Login| Sign Up| Help| Contact|

Patent Searching and Data


Title:
VALVE MECHANISM WITH APPLICATOR TIP FOR COSMETIC CONTAINERS
Document Type and Number:
WIPO Patent Application WO/2016/000054
Kind Code:
A1
Abstract:
A valve mechanism with an applicator tip for cosmetic containers, in particular for compressible tubes, comprises a lid-like mounting base (1) with external means (2) for coupling the base in a liquid-tight manner to the bottleneck (3) of an usual compressible container (4), and with internal means (5) which form a passage (6) for the product and is also integral part of a valve (7) sliding upwards and downwards, with the lower end oriented to open and close the passage (6), while the upper end is centred inside a sleeve (9) which receives through its top the base of an applicator tip (9) into its inner part, and its external part receives a cap (10) that surrounds the applicator tip (9), the circular base of the cap being coupled to rotate inside the sleeve (8), combined with an actuation mechanism (11) formed in the two parts for moving upwards and downwards the valve (7) for opening and closing the passage (6) for the product, allowing or preventing the flow of the latter to the applicator tip, which is shaped like a finger, and in which the product accumulates in the desired quantity to be applied to the user's body.

Inventors:
ZEMBROD, Eric (Rua Manoel dos Santos Freire, 1480Jardim Esplanada, -000 Boituva - SP, 18550, BR)
Application Number:
BR2015/050079
Publication Date:
January 07, 2016
Filing Date:
June 25, 2015
Export Citation:
Click for automatic bibliography generation   Help
Assignee:
ZEMBROD, Eric (Rua Manoel dos Santos Freire, 1480Jardim Esplanada, -000 Boituva - SP, 18550, BR)
International Classes:
A45D40/30; A45D34/04; A45D40/26; A46B11/02; B65D35/48
Foreign References:
US7488133B22009-02-10
US7722277B22010-05-25
US8297869B22012-10-30
US7384208B22008-06-10
US4368746A1983-01-18
BRPI0409547A2006-04-18
Attorney, Agent or Firm:
BRUNNER, Marcelo (Av. Brig. Luis Antonio, 4329Jardim Paulista, -002 Sao Paulo - SP, 01402, BR)
Download PDF:
Claims:
REIVINDICAÇÕES

1) MECANISMO VALVULADO COM PONTEIRA APLICADORA PARA EMBALAGENS DE COSMÉTICOS, caracterizado por compreender uma base de montagem (1) à maneira de tampa com meios externos (2) de acoplamento estanque ao gargalo (3) de uma embalagem premente usual (4) e meios internos (5) que constitui passagem (6) do produto e constitui também a parte integrante de uma válvula (7) do tipo deslizante para cima e para baixo e tem a extremidade inferior orientada para abertura e fechamento da passagem (6), enquanto a sua extremidade superior está centralmente alojada no interior de uma camisa (8) que, superiormente e pela parte interna, recebe a base de uma ponteira aplicadora (9), enquanto pela parte externa recebe sobretampa (10) envolvente da dita ponteira aplicadora (9), cuja base circular é acoplada giratoriamente no interior da camisa (8), combinando-se com um mecanismo de acionamento (11) que se forma nas duas partes e constitui meios de deslocamento para cima ou para baixo da válvula (7) de abertura e fechamento da passagem (6) do produto; dita ponteira (9) é acoplada axialmente no interior da camisa (8) e na parte correspondente da válvula (7) e suficiente para liberdade de giros nos dois sentidos combinados com o mecanismo de carne (11) de deslocamento para cima e para baixo da válvula (7) no sentido de abrir ou fechar a passagem (6) .

2) MECANISMO VALVULADO COM PONTEIRA APLICADORA PARA EMBALAGENS DE COSMÉTICOS, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado pelo fato de os meios externos (2) e internos (5) da base de montagem (1) serem formados por dois setores cilíndricos e concêntricos, em que o primeiro constitui saia circular com trava interna (12) de acoplamento estanque ao lábio correspondente (13) do gargalo (3) de uma embalagem usual premente (4), enquanto pelo lado superior projeta-se perpendicularmente para dentro na forma de flange cego

(14) que se integra com a segunda parte interna (5) em forma de copo e com diâmetro para encaixe à maneira de batoque justo no interior do gargalo (3) prevendo-se uma arruela de vedação (15) e, ainda, dita parte interna tem o seu fundo vazado pela passagem (6) no centro da qual se eleva internamente um batoque cilíndrico (16) com ponta afunilada (17); o diâmetro externo da parte (2) possui detalhes de acoplamento para a extremidade inferior da camisa (8) na forma de ressaltos de travamento antirrotacional (18) e canais anelares (19) que formam um degrau intermediário de travamento axial

(20) .

