta geradora de eietricidade tendo como fonte primária a energia geotermal;

A figura 19 mostra um exemplo de aplicação do motor para uma planta geradora de eietricidade tendo como fonte primária a energia termossolar.

DESCRIÇÃO DETALHADA DO INVENTO

[040] O motor de ciclo diferencial constituído por dois processos isotérmicos de alta temperatura, dois processos isotérmicos de baixa temperatura, dois processos isocóricos de transferência de calor, dois processos isocóricos de regeneração de calor com regenerador ativo é fundamentado em um sistema termodinâmico híbrido, ou também pode ser denominado de sistema termodinâmico binário por possuir dois subsistemas termodinâmicos interdependentes os quais cada um realiza um ciclo termodinâmico que interagem-se entre si, podendo trocar calor, trabalho e massa conforme é representado na figura 4. Em 22, da figura 4, é mostrado o sistema híbrido ou binário, composto por dois subsistemas indicados por 21 e 23.

[041] Na figura 6 é mostrado novamente o sistema termodinâmico híbrido ou binário e o ciclo termodinâmico diferencial, detalhando, neste caso os processos isotérmicos, que quando em um dos subsistemas, no tempo (t1 ) o ciclo opera com massa (m1 ), número de mol (n1 ) e temperatura (Tq), neste mesmo instante, simultaneamente, no outro subsistema, o ciclo opera com massa (m2), número de mol (n2), temperatura (Tf). Em uma máquina baseada em um sistema híbrido ou binário, composto por dois subsistemas, a soma da massa de gás de trabalho é sempre constante (m1 + m2 = cte), porém não necessariamente são constantes nos seus respectivos subsistemas, entre eles pode haver troca de massa.

[042] Na figura 7 é mostrado o modelo de motor baseado no sistema híbrido ou binário, contendo dois subsistemas indicado por 31 e 37. Cada subsistema possui sua câmara de conversão termomecânica, 33 e 35, um elemento de força motriz, 312, um regenerador ativo, 310 e 314, seus eixos de transmissão, respectivamente, 38, 39, 31 1 e 313, 315, 316. Fazendo conexão entre os subsistemas para os processos de transferência de massa, há um elemento de transferência de massa 34.

[043] Na figura 8 e figura 9 é mostrado o processo responsável por gerar o estado inicial de operação dos regeneradores, 310 e 314. No estado inicial de operação, os regeneradores são, ambos, levados à equalizar-se com a temperatura da fonte quente (Tq). Na figura 8, enquanto um dos subsistemas, 31 , realiza sua isotérmica de alta temperatura, seu respectivo regenerador é pressurizado por força mecânica através das transmissões, 38, 39 e 31 1 , equalizando-se com a temperatura do gás de trabalho do subsistema 31 em (Tq), mostrado no gráfico da figura 14 no trajeto indicado em 71. Na figura 9, enquanto o segundo subsistema, 37, realiza sua isotérmica de alta temperatura, seu respectivo regenerador é pressurizado por força mecânica através das transmissões, 316, 315 e 313, equalizando-se com a temperatura do gás de trabalho do subsistema 37 em (Tq), mostrado também no gráfico da figura 14 no trajeto indicado em 71.

