Login| Sign Up| Help| Contact|

Patent Searching and Data


Title:
TECHNICAL ARRANGEMENT APPLIED TO A MODULAR LADDER
Document Type and Number:
WIPO Patent Application WO/2018/161132
Kind Code:
A1
Abstract:
The present utility model patent relates to the technical arrangement applied to a modular ladder preferably made of natural or anodized aluminium tubular profiles and formed by a base module, intermediate modules and a final or support module, being characterized in that it can be used as a lean-to ladder that rests on flat floors or irregular floors, and in that a variable number of intermediate modules are provided, said modules having height-adjustment devices, both for flat floors and irregular floors or surfaces situated on different levels, as well as being easy to transport or drag using the base module as a trolley.

Inventors:
ALVES DA ROCHA, Rubens (Rua Ministro Roberto Cardoso Alves n. 284, Bairro Santo Amaro, CEP: -020 - São Paulo - SP, 04737, BR)
Application Number:
BR2017/000028
Publication Date:
September 13, 2018
Filing Date:
March 08, 2017
Export Citation:
Click for automatic bibliography generation   Help
Assignee:
ALVES DA ROCHA, Rubens (Rua Ministro Roberto Cardoso Alves n. 284, Bairro Santo Amaro, CEP: -020 - São Paulo - SP, 04737, BR)
International Classes:
E06C1/10; E06C1/383
Foreign References:
BRMU8501385U2007-02-27
BR9002558U2
BR9702788A1999-03-09
BR7100428U1992-11-03
Attorney, Agent or Firm:
IBAÑEZ FAUNDEZ, Nelson Ivan Arnaldo (Av. Interlagos 871, Bloco 03 Apto 133,Jardim Umuarama, CEP: -100 - São Paulo - SP, 04661, BR)
Download PDF:
Claims:
REIVINDICAÇÔES

1) "DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM ESCADA MODULAR", (1), corresponde a escada fabricada preferencialmente em perfis tubulares de alumínio natural ou anodizado e destinada para o campo dos utensílios de trabalho, mais especificamente o campo das escadas modulares, sejam para uso profissional ou residencial visando outorgar mais segurança aos usuários, além de facilitar o transporte e o acoplamento dos diferentes módulos, sendo caracterizada por ser constituída por módulo base (2), módulos intermediários (3) e módulo final (4) ou de apoio.

2) "DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM ESCADA MODULAR" (1), de acordo com a reivindicação de número um caracterizada por disponibilizar módulos intermediários, (3), em número variável, providos com dispositivos de regulagem de altura, para uso tanto em pisos planos quanto para pisos irregulares ou superfícies dispostas em patamares diferentes.

3) "DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM ESCADA MODULAR", (1), de acordo com a reivindicação de número um caracterizada porque o módulo base (2) é formado por duas longarinas ou perfis tubulares externos (5) de secção retangular, duas longarinas ou perfis tubulares internos (6), também de secção retangular, duas travessas tubulares cilíndricas (7) dotadas de nervuras longitudinais e dispostas a intervalos regulares, rodízios giratórios (8), botão de pressão (9) e alojamento interno, bem como de terminais antiderrapantes (10) em todas as extremidades, sejam estas providas com rodízios fixos (11) ou giratórios (8).

4) "DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM ESCADA MODULAR", (1), caracterizada de acordo com a reivindicação de número um e três porque as extremidades providas com rodízios giratórios (8) são reguláveis e inclusive removíveis para facilitar a regulagem de altura, disponibilizando até dez ou mais posições de regulagem, as quais são formadas por orifícios (12) posicionados na face lateral externa do perfil externo (5). 5) "ESCADA MODULAR", (1), caracterizada de acordo com a reivindicação de número um e três porque cada perfil interno (6) possui rebaixo ( 13) semi circular posicionado na extremidade superior facilitando a inserção no perfil externo (5) com a finalidade de se apoiar nas travessas tubulares cilíndricas (7) passantes dentro do perfil externo (5), e travando-se assim que o perfil interno (6) encostar na travessa (7).