3) MECANISMO VALVULADO COM PONTEIRA APLICADORA PARA EMBALAGENS DE COSMÉTICOS, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado pelo fato de a válvula (7) ser formada por um embolo vertical (21) vazado longitudinalmente por um conduto (22) e tem a sua extremidade superior com um alargamento interno que forma um primeiro lábio de vedação (23), o que também acontece com a extremidade inferior, porém, neste caso um canal circular (24) resulta em dois lábios de vedação concêntricos (25 e 26), em que o externo desliza na parte interna (5) da base (1), enquanto o outro lábio (26) circunscreve a extremidade do conduto (22) formando uma ponta para penetração do batoque cilíndrico (16) de fechamento e abertura do conduto (22); dito diâmetro externo do êmbolo vertical (21) possui ressaltos guias longitudinais (27) e duas pontas seguidoras radialmente opostas (28) de engate com o mecanismo (11) .

4) MECANISMO VALVULADO COM PONTEIRA APLICADORA PARA EMBALAGENS DE COSMÉTICOS, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado pelo fato de a camisa (8) ser formada por uma saia cilíndrica (29), tendo a borda inferior mais larga formando aba externa (30) que constitui encosto de encaixe para a extremidade inferior da tampa

(10), enquanto pelo lado interno esta mesma aba possui uma pluralidade de ranhuras (31) e, acima delas, existem dois setores anelares salientes (32), ambos de acoplamento com a base (1), onde as ranhuras (31) se entrosam com os ressaltos de travamento antirrotacional

(18) e os dois setores anelares salientes (32) se entrosam com os canais anelares (19); a parte superior da camisa (8) é definida por mais duas paredes internas circulares e concêntricas (33) e (34), por entre as quais são formados dois canais (35) e (36) , nos quais é acoplada giratoriamente a extremidade inferior da ponteira aplicadora (10), como também a parede interna de menor diâmetro (33) constitui alojamento deslizante para a extremidade superior com lábio (23) do êmbolo

(21) e, para tanto, também inclui dois rasgos diametralmente opostos que configuram superfícies de carne (37) onde transpassam as pontas seguidoras radialmente opostas (28), as quais ficam expostas no interior do canal ou espaçamento (35) e em posição para engate com a extremidade inferior da ponteira aplicadora (9); dita parede (33) da camisa (8) tem a sua borda superior rebaixada numa extensão de 180° (38) finalizadas por pontos mais baixos de parada e leve travamento (39), que definem posições aberto e fechado, como também este rebaixo (38) inclui uma projeção mediana na forma de pino vertical (40) que constitui ponto de parada e limite de movimento de 90°, aberto ou fechado, para a tampa (10) que, ainda, encontra travamento na borda interna saliente (41) existente na saia (29) da camisa (8) .

5) MECANISMO VALVULADO COM PONTEIRA APLICADORA PARA EMBALAGENS DE COSMÉTICOS, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado pelo fato de a ponteira aplicadora (9) ter a sua base definida por três paredes concêntricas, uma interna que é um conduto e engate (42), uma intermediária (43) e uma externa (44), em que a primeira é mais curta e possui dois rasgos diametralmente opostos

(45) , enquanto as outras duas possuem a mesma altura, como também a externa tem a sua borda inferior ligeiramente mais larga e forma-se um degrau de retenção

(46) e, ainda, entre as duas paredes (43) e (44) existem dois dentes (47) limitadores de giro; ditas paredes (43) e (44) são encaixadas deslizavelmente no interior dos respectivos canais (35) e (36) da capa (8), com que acontece o acoplamento deslizante entre os degraus (41) da camisa (8) e o degrau (46) da ponteira aplicadora (9) e, ainda, os dentes (47) são posicionados sobre o rebaixo (38) da parede (34) e, finalmente, os pinos (28) do êmbolo (21) são engatados nos rasgos (45) da parede interna ( 42 ) .

6) MECANISMO VALVULADO COM PONTEIRA APLICADORA PARA EMBALAGENS DE COSMÉTICOS, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado pelo fato de a saia cilíndrica (29) da camisa (8) ter em sua borda superior uma projeção indicadora vertical (48) que faceia o lado externo da base da ponteira aplicadora (9) e se alinha alternadamente com as duas marcas de parada (49) indicadoras de aberto e fechado.