[044] As figuras 10, 1 1 , 12 e 13 mostram como ocorrem mecanicamente os oito processos, quatro isotérmicos e quatro isocóricos com transferência de massa e com regeneração do calor. Na figura 10, o subsistema 31 expõe o gás de trabalho à fonte quente, na temperatura (Tq), indicado em 317, este subsistema executa o processo isotérmico de alta temperatura e simultaneamente o subsistema indicado por 37 expõe o gás de trabalho à fonte fria, na temperatura (Tf), indicado em 318, e neste instante, simultaneamente, este subsistema executa o processo isotérmico de baixa temperatura. Estes processos se alternam ente os subsistemas, conforme mostrado na figura 12. Após finalização dos processos isotérmicos, na figura 1 1 e 13são mostrados como os subsistemas processam os seus respectivos processos isocóricos com ou sem transferência de massa e com regeneração, após o subsistema 31 finalizar seu processo isotérmico de alta temperatura, o gás é exposto a uma região isolada termicamente, indicado por 32, o gás, inicialmente na temperatura quente (Tq), cede calor para o regenerador 310 o qual parte do estado quente, expande o gás interno até retirar o calor do gás de trabalho e seu próprio, até atingir a temperatura fria (Tf) através da expansão do gás, transferindo a energia para seu eixo em forma de energia mecânica, simultaneamente, parte do gás de trabalho do subsistema 31 , com pressão maior, é transferido para o subsistema 37 em pressão menor através do elemento de transferência de massa indicado em 34, conclui-se assim o processo isocórico de abaixamento da temperatura do subsistema 31 , simultaneamente, o subsistema 37 recebe parte da massa de gás de trabalho do subsistema 31 , e ocorre também, simultaneamente a regeneração do calor do regenerador 314, levando o gás da temperatura fria (Tf) para a temperatura quente através da pressurização do gás interno do regenerador peia energia mecânica nos eixos obtida no processo de expansão, finalizando o processo isocórico de regeneração. E o subsistema 37 passa a ter massa maior que o subsistema 31.

[045] O gráfico da figura 14 esclarece como o regenerador ativo funciona, a curva indicada por 71 mostra o processo inicial para condicionar a operacíonabilidade do regenerador, a curva indicada por 72 mostra o processo do regenerador em operação com o ciclo do motor, ocorre alternadamente e sequencialmente a transferência de calor do gás do motor para o regenerador, este saindo da temperatura quente (Tq) para a temperatura (Tf) e a regeneração quando o processo ocorre ao contrário, partindo da temperatura (Tf) para a temperatura (Tq). Estes processos sempre ocorrem durante as isocóricas do ciclo do motor.

[046] A curva 71 da figura 14 é um processo adiabático e sua energia na unidade (Joule) é representada pela seguinte expressão:

[047] Esta energia (W 71 ) é a energia interna do gás do próprio regenerador que permanece internamente durante todo o tempo em que o motor estará funcionando.

[048] A curva 72 da figura 14 também é um processo adiabático e sua energia na unidade (Joule) é representada pela seguinte expressão:

[049] O primeiro termo da energia (W72) é a própria energia interna do gás mostrado por e permanece indefinidamente no regenerador, o segundo

termo, é a energia das adiabáticas do ciclo do motor nos processo isocóricos.

[050] O processo termodinâmico da curva 72 da figura 14 ocorre nas condições mostradas nos desenhos mecânicos das figuras 1 1 e 13.

[051 ] A figura 15 mostra em 73 os processos que formam o ciclo de um dos subsistemas. O processo (b-c) do cicio mostrado em 73 é isocórico e inicia no ponto (b) a volume constante na temperatura quente (Tq), com (n1) mo! de gás e segue para o ponto (c), transferindo parte da massa de gás, equivalente a (n1 —n2) mol de gás para o outro subsistema e transferindo seu calor (energia) para o regenerador, chegando ao ponto (c) na temperatura fria (Tf) e com (n2) mol de gás. O gráfico 75 mostra o processo em que o regenerador retira o calor do gás do subsistema, através da expansão do gás interno do regenerador ativo.

[052] A figura 16 mostra em 77, simultaneamente ao ciclo mostrado na figura 15, os processos que formam o ciclo do outro subsistema que compreende o conceito do motor formado por dois subsistemas interdependentes. O processo isocórico (b-c) mostrado na figura 15 no primeiro subsistema é de abaixamento da temperatura do gás, a sua energia é transferida ao regenerador ativo, simultaneamente ocorre no segundo subsistema um processo isocórico (4-1 ) de crescimento da temperatura, mostrado na figura 16, a massa de gás equivalente a (n 1 - n2) mol de gás do primeiro subsistema é transferido a partir do ponto (b), mostrado em 73, para o segundo subsistema o qual inicia este processo isocórico com (n2) mol de gás em (4) e chega com (n1) mol de gás em (1 ) na temperatura quente (Tq) recebida da energia armazenada do regenerador ativo, cuja curva de seu processo está indicada em 76.