6) "DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM ESCADA MODULAR*, (1), caracterizada de acordo com a reivindicação de número um, três e cinco porque, para complementar o travamento descrito, o perfil externo (5) dispõe de orifício (14) de travamento posicionado numa distância prefixada para que o rebaixo (13) semicircular do perfil interno, ao encostar na travessa tubular cilíndrica (7), complemente o travamento.

7) "DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM ESCADA MODULAR", (1), caracterizada de acordo com a reivindicação de número um, três e quatro porque o perfil externo (5) é provido, nas extremidades de cada perfil, com rodízios fixos (11) e alças (15) passantes fixadas com porcas, botão de pressão (9) e alojamento, bem como terminais anti-derrapantes (10), são fixados, imediatamente ao lado dos terminais antiderrapantes (10), por meio de suporte de ferro chato tipo "U" (16) de base reta e dotado de furacões, de forma a permitir a passagem e fixação por meio de porcas do engate tubular sólido (17) de aço tipo "U" provido de roscas nas extremidades para colocação das porcas (18) de fixação do suporte de ferro chato (16).

8) "DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM ESCADA MODULAR", (1), caracterizada de acordo com a reivindicação de número um e três porque para facilitar a inserção dos perfis internos (6) nos perfis externos (5), estes dispõem de sobressaliência (19) côncava, com percurso em declive para facilitar a introdução do botão de pressão (9), o qual e na medida que está sendo inserido até ficar em nível com a face interna do perfil interno (6).

9) "DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM ESCADA MODULAR'1, (1 ), caracterizada de acordo com a reivindicação de número um porque o módulo base (2) permite seu uso como cairo de transporte, sendo que neste caso, permanece com seus rodízios, giratórios (8) e fixos (11), apoiados sobre o piso para que os demais componentes, módulos intermediários (3) e final (4), sejam acomodados e empilhados sobre o mesmo e posteriormente amarrados e presos.

10 ) "DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM ESCADA MODULAR", (1), caracterizada de acordo com a reivindicação de número um porque cada módulo intermediário (3) é formado por dois perfis tubulares externos (5) de secção retangular, dois perfis tubulares internos (6), também de secção retangular, sendo que os perfis tubulares internos (6) são inseridos e travados nos perfis tubulares externos (5).

11 ) "DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM ESCADA MODULAR", (1), caracterizada de acordo com a reivindicação de número um e nove porque cada perfil tubular interno (6) dispõe de rebaixos semicirculares (13) dispostos em cada uma de suas extremidades, sendo provido com duas travessas tubulares cilíndricas (7) dotadas de nervuras longitudinais,

12) "DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM ESCADA MODULAR", (1), caracterizada de acordo com a reivindicacão de número um, nove e dez porque os perfis internos (6) possuem furacão de diâmetro igual ao das travessas tubulares cilíndricas (7) dotadas de nervuras longitudinais e fixadas com rebite (20) de travamento.

13) "DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM ESCADA MODULAR", (1), caracterizada de acordo com a reivindicação de número um porque o módulo final (4) ou de apoio possui terminais antiderrapantes (10).

Description:
"DISPOSIÇÃO TÉCNICA INTRODUZIDA EM

ESCADA MODULAR".

1. - INTRODUÇÃO

001 O presente relatório descritivo de Patente de Modelo de Utilidade diz respeito a Disposição Técnica Introduzida em Escada Modular fabricada preferencialmente em perfis tubulares de alumínio natural ou anodizado e formado por módulo base, módulos intermediários e módulo final ou de apoio, sendo caracterizado por permitir seu uso como escada de encosto apoiada sobre pisos planos ou irregulares, bem como disponibiliza módulos intermediários, em número variável, os quais possuem dispositivos de regulagem de altura, tanto para pisos planos quanto para pisos irregulares ou superfícies dispostas em patamares diferentes, além da facilidade de transporto ou arraste race a utilização do módulo base como carro de arraste.