7) MECANISMO VALVULADO COM PONTEIRA APLICADORA PARA EMBALAGENS DE COSMÉTICOS, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado pelo fato de a extremidade superior da ponteira aplicadora (9) prolongar-se de acordo com uma forma semelhante a falange distai do dedo indicador configurando uma ponta elíptica com eixo maior verticalmente posicionado que constitui uma parte oca na forma de caixa (50) suavemente reentrante na parede posterior (51), enquanto o seu lado anterior forma um pequeno compartimento aberto (52), em cuja parte inferior desemboca o duto formado pela parede (42) e, ainda, este compartimento aberto apresenta um contorno em parede dupla (53), formando um contorno recuado que constitui alojamento externo (54) e alojamento entre paredes (55) , ambos para recepção estanque de uma tampa elastomérica (56), cuja parte anterior é polpuda e possui digital formada por relevo definido por um conjunto de saliências concêntricas e elípticas (57) e, no centro das mesmas, existe um pequeno corte valvular (58) de saida do produto, enquanto pelo lado posterior, dita tampa elastomérica possui contorno semelhante definido por paredes (59) e (60) que se fixam por entre e sobre os detalhes (53), (54) e (55) da caixa (50), com que o compartimento (52) da caixa passa a funcionar como uma verdadeira bolsa de entrega do produto a ser aplicado .

8) MECANISMO VALVULADO COM PONTEIRA APLICADORA PARA EMBALAGENS DE COSMÉTICOS, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado pelo fato de a ponteira (9) incluir rebaixos laterais anatómicos (61) de acesso para as pontas dos dedos indicador e polegar.

9) MECANISMO VALVULADO COM PONTEIRA APLICADORA PARA EMBALAGENS DE COSMÉTICOS, de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por incluir uma ponteira aplicadora modificada (61) tendo a sua extremidade superior formada por dois setores prolongados de paredes concêntricas, um interno (62) e um externo (63), em que o primeiro é um prolongamento do próprio conduto e engate (42), cujo diâmetro externo, alem de estar circundado por um espaçamento (64), também possui dentes semicirculares

(65) , um de cada lado, acima dos quais se situa um rebaixo anelar (66), o qual se repete (67) no topo do prolongamento interno (62), este constitui ponto de vedação, enquanto os detalhes anteriores (64), (65) e

( 66 ) constituem ponto de engate para a parte inferior cilíndrica de uma ponta elastomérica (68), cuja extremidade superior é cilíndrica (69) e apresenta topo que termina inclinado e constitui superfície de aplicação (70), no centro da qual encontra-se um corte valvular (71) de saida do produto, enquanto pela parte inferior dita ponta tem feitio tubular com diâmetro externo ligeiramente menor e configura degrau (72), o que acontece também com o diâmetro interno, porém, o degrau formado internamente apresenta seção transversal à maneira de anel de vedação de topo (73), abaixo do qual o diâmetro interno inclui uma saliência anelar (74) e, finalmente, a borda inferior prolonga-se na forma de garras diametralmente opostas (75), estas entrosáveis com os dentes (65) quando a parte inferior cilíndrica da ponta elastomérica (68) é introduzida no espaçamento (64), onde outro acoplamento ocorre com o entrosamento da saliência anelar (74) com o rebaixo anelar (66) e, ao mesmo tempo, o anel de vedação (73) se ajusta no canal anelar de topo (67) .

Description:
MECANISMO VALVULADO COM PONTEIRA APLICADORA PARA EMBALAGENS DE COSMÉTICOS.

[01] Campo da Invenção.

[02] Mais particularmente a presente Invenção refere-se a um mecanismo que constitui conjunto intermediário entre uma embalagem e um bico aplicador. O conjunto, no seu lado inferior, apresenta meios para ser acoplado em uma embalagem premente usual, tipo bisnaga, por exemplo, contendo um produto de fácil fluidez, seja ele, liquido, oleoso, pastoso, cremoso ou em pó, tal como um cosmético ou fármaco, enquanto pelo lado superior é passivel de receber diferentes ponteiras aplicadoras, notadamente aquelas com ergonomia voltada para aplicação do produto na região dos olhos ou lábios. O mecanismo possui meios que se combinam com a ponteira aplicadora e, com apenas um giro curto de 90°, um sistema de válvula interna fecha ou abre a passagem do produto, de modo que o mesmo possa fluir com um excelente controle da quantidade até a ponteira aplicadora que, por sua vez, ainda inclui outra válvula controladora de saida do produto, de modo que uma quantidade desejada do mesmo possa ser entregue sobre a superfície da ponta aplicadora que, por sua vez, apresenta geometria variável, adequando-se à anatomia do local de aplicação do produto, olhos ou lábios.

[03] Portanto, a invenção relaciona-se a um mecanismo com pelo menos dois tipos bicos aplicadores para serem utilizados em diferentes tipos de embalagens substancialmente flexíveis, cujo conteúdo é extraído de forma premente, tal como acontecem com os cosméticos com diferentes estados de fluidez, normalmente acondicionados em bisnagas, tubos e toda sorte de envase que eventualmente possa facilitar e permitir o controle rigoroso da quantidade de produto a ser aplicado, tal como acontece, por exemplo, com os produtos tópicos, sejam eles cosméticos ou fármacos.