[053] A figura 17 mostra o ciclo diferencialideal do motor,de oito processos, completo, baseado no conceito de sistema termodinâmico híbrido ou binário, onde sempre ocorrem dois processos simultâneos no motor, exemplificado pelas indicações 86 e 88, até formar o ciclo completo de oito processos e ciclos de dois processos em cada um dos dois regeneradores ativos. Em 82, a sequência (1 -2-3-4-1 ) mostra os processos de um dos subsistemas que formam o ciclo do motor, a sequencia (a-b-c-d-a) mostra os processos do outro subsistema, em 81 são mostrados os processos de um dos regeneradores ativos, em 83 são mostrados os processos do outro regenerador ativo.

[054] Na figura 17, em 82. A curva indicada por 87 mostra os processos (a-b- c-d-a) de um dos subsistemas, o processo (a-b) é isotérmico de a!ta temperatura onde ocorre a entrada de energia no sistema, ocorre simultaneamente com o processo isotérmico de baixa temperatura (3-4) por onde ocorre o descarte da energia não utilizada, da curva indicada por 85 do outro subsistema. O processo (b-c) é isocórico de abaixamento de temperatura, ocorre simultaneamente com o processo (4-1 ), também isocórico, porém de aumento da temperatura, no processo (b-c) ocorre a transferência de calor (energia) do gás do motor para o regenerador cujo ciclo é mostrado em 83, num processo adiabático indicado na curva 89, simultaneamente no processo (4-1 ) ocorre a regeneração do calor (energia) para o gás do motor recebida do regenerador cujo ciclo é mostrado em 81 , também num processo adiabático indicado na curva 84, simultaneamente ainda, durante os processo isocóricos do ciclo do motor e durante os processo adiabáticos dos regeneradores ativos, ocorre a transferência de massa, saindo (n 1 - n2) mol de gás no processo (b- c), para o outro subsistema durante o processo isocórico (4-1 ), mostrado no detalhe 78do gráfico 77 na figura 16. Os processos (2-3) e (d-a) são idênticos aos processos (b-c) e (4-1 ). O processo (c-d) é isotérmico de baixa temperatura e ocorre simultaneamente ao processo (1 -2), isotérmico de alta temperatura. O processo (d-a) é isocórico de aumento de temperatura (regeneração), com incremento de massa e ocorre simultaneamente ao processo (2-3) isocórico de redução de temperatura (transferência de calor ao regenerador), com redução de massa, finalizando assim o ciclo termodinâmico com oito processos do motor, sempre dois simultâneos e os ciclos dos dois regeneradores ativos, cada um com dois processos adiabáticos. A soma da massa de gás de trabalho dos dois subsistemas que formam o motor é sempre constante.

[055] Nas câmaras de conversão do motor, os processos isotérmicos do ciclo do motor (1 -2), (a-b), (3-4) e (c-d) são realizados com o gás confinado em uma geometria que favoreça a transferência de calor entre o gás e os elementos quentes e frios. Esta geometria deve ser caracterizada por baixa profundidade para a trajetória do fluxo de calor no gás e por um rápidodeslocamento, transição, do gás de trabalho entre as câmaras quentes, frias e isoladas. A geometria das câmaras de conversão e gases com difusividade térmica elevadafavorecem a realização dos processos isotérmicos e a velocidade do deslocamento do gás, transição, quanto mais elevada for esta velocidade, menor tempo de transição, melhor definidos serão os processos que formam o ciclo termodinâmico. Os processos isocóricos do ciclo do motor (2-3) e (b-c) são realizados com o gás em uma região isolada termicamente ou na transição entre as áreas quentes e frias do motor, e neste processo o regenerador em contato térmico com o gás de trabalho realizará uma expansão rápida, adiabática, transferindo a energia do gás para os elementos mecânicos do regenerador, armazenando a energia ern forma de energia cinética e nos processos isocóricos do ciclo do motor (4-1 ) e (d-a) são realizados também com o gás em uma região isolada termicamente ou na transição entre as áreas quentes e frias do motor, e neste processo o regenerador em contato térmico com o gás de trabalho realizará uma compressão rápida, adiabática, transferindo a energia cinética de seus elementos de volta para o gás do motor, elevando sua temperatura, concluindo a regeneração.