2. - CAMPO DE APLTCAÇAO

002 O campo de aplicação desta Disposição Técnica Introduzida em Escada Modular, conforme seu próprio nome indica, é campo dos utensílios de trabalho, mais especificamente o campo das escadas modulares tipo telescópicas, sejam para uso profissional ou residencial.

3. - FINALIDADES

003 Dentre as principais finalidades desta Disposição Técnica Introduzida em Escada Modular Disposição Técnica Introduzida em Escada Modular devemos destacar a introdução de diversos componentes, bem como a forma de montagem, as quais visam outorgar mais segurança para os usuários, além de facilitar o transporte e o acoplamento dos diferentes módulos.

4. - ESTADO DA TÉCNICA

004 Conforme é de conhecimento geral entre técnicos da área, bem como dos consumidores em geral, hoje em dia existem escadas de módulo único, escadas telescópicas, escadas articuláveis e assim sucessivamente, inclusive o autor e depositante desta Patente depositou um pedido de patente de invenção e um certificado de adição, ambos relacionados ao tema ora apresentado.

005 Visando a colocação no mercado de um produto dotado com características técnicas próprias de desenvolvimento, pesquisas de anterioridades, na Classificação E06C 1/10, foram realizadas junto ao Banco de Dados do INPJ e foram encontrados os seguintes processos:

- FI9702788-0 depositada em 27.08.1997 sob o título de "MÓDULOS PARA MONTAGEM RÁPIDA DE ESCADAS DOBRÁVEL E DE ENCOSTO", constituído por modulo de escada (1), módulo de união (2), módulo de interligação e de articulação (3) ou (4), confecc ionados em alumínio ou material similar, sendo o referido módulo de escada (1) composto por par de secções tubulares retangulares (5) fortemente unidas por, pelo menos, duas hastes cilíndricas maciças (6) e cujas extremidades, se entrarem em contara com o piso ou parede, recebem a aplicação de ponteiras envolventes (7) ou de encaixe internos (S), de plástico ou borracha antiderrapante, sendo que, nos vãos das referidas secções tubulares retangulares (5) serão encaixadas as extremidades das secções retangulares (9) dos módulos de união (2), sendo ditas secções fortemente unidas por uma haste cilíndrica (11), e as outras extremidades das referidas secções retangulares (9) encaixadas em vãos de secções tubulares retangulares (5) de outro módulo de escada (1) ou em secções tubulares retangulares (12) ou (12') ou (13) ou (13')) de módulos de interligação e de articulação (3) ou (4), em ditas secções (12) ou (13) presas, por parafusos ou rebites, uma capa (14) que serve de apoio para articulação, em parafuso ou rebite, para a extremidade de outra secção tubular retangular (12') ou (13'), sendo que as secções tubulares retangulares (13) são fortemente unidas por uma haste cilíndrica (15) cujo desenvolvimento visa permitir a montagem de escadas para atender necessidades específicas para cada atividade de seus usuários.

- MU90Q2558-0 depositada em 06.12.2010 sob o título de "ESCADA MODULADA", a qual refere-se a um modelo de escada para uso doméstico ou profissional cuja característica é poder ser desmembrada em módulos independentes para facilitar seu transporte e guarda. Os módulos podem ainda ser usados individualmente ou acoplados a mais módulos. Seu encaixe é feito através de engates tubulares de metal fixados por parafusos e que garantem total solidez da estrutura quando acoplados os módulos.