[04] Estado da técnica.

[05] Atualmente existem inúmeras embalagens com recursos semelhantes aos mencionados acima, tal como ensinam, por exemplo, os documentos: CN103826753A, US4987911, US5960802, US6745781, US6793431, US7309184, US7824124, US8226319, US8662776, US8714857,

US2013/108349, US2002 / 0014254 , US2002 / 0090247 ,

US2003/0057236 e US20030057236. Logicamente cada documento descreve uma forma peculiar de construção para que um produto possa ser aplicado, sempre para oferecer uma forma mais eficiente no manuseio, controle e aplicação do produto.

[06] Não resta a menor dúvida de que os mecanismos conhecidos para a finalidade acima sejam suficientes para que o produto seja aplicado corretamente , entretanto, aqueles mecanismos que funcionam com válvulas internas, embora sejam eficientes, notou-se que poderiam ser melhorados consideravelmente, pois, muitos deles, utilizam molas, esferas e toda sorte de componentes mecânicos móveis, mesmo assim, no final é definido um mecanismo substancialmente complicado e, ainda, a entrega do produto no final da ponteira não ocorre da forma desejada, consequentemente, acaba tornando-se um conjunto de exequibilidade industrial complicada, tanto no processo de fabricação dos componentes, como também na montagem final dos mesmos, encarecendo sobremaneira o conjunto e, mesmo assim, não se observa um controle rigoroso da quantidade de produto dispensado e, em alguns casos, a pressão residual da embalagem provoca pequenos escorrimentos, causando desperdício de produto.

[07] Objetivos da Invenção.

[08] Prever duas válvulas distintas, uma no mecanismo e uma na ponteira aplicadora. A primeira válvula é um componente móvel que combina um batoque fixo e um pequeno êmbolo tubular que, por sua vez, é a primeira passagem do produto, como também é móvel para afastar ou se aproximar axialmente do batoque, promovendo o fechamento estanque ou abertura da sua passagem central. Este movimento se dá pelo fato de dito êmbolo possuir dois pinos seguidores radialmente opostos apoiados em rasgos ou "carnes" e, nestes mesmos pinos, estão entrosados com a parte inferior cilíndrica e girável da ponteira aplicadora, consequentemente, giros de 90° no sentido horário ou anti-horário estabelecem o movimento para cima e para baixo do embolo vazado, estabelecendo ou interrompendo a passagem do produto até o interior da ponteira aplicadora. Esta última um formato anatómico "digital", possui toda área de contato formada por uma camada elastomérica, sob a qual forma-se uma pequena bolsa interna que, por sua vez, funciona como "balão" que acumula certa quantidade de produto e permanece estático enquanto a embalagem não for premida, momento em que a pressão no interior da bolsa aumenta o suficiente para que uma abertura valvular estratégica na parte digital, na forma de um pequeno corte, possa abrir e permitir a saida controlada de uma quantidade desejada de produto que, por sua vez, é entregue exatamente sobre a superfície dita como "digital", pois ela assemelha-se a ponta do dedo indicador. Nesta condição, a ponteira aplicadora está em condições para ser levemente esfregada sobre a região do corpo, olhos ou lábios, onde o produto é aplicado com eficiência e sem desperdícios.

[09] Na ponteira aplicadora, a sua camada elastomérica que forma uma segunda saida valvulada pode ter vários formatos decorrentes das possibilidades de seu processo fabril, injetado, termoformado ou vulcanizado, sempre com o intuito de facilitar a aplicação de cremes, géis, pós e quaisquer semissólidos ou sólidos, de maneira que os mesmos sejam aplicados de forma correta, pois, dita camada elastomérica pode ser formada conforme necessidade especifica da área a ser tratada, com controle máximo de aplicação e sem desperdício, pois a dosagem é liberada conforme e no volume desejado de produto que o usuário determinar enquanto pressiona a embalagem.

[10] A ponteira aplicadora se torna valvulada em função da sua camada elastomérica apresentar pelo menos um orifício de saida definido por um corte que, de acordo com cada produto, densidade, viscosidade, tensão superficial, aditivos que alterem a característica da formulação e consequentemente o fluxo do produto, possa ser ajustado dimensionalmente de acordo com as necessidades especificas de cada um destas exigências e características da formulação. Este aplicador por ser produzido em material elástico com memória, ou seja, capacidade de se retornar ao formato em que foi moldado, permite com que quando o produto passa pelo orifício ou corte o efeito memória do elastômero faça com que a passagem seja fechada automaticamente quando cessa a pressão interna da embalagem. Este processo é normalmente denominado de autocicatrização, este efeito em aplicadores específicos, desenhados para cada uso de cada região da pele ou corpo permite uma aplicação muito mais segura, pois não permite a entrada de contaminantes da área externa ou meio externo ou interno da embalagem evitando assim a contaminação do conteúdo interno da embalagem, beneficio este muito desejado pelo mercado farmacêutico, cosmético, veterinário e até mesmo industrial, pois evita entrada de oxigénio que pode oxidar ou promover outras alterações indesejadas da formulação do produto.