[056] A tabela 1 mostra processo por processo que formam o ciclo diferencial de oito processos do motor térmico mostrados passo a passo, com quatro processos isotérmicos, quatro processos isocóricos e o ciclo termodinâmico com dois processos adiabáticos do regenerador ativo e etapas de transferência de massa.

[057] Este ciclo diferencial de um motor composto por dois subsistemas baseado no conceito de sistema híbrido ou binário, cuja curva da pressão e do volume é indicado na figura 17, possui oito processos, dois processos isotérmicos de alta temperatura de entrada de energia no sistema, curvas (1-2) e (a-b) são representadas pelas expressões (f) e (g), dois processos isotérmicos de baixa temperatura de descarte da energia não utilizada, curvas (3-4) e (c-d) representados pelas expressões (h) e (i), dois processos isocóricos de transferência de calor (2-3) e (b-c) por meio de um regenerador ativo, representados pelas expressões (j) e (k), dois processos isocóricos de regeneração de caíor (4-1) e (d-a), representados pelas expressões (I) e (m). As expressões consideram o sinal do sentido do fluxo das energias.

[058] O total de energia de entrada no motor é a soma das energias ) e é representada pela expressão (n) abaixo.

[059] O total de energia descartada para o meio exterior é a soma das energias e na sua forma positiva, é representada peia expressão

(o) abaixo. [060] O trabalho útil total do motor, considerando um modelo ideal sem perdas, é a diferença entre a entrada e a saída da energia e é representado pela expressão (p) abaixo.

[061 ] Os processos isocóricos, mostrados pelas expressões (j), (k), (I) e (m) são regenerativos, a energia é transferida no processo de abaixamento de temperatura e regenerada nos processos de aumento da temperatura, isto é, a energia se conserva nos subsistemas.

[062] A demonstração final teórica da eficiência do ciclo diferencial de oito processos, quatro processos isotérmicos, quatro processos isocóricos com transferência de massa e regenerador ativo é dada pela expressão (q) abaixo, caracterizando que os ciclos diferenciais baseados no sistema termodinâmico híbrido ou binário possuem como parâmetro da eficiência, também o número de moles ou massa nos processos e portanto estes ciclos não possuem suas eficiências dependentes exclusivamente das temperaturas..

EXEMPLOS DE APLICAÇÕES

[063] Os motores de ciclo diferenciais baseados no sistema híbrido ou binário operam com calor, não exigem combustão, embora possa ser utilizada, não exige queima de combustíveis, embora possa ser utilizada, portanto podem operar em ambientes com ou sem atmosfera. O ciclo termodinâmico não exige troca de fase física do gás de trabalho. Pelas suas propriedades expostas nesta descrição, os motores de ciclo diferenciais podem ser projetados para operar em uma larga faixa de temperatura, superiores à maioria dos ciclos motores existentes baseados nos sistema aberto ou fechado. Os motores de ciclo diferenciais são totalmente flexíveis quanto à fonte da energia (calor), na figura 18 é mostrado uma aplicação para o emprego do motor de ciclo diferencial para a geração de energia a partir de fontes geotermais. A figura 18 mostra um sistema de transferência de calor do solo 96 para um coletor 94, formado basicamente por uma bomba 97 que injeta um fluido, normalmente água, pelo duto 93. O calor no coletor 94 é transferido para o motor de ciclo diferencial 91 , o qual descarta parte da energia para o meio externo através do trocador de calor 95 e converte outra parte da energia em trabalho, operando um gerador 92 o qual produz eletricidade.

[064] A figura 19 mostra outra aplicação útil para o motor de ciclo diferencial para a produção de energia a partir do calor do sol. Os raios solares são coletados através do concentrador 103, a energia (calor) é transferida para o elemento 104 o qual direciona o calor para o motor de ciclo diferencial 101 , este converte parte da energia em trabalho útil para operar um gerador de eletricidade, 102, parte da energia é descartada ao meio externo através do trocador 105.