- MU8501385-4 depositada em 14.07.2005 sob o título de "ESCADA EM MÓDULOS", a qual refere-se a uma escada em módulos que é compreendida por módulo base 1, módulo intermediário 2 e módulo superior 3, quais são dotados de trava de segurança 4, borracha 5, fixada a parte de baixo do módulo base 1 para dar maior aderência ao piso, borracha 6 fixada á parte de cima do módulo superior 3 para dar maior aderência no apoio, suporte vergado 7 substituindo o último degrau 8, que tal suporte vergado 7, servirá como encaixe para dar estabilidade quando usada em poste, e que tais módulos trarão comodidade no transporte, no uso e no acondicionamento da escada.

5.- DIFERENCIAIS TÉCNICOS

006 A Disposição Técnica Introduzida em Escada Modular ora em tela, apresenta diferenciais técnicos consideráveis em comparação com os documentos citados no Estado da Técnica, sendo estes diferenciais os seguintes:

007 Diferenciais Técnicos do Módulo Base:

. Formado por duas longarinas ou perfis tubulares externas de secção retangular e medidas externas preferências de 5,5 cm x 3,0 cm; duas longarinas ou perfis tubulares internos, também de secção retangular e medidas externas preferenciais de 5,0 cm x 2,5 cm.;

- Provido com duas travessas tubulares cilíndricas dotadas de nervuras longitudinais;

. Provido numa das extremidades, com rodízios giratórios, boiflo de pressão e alojamento;

. Disponibilização de terminais antiderrapantes em todas as extremidades, sejam providas com rodízios fixos ou giratórios; . As extremidades providas com rodízios giratórios sâo reguláveis e inclusive removíveis;

. Oferece versatilidade de regulagem quanto a altura, disponibilizando até 10 ou mais posições, sendo estas regulagens compreendidas por orifícios posicionados na face lateral externa do perfil externo;

. O perfil interno possui rebaixo semi circular posicionado na extremidade superior sendo que o mesmo será inserido no perfil externo com a finalidade de se apoiar, cada um deles, nas travessas tubulares cilíndricas passantes dentro do perfil externo, e travando-se assim que o perfil interno encostar na travessa;

. Para complementar o travamento acima descrito, o perfil externo dispõe de orifício posicionado numa distância previamente definida e de forma tal que, o rebaixo semicircular do perfil interno, ao encostar na travessa tubular cilíndrica, não deixa folgas, já que, o perfil interno possui botão de pressão que é inserido automaticamente no orifício descrito;

. Provido, nas extremidades, com rodízios fixos e alças passantes fixadas com porcas, bem como botão de pressão e alojamento;

. Os rodízios fixos são fixados numa das extremidades de um perfil tubular de secção menor em relação a secção do perfil externo ou estrutural do módulo base, de forma a permitir a introdução deste primeiro perfil ou interno no perfil externo;

. O perfil interno possui rebaixo semi circular posicionado na extremidade que será inserida no perfil externo com a finalidade de se apoiar, cada um deles, nas travessas tubulares cilíndricas, e travando-se assim que o perfil interno encostar na travessa;

. Para complementar o travamento acima descrito, o perfil externo dispõe de orifício posicionado numa distancia previamente definida e de forma tal que, o rebaixo semicircular do perfil interno, ao encostar na travessa tubular cilíndrica, não deixa folgas, já que, o perfil interno possui botão de pressão que é inserido automaticamente no orifício descrito; . Os rodízios fixos são fixados, imediatamente ao lado dos terminais antiderrapantes, por meio de suporte de ferro chato tipo "U" de base reta e dotado de furacões, tanto no suporte quanto no perfil tubular, de forma a permitir a passagem e fixação por meio de porcas do engate tubular sólido de aço tipo "U" provido de roscas nas extremidades para colocação das porcas de fixação do suporte de ferro chato;

. Para facilitar a inserção dos perfis internos providos de rodízios giratórios nos perfis externos, estes dispõem de sobressaJiência côncava, com percurso em declive, a qual tem como função servir como bocal e facilitar a introdução do botão de pressão, o qual e na medida que está sendo inserido, vai-se introduzindo no seu alojamento até ficar em nível com a face interna do perfil interno;