[11] Descrição dos desenhos.

[12] Para melhor compreensão da presente Invenção, é feita em seguida uma descrição detalhada da mesma, fazendo-se referências aos desenhos anexos:

[13] FIGURA 1 representa uma perspectiva em ângulo superior do conjunto montado;

[14] FIGURA 2 mostra uma perspectiva do conjunto com a sobretampa explodida, expondo a ponteira aplicadora;

[15] FIGURAS 3 e 4 ilustram, respectivamente, uma vista superior com a indicação de um corte e uma vista do referido corte, mostrando o conjunto montado;

[16] FIGURAS 5 e 6 mostram, respectivamente, uma vista superior com a indicação de outro corte e uma vista do dito corte indicado, mostrando o conjunto montado;

[17] FIGURA 7 expõe uma vista em corte isométrico do conjunto montado;

[18] FIGURA 8 reproduz uma perspectiva explodida em ângulo superior;

[19] FIGURA 9 ilustra uma perspectiva explodida em ângulo inferior;

[20] FIGURA 10 são varias perspectivas ilustrando os detalhes da base de montagem do conjunto;

[21] FIGURA 11 representa várias vistas em perspectiva e em corte mostrando os detalhes da válvula que é formada por um êmbolo;

[22] FIGURA 12 mostra várias vistas em perspectiva e em corte mostrando os detalhes da camisa envolvente da válvula tipo êmbolo;

[23] FIGURAS 13 a 18 ilustram várias vistas em perspectiva e em corte mostrando os detalhes construtivos da ponteira aplicadora;

[24] FIGURAS 19 a 21 são várias vistas em perspectiva e em corte mostrando os detalhes construtivos de uma ponteira aplicadora modificada; e as [25] FIGURAS 22 e 23 são vistas ilustrando o funcionamento do conjunto;

[26] Descrição detalhada da invenção.

[27] De acordo com estas ilustrações e em seus pormenores, mais particularmente as figuras de 1 a 9, a presente Invenção, MECANISMO VALVULADO COM PONTEIRA APLICADORA PARA EMBALAGENS DE COSMÉTICOS, está caracterizada pelo fato de compreender, inicialmente, uma base de montagem (1) a maneira de tampa com meios externos (2) de acoplamento estanque ao gargalo (3) de uma embalagem premente usual (4) e meios internos (5) que constitui passagem (6) do produto e constitui também a parte integrante de uma válvula (7) do tipo deslizante para cima e para baixo e tem a extremidade inferior orientada para abertura e fechamento da passagem (6), enquanto a sua extremidade superior está centralmente alojada no interior de uma camisa (8) que, superiormente e pela parte interna, recebe a base de uma ponteira aplicadora (9), enquanto pela parte externa recebe sobretampa (10) envolvente da dita ponteira aplicadora (9), cuja base circular é acoplada giratoriamente no interior da camisa (8), combinando-se com um mecanismo de acionamento (11) que se forma nas duas partes e constitui meios para deslocamento para cima ou para baixo da válvula (7) de abertura e fechamento da passagem (6) do produto.

[28] A ponteira (9) é acoplada axialmente no interior da camisa (8) e na parte correspondente da válvula (7) de modo que a mesma possa sofrer giros nos dois sentidos e, com isso, o mecanismo (11) promove o deslocamento para cima e para baixo da válvula (7) no sentido de abrir ou fechar a passagem (6) .

[29] A base de montagem (1) está ilustrada com detalhes na figura 10, por onde se verifica que os meios externos (2) e internos (5) são formados por dois setores cilíndricos e concêntricos, em que o primeiro constitui saia circular com trava interna (12) de acoplamento estanque ao lábio correspondente (13) do gargalo (3) de uma embalagem usual premente (4), enquanto pelo lado superior projeta-se perpendicularmente para dentro na forma de flange cego (14) que se integra com a segunda parte interna (5) em forma de copo e com diâmetro para encaixe à maneira de batoque justo no interior do gargalo (3) prevendo-se uma arruela de vedação (15) e, ainda, dita parte interna tem o seu fundo vazado pela passagem (6) no centro da qual se eleva internamente um batoque cilíndrico (16) com ponta afunilada (17), sendo que, ainda, o diâmetro externo da parte (2) possui detalhes de acoplamento para a extremidade inferior da camisa (8) na forma de ressaltos de travamento antirrotacional (18) e canais anelares (19) que formam um degrau intermediário de travamento axial (20) .