. Para facilitar a inserção dos perfis internos providos de rodízios fixos nos perfis externos, estes dispõem de sobressaliência côncava, com percurso em declive, a qual tem como função servir como bocal e facilitar a introdução do botão de pressão, o qual e na medida que está sendo inserido, vai- se introduzindo no seu alojamento até ficar em nível com a face interna do perfil interno;

. O módulo base permite seu uso como carro de transporte, sendo que neste caso, permanece com seus rodízios apoiados sobre o piso para que os demais componentes, módulos intermediários e final, sejam acomodados e empilhados sobre o mesmo e posteriormente amarrados e presos com corda disposta entre ambos engates tubulares sólidos de aço tipo "U", também denominadas de alças para amarre;

. Quando da montagem da escada, retiram-se os perfis internos, ou seja, aqueles componentes que suportam os rodízios giratórios, liberando os perfis externos para inserção dos módulos intermediários conforme necessidade e posteriormente o módulo final.

008 Diferencias Técnicos dos Módulos

Intermediários: - Cada módulo intennediário é formado por duas longarinas ou perfis tubulares externas de secção retangular e medidas externas preferências de 5,5 cm x 3,0 cm; duas longarinas ou perfis tubulares internos, também de secção retangular e medidas externas preferenciais de 5,0 cm x 2,5 cm., destacando-se que os perfis tubulares internos estão inseridos e travados nos perfis tubulares externos;

- Cada perfil tubular interno dispõe de rebaixos semicirculares dispostos em cada uma de suas extremidades;

. Provido com duas travessas tubulares cilíndricas dotadas de nervuras longitudinais;

- Nas extremidades opostas, os perfis internos possuem furacão de diâmetro igual ao das travessas tubulares cilíndricas dotadas de nervuras longitudinais, permitindo que as travessas tubulares cilíndricas sirvam como elemento de fixação junto com o rebite de tnvamento;

- O comprimento que permanece aparente, após a inserção do perfil interno no externo é praticamente igual a 50% do comprimento do perfil externo;

- A finalidade deste tramo ficar aparente é permitir a inserção do mesmo dentro do módulo intermediário que virá a continuação e assim sucessivamente, travando os módulos com total segurança até alcançar o módulo finai;

- Ainda mais, o travamento é totalmente preso devido a disposição de botão de pressão na face interna de um dos perfis e de orifício na face interna do outro.

009 Diferenciais Técnicos do Módulo Final ou de

Apoio:

- O módulo final ou de apoio é praticamente idêntico a qualquer dos módulos intermediários, tendo como diferencial técnico o feto de possuir terminais antiderrapantes.

6.- AVANÇO TECNOLÓGICO 010 A Disposição Técnica Introduzida em Escada Modular possui como avanço tecnológico o fato de disponibilizar uma escada de módulos encaixáveis e provida de diversos sistemas de travas, bem como de módulo base que, além de servir como primeiro lance da escada, serve também como dispositivo de transporte.

7.- DESCRIÇÃO DOS DESENHOS

011 Para obter uma total e completa visualização de como é constituída a Disposição Técnica Introduzida em Escada Modular ora em questão e objeto da presente Patente de Modelo de Utilidade, acompanham os desenhos ilustrativos anexos, aos quais se faz referências conforme segue:

Figura 1: Representa vista em perspectiva da Escada Modular perfeitamente montada, destacando-se que na mesma e a titulo de ilustração, tão somente foi utilizado um módulo intermediário.

Figura 2: Corresponde a vista lateral da Escada Modular desmontada e empilhada sobre o módulo base, ou seja, em condições de transporte ou de guarda.

Figura 3: Ilustra vista em perspectiva do módulo base na sua configuração inicial, ou seja, com todos os conjuntos de rodízios instalados.

Figura 4: Mostra vista em perspectiva do módulo base sem o conjunto de rodízios giratórios, ou seja, em condições para receber o primeiro módulo intermediário e preparando a escada para utilização.