[30] A válvula (7) está ilustrada com detalhes na figura 11, por onde se verifica que a mesma é formada por um embolo vertical (21) vazado longitudinalmente por um conduto (22) e tem a sua extremidade superior com um alargamento interno que forma um primeiro lábio de vedação (23), o que também acontece com a extremidade inferior, porém, neste caso um canal circular (24) resulta em dois lábios de vedação concêntricos (25 e 26), em que o externo desliza na parte interna (5) da base (1), enquanto o outro lábio (26) circunscreve a extremidade do conduto (22) formando uma ponta para penetração do batoque cilíndrico (16) de fechamento e abertura do conduto (22), sendo que, ainda, o diâmetro externo do êmbolo vertical (21) possui ressaltos guias longitudinais (27) e duas pontas seguidoras radialmente opostas (28) de engate com o mecanismo (11) .

[31] A camisa (8) está ilustrada com detalhes na figura 12, por onde se verifica que a mesma é formada, inicialmente, por uma saia cilíndrica (29), tendo a borda inferior mais larga formando aba externa (30) que constitui encosto de encaixe para a extremidade inferior da tampa (10), enquanto pelo lado interno esta mesma aba possui uma pluralidade de ranhuras (31) e, acima delas, existem dois setores anelares salientes (32), ambos de acoplamento com a base (1), onde as ranhuras (31) se entrosam com os ressaltos de travamento antirrotacional

(18) e os dois setores anelares salientes (32) se entrosam com os canais anelares (19), caracterizando um engate e fixação permanente entre os dois componentes, evitando que todo conjunto se solte ou que os componentes (1), (4) e (8) sofram qualquer movimento entre eles.

[32] A parte superior da camisa (8) é definida por mais duas paredes internas circulares e concêntricas (33) e (34), por entre as quais são formados dois canais (35) e (36) , nos quais é acoplada giratoriamente a extremidade inferior da ponteira aplicadora (10), como também a parede interna de menor diâmetro (33) constitui alojamento deslizante para a extremidade superior com lábio (23) do êmbolo (21) e, para tanto, também inclui dois rasgos diametralmente opostos que configuram superfícies de carne (37) onde transpassam as pontas seguidoras radialmente opostas (28), as quais ficam expostas no interior do canal ou espaçamento (35) e em posição para engate com a extremidade inferior da ponteira aplicadora (9), de modo que esta última possa movimentar ditas pontas sobre as superfícies de carnes (37) e promover o deslocamento para cima ou para baixo da válvula (7) e estabelecer o seu fechamento ou abertura com giros de 90° nos dois sentidos e, para tanto, a parede (33) da camisa (8) tem a sua borda superior rebaixada numa extensão de 180° (38) finalizadas por pontos mais baixos de parada e leve travamento (39), que definem posições aberto e fechado, como também este rebaixo (38) inclui uma projeção mediana na forma de pino vertical (40) que constitui ponto de parada e limite de movimento de 90°, aberto ou fechado, para a tampa (10) que, ainda, encontra travamento na borda interna saliente (41) existente na saia (29) da camisa (8) .

[33] A ponteira aplicadora (9) está ilustrada com detalhes nas figuras 13, 14 e 15, por onde se verifica que a mesma tem a sua extremidade inferior definida por três paredes concêntricas, uma interna que é um conduto e engate (42), uma intermediária (43) e uma externa

(44), em que a primeira é mais curta e possui dois rasgos diametralmente opostos (45), enquanto as outras duas possuem a mesma altura, como também a externa tem a sua borda inferior ligeiramente mais larga e forma-se um degrau de retenção (46) e, ainda, entre as duas paredes

(43) e (44) existem dois dentes (47) limitadores de giro. Ditas paredes (43) e (44) são encaixadas deslizavelmente no interior dos respectivos canais (35) e (36) da capa (8), com que acontece o acoplamento deslizante entre os degraus (41) da camisa (8) e o degrau (46) da ponteira aplicadora (9) e, ainda, os dentes (47) são posicionados sobre o rebaixo (38) da parede (34) e, finalmente, os pinos (28) do êmbolo (21) são engatados nos rasgos (45) da parede interna (42) . Nesta condição, dita ponteira aplicadora (9) é impedida de se movimentar axialmente, porém, tem liberdade deslizante para giro nos dois sentidos que são os movimentos de abertura e fechamento, ambos com raio de 90°, limitados pelos dentes (47) e pelo pino vertical (40), concomitantemente, o êmbolo (21) é girado em função do mesmo estar com os seus pinos (28) engatados nos rasgos (45) da ponteira aplicadora (9) e, com isso, o carne (37) promove o deslocamento para cima ou para baixo da válvula (7) permitindo a entrada ou saida do batoque (16) da passagem (6) estabelecendo o fechamento ou a abertura da dita válvula (7) .