Figura 5: Refere-se a vista em perspectiva explodida da montagem do módulo final no módulo intermediário.

Figura 6: Representa vista lateral dos perfis, externo e interno, mostrando detalhes dos conjuntos de rodízios giratórios e fixos.

Figura 7: Mostra vista em perspectiva do último tramo do perfil extemo e final já provido com o terminal antiderrapante.

Figura 8: Corresponde á vista em perspectiva do módulo base, mostrando um dos perfis internos e provido de rodízios giratórios, instalado ou fixado numa altura diferente em relação ao segundo perfil interno, destacando seu uso em pisos em desnível ou em degraus.

Figura 9: Refere-se à vista em perspectiva do módulo base, mostrando um os perfis internos providos de rodízios giratórios, os quais estão sendo removidos.

Figura 10: Ilustra vista posterior do módulo base. 8.- DESCRIÇÃO DO MODELO

012 Conforme infere-se dos desenhos que acompanham e fazem parte integrante deste relatório, a Disposição Técnica Introduzida em Escada Modular, (1), é corresponde a escada &bricada preferencialmente em perfis tubulares de alumínio natural ou anodizado e destinada para o campo dos utensílios de trabalho, mais especificamente o campo das escadas modulares, sejam para uso profissional ou residencial visando outorgar mais segurança aos usuários, alem de facilitar o transporte e o acoplamento dos diferentes módulos, sendo caracterizada por ser constituída por módulo base (2), módulos intermediários (3) e módulo final (4) ou de apoio, permitindo seu uso como escada de encosto apoiada sobre pisos planos ou irregulares, bem como disponibiliza módulos intermediários, (3), em número vaíriável, os quais possuem dispositivos de regulagem de altura, tanto para pisos planos quanto para pisos irregulares ou superfícies dispostas em patamares diferentes, além da facilidade de transporte ou arraste face a utilização do módulo base (2) como carro de arraste.

013 O Módulo Base (2) é formado por duas longarinas ou perfis tubulares externos (5) de secção retangular e medidas externas preferencias de 5,5 cm x 3,0 cm; duas longarinas ou perfis tubulares internos (6), também de secção retangular e medidas externas preferenciais de 5.0 cm x 2,5 cm., possui duas travessas tubulares cilíndricas (7) dotadas de nervuras longitudinais e dispostas a intervalos regulares, numa das extremidades é dotado com rodízios giratórios (8), botão de pressão (9) e alojamento interno (não mostrado), bem como de terminais antiderrapantes (10) em todas as extremidades, sejam estas providas com rodízios fixos (11) ou giratórios (8).

014 As extremidades providas com rodízios giratórios (8) sSo reguláveis e inclusive removíveis para facilitar a regulagem de altura, já que disponibilizando até dez ou mais posições de regulagem, sendo estas regulagens compreendidas por orifícios (12) posicionados na face lateral externa do perfil externo (5).

015 O perfil interno (6) possui rebaixo (13) semi circular posicionado na extremidade superior sendo que o mesmo será inserido no perfil externo (5) com a finalidade de se apoiar, cada um deles, nas travessas tubulares cilíndricas (7) passantes dentro do perfil externo (5), e travando-se assim que o perfil interno (6) encostar na travessa (7), destacando-se que, para complementar o travamento acima descrito, o perfil externo (5) dispõe de orifício (14) de travamento posicionado numa distancia previamente definida e de forma tal que, o rebaixo (13) semicircular do perfil interno, ao encostar na travessa tubular cilíndrica (7), não deixa folgas, já que, o perfil interno (6) possui botão de pressão (9) que é inserido automaticamente no orifício (14) descrito.