[34] Conforme ilustra a figura 16, a saia cilíndrica (29) da camisa (8) tem em sua borda superior uma projeção indicadora vertical (48) que faceia o lado externo da base da ponteira aplicadora (9) e se alinha alternadamente com as duas marcas de parada (49) indicadoras de aberto e fechado.

[35] Conforme ilustra as figuras 17 e 18, a extremidade superior da ponteira aplicadora (9) prolonga-se de acordo com uma forma semelhante a falange distai do dedo indicador configurando uma ponta elíptica com eixo maior verticalmente posicionado que constitui uma parte oca na forma de caixa (50) suavemente reentrante na parede posterior (51), enquanto o seu lado anterior forma um pequeno compartimento aberto (52), em cuja parte inferior desemboca o duto formado pela parede (42) e, ainda, este compartimento aberto apresenta um contorno em parede dupla (53), formando um contorno recuado que constitui alojamento externo (54) e alojamento entre paredes (55), ambos para recepção estanque de uma tampa elastomérica (56), cuja parte anterior é polpuda e possui digital formada por relevo definido por um conjunto de saliências concêntricas e elípticas (57) e, no centro das mesmas, existe um pequeno corte valvular (58) de saida do produto, enquanto pelo lado posterior, dita tampa elastomérica possui contorno semelhante definido por paredes (59) e (60) que se fixam por entre e sobre os detalhes (53), (54) e (55) da caixa (50), com que o compartimento (52) da caixa passa a funcionar como uma verdadeira bolsa de entrega do produto a ser aplicado, o que ocorre somente quando nesta parte interna se cria uma pequena pressão ao se premer a embalagem (4) . Nesta condição, esta pressão atua contra o lado interno da tampa (56) solicitando as suas características elásticas, momento em que aquele corte valvular (58) é intimado a se abrir, embora de maneira acanhada, é suficiente para que uma quantidade desejada de produto seja entregue sobre a superfície digital (57) e, no momento em que a quantidade desejada foi estabelecida, a pressão deixa de ser aplicada na embalagem (4) e, a memória elástica da tampa (56) é condizente para fechar completamente aquele corte valvular (58), mantendo a ponteira aplicadora (9) devidamente fechada e já com um produto no seu interior pronto para nova operação.

[36] Ainda com relação a figura 17, a ponteira (9) inclui rebaixos laterais anatómicos (61) de acesso para as pontas dos dedos indicador e polegar, o que facilita o giro da dita ponteira (9) .

[37] A ponteira aplicadora (9) acima descrita apresenta detalhes construtivos e forma anatómica que concorrem para adequar-se a uma aplicação especifica de produto sobre a pele do usuário, notadamente aquela na região dos olhos, principalmente produtos definidos genericamente de cosméticos, entretanto, inclui-se também produtos fármacos aplicados nas mesmas regiões dos olhos .

[38] A figura 19 mostra um conjunto modificado para receber uma ponteira anatomicamente diferente, própria para outras regiões do corpo, principalmente aquelas relacionadas com os lábios, embora este formato seja mais versátil para esta região, também pode ser utilizado em outras principalmente do rosto. Este conjunto modificado possui praticamente as mesmas partes já descritas, ou seja, a base de montagem (1) apresenta os mesmos detalhes para acoplamento estanque ao gargalo (3) de uma embalagem premente usual (4) e meios internos que constitui passagem (6) do produto e constitui também a parte integrante de uma válvula (7) do tipo móvel para cima e para baixo e tem a extremidade inferior orientada para abertura e fechamento da passagem (6), enquanto a sua extremidade superior está centralmente alojada no interior de uma camisa (8) que, internamente, recebe a base de uma ponteira aplicadora modificada (61), enquanto pela parte externa recebe sobretampa (10) envolvente da dita ponteira aplicadora (61), cuja base circular é acoplada giratoriamente no interior da camisa dupla (8), onde um mecanismo de acionamento (11) se forma nas duas partes e constitui meios para deslocamento para cima ou para baixo da válvula (7) de abertura e fechamento da passagem (6) do produto, tal como no conjunto anterior.

[39] A ponteira aplicadora modificada (61) também é acoplada axialmente no interior da camisa dupla (8) de modo que a mesma possa sofrer giros nos dois sentidos e, com isso, o mecanismo (11) promove o deslocamento para cima ou para baixo da válvula (7) no sentido de abrir e fechar a passagem (6) .