016 O perfil externo (5) é provido, nas extremidades de cada perfil, com rodízios fixos (11) e alças (IS) passantes fixadas com porcas, bem como botão de pressão (9) e alojamento (não mostrado), bem como terminais anti-derrapantes (10), destacando-se que os rodízios fixos (11) são fixados, imediatamente ao lado dos terminais antiderrapantes (10), por meio de suporte de ferro chato tipo "U" (16) de base reta e dotado de furacões, tanto no suporte (16) quanto no perfil tubular externo (5), de forma a permitir a passagem e fixação por meio de porcas do engate tubular sólido(17) de aço tipo "U" provido de roscas nas extremidades para colocação das porcas (18) de fixação do suporte de ferro chato (16).

017 Para facilitar a inserção dos perfis internos (6) providos de rodízios giratórios (8) nos perfis externos (5), estes dispõem de sobressai iência (19) côncava, com percurso em declive, a qual tem como função servir como bocal e facilitar a introdução do botão de pressão (9), o qual e na medida que está sendo inserido, vai-se introduzindo no seu alojamento até ficar em nível com a face interna do perfil interno (6).

018 Destaca-se também que o módulo base (2) permite seu uso como carro de transporte, sendo que neste caso, permanece com seus rodízios, giratórios (8) e fixos (11), apoiados sobre o piso para que os demais componentes, módulos intermediários (3) e final (4), sejam acomodados e empilhados sobre o mesmo e posteriormente amarrados e presos com corda disposta entre ambos suportes tubulares sólidos (17) de aço tipo "U", também denominadas de alças para amarre.

019 Quando da montagem da escada (1), retiram-se os perfis internos (6), ou seja, aqueles componentes que suportam os rodízios giratórios (8), liberando os perfis externos (5) para inserção dos módulos intermediários (2) conforme a necessidade de altura e posteriormente o módulo final (4).

020 Cada módulo intermediário (3) é formado por duas longarinas ou perfis tubulares externos (5) de secção retangular e medidas externas preferências de 5,5 cm x 3,0 cm; duas longarinas ou perfis tubulares internos (6), também de secção retangular e medidas externas preferenciais de 5,0 cm x 2,5 cm., destacando-se que os perfis tubulares internos (6) estão inseridos e travados nos perfis tubulares externos (5),

021 Da mesma forma que no módulo base (2), cada perfil tubular interno (6) dispõe de rebaixos semicirculares (13) dispostos em cada uma de suas extremidades, sendo provido com duas travessas tubulares cilíndricas (7) dotadas de nervuras longitudinais,

022 Nas extremidades opostas, os perfis internos (6) possuem furacão de diâmetro igual ao das travessas tubulares cilíndricas (7) dotadas de nervuras longitudinais, permitindo que as travessas tubulares cilíndricas (7) sirvam como elemento de fixação junto com o rebite (20) de travamento, destacando-se também que o comprimento que permanece aparente, após a inserção do perfil interno (6) no externo (5) é praticamente igual a 50% do comprimento do perfil externo (5) e tem como finalidade deste tramo é permitir a inserção do mesmo dentro do modulo intermediário (3) que virá a continuação e assim sucessivamente, travando os módulos com total segurança até alcançar o módulo final (4) e, ainda mais, destaca-se que o travamento é totalmente seguro devido a disposição de botão de pressão (9) na face interna de um dos perfis e de orifício de travamento (20) na face interna do outro.

023 Finalmente, o módulo final (4) ou de apoio é praticamente idêntico a qualquer dos módulos mtermediários (3), tendo como diferencial técnico o feto de possuir terminais antiderrapantes (10).

9.- CONCLUSÃO

024 Verifica-se por tudo aquilo que foi descrito e ilustrado que trata-se de Disposição Técnica Introduzida em Escada Modular, ( 1 ), a qual se enquadra perfeitamente dentro das normas que regem a Patente de Modelo de Utilidade, devendo preencher importante lacuna existente no mercado, merecendo em função daquilo que foi descrito e ilustrado e como consequência, o privilégio solicitado.