[40] A ponteira aplicadora modificada (61) é mostrada com mais detalhes também nas figuras 20 e 21, por onde se verifica que a mesma possui a sua extremidade superior formada por dois setores prolongados de paredes concêntricas, um interno (62) e um externo (63), em que o primeiro é um prolongamento do próprio conduto e engate (42), cujo diâmetro externo, alem de estar circundado por um espaçamento (64), também possui dentes semicirculares (65), um de cada lado, acima dos quais se situa um rebaixo anelar (66), o qual se repete (67) no topo do prolongamento interno (62), este constitui ponto de vedação, enquanto os detalhes anteriores (64), (65) e ( 66 ) constituem ponto de engate para a parte inferior cilíndrica de uma ponta elastomérica (68), cuja extremidade superior é cilíndrica (69) e apresenta topo que termina inclinado e constitui superfície de aplicação (70), no centro da qual encontra-se um corte valvular (71) de saída do produto, enquanto pela parte inferior dita ponta tem feitio tubular com diâmetro externo ligeiramente menor e configura degrau (72), o que acontece também com o diâmetro interno, porém, o degrau formado internamente apresenta seção transversal à maneira de anel de vedação de topo (73), abaixo do qual o diâmetro interno inclui uma saliência anelar (74) e, finalmente, a borda inferior prolonga-se na forma de garras diametralmente opostas (75), estas entrosáveis com os dentes (65) quando a parte inferior cilíndrica da ponta elastomérica (68) é introduzida no espaçamento (64), onde outro acoplamento ocorre com o entrosamento da saliência anelar (74) com o rebaixo anelar (66) e, ao mesmo tempo, o anel de vedação (73) se ajusta no canal anelar de topo

(67) .

[41] Da mesma forma que a ponteira anterior, a pressão atua contra o lado interno da superfície (70) solicitando as suas características elásticas, momento em que aquele corte valvular (71) é intimado a se abrir, embora também de maneira acanhada, é suficiente para que uma quantidade desejada de produto seja entregue sobre a superfície (70) e, no momento em que a quantidade desejada foi estabelecida, a pressão deixa de ser aplicada na embalagem (4) e, a memória elástica da ponta

(68) é condizente para fechar completamente aquele corte valvular (71), mantendo a ponta (68) devidamente fechada e já com um produto no seu interior pronto para nova operação .

[42] Pelo exposto acima, podemos observar que o conjunto em questão concretiza as vantagens anteriormente citadas, inclusive no que e refere ao funcionamento dos pontos valvulares (7) e (58) ou (71), um acionado manualmente e o outro que funciona automaticamente em conjunto com o primeiro. Na figura 22 está ilustrado o primeiro ponto valvular na posição fechada e definido pelo êmbolo (7) . Nesta posição dito êmbolo está na sua posição mais baixa consequentemente, o batoque (16) penetra no seu duto (22) e estabelece um fechamento estanque, o que não permite passagem do produto da embalagem (4) para o interior da ponteira aplicadora (9) . A abertura ocorre somente no momento em que a dita ponteira aplicadora (9) é girada, Neste momento, observando-se a figura 23, o mecanismo (11) definido pelos pinos (28) do êmbolo, pelo carne (37) e pela base girável da ponteira aplicadora (9), faz com que os ditos pinos (28) sejam simultaneamente arrastados para a parte mais alta da superfície de carne (37), consequentemente, o embolo (7) é deslocado para cima e, com isso, a sua extremidade inferior sai do batoque (16) expondo o conduto (22) e, nesta condição, ao se premer a embalagem (4) o produto flui para o interior da cabeça aplicadora (9) . Neste ponto, depois de inundada, se a pressão sobre a embalagem (4) for mantida, o produto começa a forçar a parede da tampa elastomérica (56), formando uma pressão interna controlada e suficiente para que o corte valvular (58) seja gradualmente aberto, provocando a saída controlada do produto que, por sua vez, acumula-se na superfície (57) . No momento em que o usuário cessar a pressão na embalagem (4) concomitantemente o produto para de fluir para o interior da ponteira aplicadora (9) e a pressão interna se equaliza com a pressão externa, momento em que a memória elástica da tampa (56) faz com que o corte valvular (58) seja fechado novamente. Feito isto o usuário gira novamente no sentido contrário a ponteira aplicadora (9) para que o êmbolo (7) possa retornar para a posição fechada.

[43] O produto acumulado na tampa elastomérica

(56) é aplicado com muito conforto, pois esta região da tampa é macia e polpuda, tal como a ponta do dedo indicador, o que facilita sobremaneira a aplicação do produto sobre a pele.

[44] Assim, o usuário poderá manter o embolo (7) na posição aberta enquanto aplica o produto sobre a pele, ou também poderá manter o êmbolo (7) na posição fechada depois de selecionar a quantidade desejada de produto. Tal situação permite um controle excelente do produto aplicado.